Archive for the ‘ Liga dos Campeões da Europa ’ Category

Classificações antecipadas e polêmicas…

Grupo A: Porto(POR), Dínamo Zagreb(CRO), Paris Saint Germain(FRA), Dínamo Kiev(UCR)


No Grupo A deu a lógica. Com uma rodada de antecedência, Porto e Paris Saint Germain se garantiram na próxima fase da Liga dos Campeões da Europa. Em Kiev, na Ucrânia, o time da casa jogava sua sobrevivência no torneio, mas não foi páreo para o bom time do PSG. Com dois gols do italiano Lavezzi, os franceses fizeram 2 a 0 no Dínamo e foi aos 12 pontos. Um ponto a frente está o clube português, que também venceu sua quinta partida e manteve o outro Dínamo com 0% de aproveitamento. 3 a 0, gols de Lucho González, João Moutinho e Varela. Na última rodada, Porto e PSG se enfrentam e definem o líder da chave.

1 Porto 13
2 PSG 12
3 Dínamo Kiev 4
4 Dínamo Zagreb 0

Grupo B: Arsenal(ING), Montpellier(FRA), Olympiakos(GRE), Schalke 04(ALE)

O Grupo B é outra chave em que os dois classificados já estão definidos. O Olimpiakos, da Grécia, que ainda poderia alcançar uma vaga, foi até a Alemanha e saiu derrotado do confronto diante do Schalke 04. Com um gol solitário de Christian Fucs, os donos da casa venceram e permaneceram na ponta. Na Inglaterra, o Arsenal somou sua vitória à derrota do Olimpiakos para também confirmar sua classificação antecipada. Wilshere e Podolski foram os autores dos gols da vitória dos Gunners por 2 a 0 para cima do Montepellier, da França. Na rodada seis, o Schalke depende das suas próprias forças para se classificar em primeiro.

1 Schalke 11
2 Arsenal 10
3 Olimpiakos 6
4 Montpellier 0

Grupo C: Milan(ITA), Málaga(ESP), Anderlecht(BEL), Zenit(RUS)

Mesmo não vivendo um bom momento no Campeonato Italiano, o Milan parece dar uma amenizada na crise e se deu bem na Liga, conseguindo também se classificar de forma antecipada. E contou com um gol de craque do zagueirão Méxes. A vitória foi de 3 a 1 para cima do Anderlecht, da Bélgica. Mas o que chamou a atenção mesmo foi o segundo gol milanista. Após levantamento na área, Méxes matou no peito e emendou uma linda bicicleta. Golaço. Com os três pontos conquistados, o Milan chegou aos oito pontos, mas ainda segue em segundo. Os espanhóis do Málaga, maior surpresa da competição até aqui, continuam em primeiro, depois do empate diante do Zenit, na Rússia, em 2 a 2.

1 Málaga 11
2 Milan 8
3 Anderlecht 4
Zenit 4

Grupo D: Real Madrid(ESP), Borussia Dortmund(ALE), Ajax(HOL), Manchester City(ING)

No grupo da morte, que morreu antes mesmo da segunda fase do torneio foi o Manchester City. Depois de não conseguir nenhuma vitória sequer nos quatro primeiros jogos da Liga (2 empates e 2 derrotas), os ingleses receberam o amedrontador Real Madrid com a missão de vencer para seguir com chances. Não conseguiu. Depois de sair perdendo, com um gol de Benzema, o City ainda alcançou o empate com Agüero, de pênalti. Mas foi só e não foi o suficiente para impedir a eliminação precoce dos ingleses. Melhor para os madrilenhos, que garantiram a classificação com uma rodada de antecipação. Mesmo assim, o Real dificilmente alcançará a primeira colocação do grupo, que é do Borussia Dortmund, que goleou o Ajax por 4 a 0, comprovou a excelente fase e tem saldo de gols superior.

1 Borussia Dortmund 11
2 Real Madrid 10
3 Ajax 4
4 Manchester City 3

Grupo E: Chelsea(ING), Juventus(ITA), Shaktar Donetsk(UCR), Nordsjaelland(DIN)

E o atual campeão da Liga está muito próximo de ser eliminado ainda na primeira fase. Jogando na Itália, Cech, Oscar, Ramires e cia. não foram páreos para o time da Juventus. Contando com o apoio de mais de 40 mil torcedores, os italianos partiram para cima e não deram chances aos visitantes. Com gols de Quagliarella, do chileno Vidal e de Giovinco, a Juve fez 3 a 0 pra cima do Chelsea e pulou para a segunda posição da chave, deixando os rivais em situação muito delicada. Há três partidas sem vencer, os Blues têm sete pontos e não dependem mais de si. Para avançarem, será necessário vencer o lanterna Nordsjaelland e torcer desesperadamente por um triunfo do Shakhtar pra cima da Juventus. Shakhtar que, por sinal e até surpreendentemente, já está classificado após os 5 a 2 em jogo marcado pelo gol polêmico do brasileiro Luiz Adriano, que desreipeitou o fair play e pode ser punido, tanto pelo clube, como também pela Uefa.

1 Shaktar 11
2 Juventus 10
3 Chelsea 7
4 Nordsjaelland 1

Grupo F: Bayern de Munique(ALE), Valencia(ESP), Lille(FRA), BATE Borisov(BIE)

GLOBOESPORTE.COM
Classificado para as oitavas de final antes mesmo de entrar em campo, o Valencia recebeu o Bayern de Munique em ritmo de festa. Sem a pressão de precisar de um resultado positivo para avançar, o time espanhol relaxou, deixou os alemães dominarem, mas no fim das contas conseguiu um empate em 1 a 1, o que foi bom para a equipe bávara, que também conseguiu garantir-se na próxima fase. Com o resultado, as duas equipes chegaram a dez pontos e não poderão mais ser alcançadas pelo BATE Borisov, que perdeu para o Lille mais cedo e parou nos seis pontos. Os franceses, responsáveis pela classificação do Valencia, chegaram a três pontos. Na última rodada, o Bayern receberá a equipe de Belarus. Já os valencianos visitarão os franceses.

1 Valencia 10
Bayern 10
3 BATE 6
4 Lille 3

Grupo G: Barcelona(ESP), Benfica(POR), Celtic(ESC), Spartak Moscou(RUS)

GLOBOESPORTE.COM
O Barcelona venceu o Spartak por 3 a 0 e garantiu classificação antecipada às Oitavas de final, mas quem continua roubando a cena é Lionel Messi. O craque argentino marcou mais duas vezes e não só ajudou diretamente o clube catalão a ampliar a liderança no Grupo G e eliminar o time russo, como também a se aproximar de recordes individuais. O brasileiro Daniel Alves, com um bonito chute, abriu o marcador. Messi igualou-se ao inglês Vivian Woordward com 25 gols em jogos internacionais num só ano e precisa apenas de mais um contra o Benfica, no próximo jogo, para estabelecer nova marca e acabar com a antiga, de 103 anos de duração. Se o Barcelona fez o que se esperava dele, a segunda vaga segue em aberto. Isso graças ao Benfica, que derrotou o Celtic, por 2 a 1, no Estádio da Luz. Agora, os lusos jogam por dois resultados iguais na última rodada para avançarem de fase. O problema em questão é que o adversário do Benfica será o Barcelona no Camp Nou, enquanto o Celtic receberá o já eliminado Spartak.

1 Barcelona 12
2 Celtic 7
Benfica 7
4 Spartak Moscou 3

Grupo H: Manchester United(ING), Braga(POR), Cluj(ROM), Galatasaray(TUR)
GLOBOESPORTE.COM
Com um time misto, cheio de jovens, o Manchester United não resistiu ao “inferno”. Jogando fora de casa, diante de uma torcida apaixonada, os Diabos Vermelhos perderam para o Galatasaray por 1 a 0. Burak Yilmaz foi o autor do gol do triunfo turco. O resultado, porém, não vai prejudicar o United, que já garantiu a classificação como primeiro lugar da chave, com 12 pontos. Para o Galatasaray, porém, a vitória foi importantíssima. O time se manteve na segunda colocação, chegou a sete pontos e depende apenas de suas forças para avançar às oitavas. O Cluj, da Romênia, venceu o Braga por 3 a 1, em casa, graças a três gols do português Rui Pedro, e é o concorrente pela vaga, já que tem a mesma pontuação que os turcos.

1 Manchester United 12
2 Galatasaray 7
Cluj 7
4 Braga 3

(Fotos: AP/ Reuters/ GettyImages/ EFE)

Anúncios

Surpresa? Só no G…

Grupo A: Porto(POR), Dínamo Zagreb(CRO), Paris Saint Germain(FRA), Dínamo Kiev(UCR)

Pela quarta rodada da Liga dos Campeões, o matador Ibrahimovic mudou um pouco suas características. Não marcou nenhum gol, mas em compensação optou por servir. Participou da armação da maioria da sjogadas de ataque do PSG e fez assistência para os quatro gols da equipe na goleada para cima do Dínamo Zagreb, em Paris. O brasileiro Alex abriu o placar, e Matuidi, Ménez e Hoarau completaram. PSG 4 a 0 e os franceses colam no líder do grupo que ainda é o Porto. Jogando fora de casa, os portugueses ficaram no empate sem gols diante do Dinamo Kiev, mas seguem um ponto a frente do PSG.

1 Porto 10
2 PSG 9
3 Dínamo Kiev 4
4 Dínamo Zagreb 0

Grupo B: Arsenal(ING), Montpellier(FRA), Olympiakos(GRE), Schalke 04(ALE)

No duelo que poderia definir a equipe que dispararia na liderança, empate e tudo ficou embolado. Em Gelsenkirchen, o Schalke recebeu o Arsenal e foi melhor durante a maior parte do jogo. Mesmo assim foram os ingleses que tiveram duas vezes na frente do marcador, mas os anfitriões conseguiram buscar os empates, e o placar final ficou mesmo em 2 a 2. Já na Grécia, o Olimpiakos recebeu e não teve maiores problemas para superar o Montpellier, da França. 3 a 1 e os gregos seguem vivos na briga por uma das vagas nas Oitavas.

1 Schalke 8
2 Arsenal 7
3 Olimpiakos 6
4 Montpellier 0

Grupo C
: Milan(ITA), Málaga(ESP), Anderlecht(BEL), Zenit(RUS)

E continua a fase difícil do Milan. Apenas na décima colocação no Campeonato Italiano, o milanistas também andam se complicando na Liga dos Campeões. Vindo de derrota para os próprios espanhóis, o time de Pato contou com o primeiro gol do atacante brasileiro na temporada para evitar mais uma derrota para o Málaga, dessa vez jogando em Milão. No final do primeiro tempo, Eliseu colocou os visitantes na frente. E o empate dos donos da casa saiu aos 30 da etapa final. Com a igualdade, os italianos seguem em segundo, apenas um ponto a frente do Anderlecht, da Bélgica, que, em casa, bateu o Zenit, da Rússia, por 1 a 0. Os russos, que não contaram com Hulk, contundido, estão em último, mas ainda com chances, dois pontos atrás do Milan. O Málaga lidera com folga.

1 Málaga 10
2 Milan 5
3 Anderlecht 4
4 Zenit 3

Grupo D: Real Madrid(ESP), Borussia Dortmund(ALE), Ajax(HOL), Manchester City(ING)

No chamado ‘Grupo da Morte’ desta edição da liga, nada dos atuais campeões espanhóis (Real Madrid), nem dos campeões ingleses (Manchester City). Quem dá as cartas na chave são os alemães do Borussia Dortmund. Assim como aconteceu há duas semanas atrás, Real e Borussia fizeram um confronto emocionante, decidido apenas nos momentos finais. Jogando em casa, os espanhóis foram surpreendidos pelos excelentes contra-ataques dos rivais. Em um deles, Reus abriu o placar para os visitantes. O zagueiro Pepe empatou de cabeça. Ainda na primeira etapa, Götze fez mais um e os merengues só conseguiram igualar novamente aos 44 do segundo tempo, em cobrança de falta de Ozil. 2 a 2. Na outra partida, o Manchester City se desesperou ainda mais na competição. Mesmo atuando em seus domínios, os citizens saíram perdendo por 2 a 0, conseguiram o empate também em 2 a 2, mas precisam de duas vitórias e uma combinação de resultados para se classificar.

1 Borussia Dortmund 8
2 Real Madrid 7
3 Ajax 4
4 Manchester City 2

Grupo E: Chelsea(ING), Juventus(ITA), Shaktar Donetsk(UCR), Nordsjaelland(DIN)

No Grupo E também teve emoção até o último momento na partida entre Chelsea e Shaktar Donetsk. Como aconteceu no último confronto, duas semanas atrás, em Donetsk, o time da Ucrânia foi melhor, e chegou a dominar o adversário, mesmo atuando em Stanford Bridge. Mas jogando em casa, com o apoio da sua torcida, e contando com falhas da defesa ucraniana e com a categoria do meia Oscar, os Blues conseguiram a vitória no último lance do jogo. Logo no começo, o goleiro Pyatov recebeu passe na fogueira e o bicão do arqueiro explodiu em Fernando Torres e foi parar nas redes. Pouco tempo depois, o ex-corintiano Willian empatou. Ainda na primeira etapa, em mais uma falha da defesa, Pyatov saiu da área para afastar de cabeça, Oscar ficou com a sobra e bateu quase do meio do campo. Golaço! No início do segundo tempo, Willian fez mais um. Mas aos 47, Moses usou a cabeça para dar os três pontos para o Chelsea, que se igualou ao Shaktar na ponta. A Juventus continua na briga após golear os dinamarqueses do Nordsjaelland por 4 a 0.

1 Chelsea 8
Shaktar 8
3 Juventus 7
4 Nordsjaelland 1

Grupo F: Bayern de Munique(ALE), Valencia(ESP), Lille(FRA), BATE Borisov(BIE)

No Grupo F, alemães e espanhóis não estão muito dispostos a dar chances para os rivais mais modestos. Prova disso, foi o atropelamento que aconteceu em Munique. O Lille foi até a Alemanha e não conseguiu respirar desde o primeiro minuto de jogo. Para se ter uma idéia, o que pensar de uma partida em que termina o primeiro tempo em 4 a 0. Na segunda etapa vieram mais dois e o Bayern de Munique goleou por 6 a 1. Já na Espanha, o Valencia contou com um gol do brasileiro Jonas para superar o Bate Borisov por 4 a 2 e se juntar ao Bayern na primeira posição da chave.

1 Valencia 9
Bayern 9
3 BATE 6
4 Lille 0

Grupo G: Barcelona(ESP), Benfica(POR), Celtic(ESC), Spartak Moscou(RUS)

Quer surpresa? Ela veio no Grupo G. Jogando na Escócia, o Barcelona jogou como de costume. Posse de bola extremamente maior, inúmeras chances criadas, pressão intensa. Porém, os espanhóis não contavam com a atuação inspirada de Ben Foster, goleiro do Celtic, e também da precisão das finalizações escocesas, já que, basicamente, duas foram as chances de gol criadas pelos donos da casa, e as duas foram para no fundo da rede. Com gols de Wanyama e Watt, o Celtic saiu com a vitória. Messi ainda diminiu no finalzinho, mas já era tarde. Após o apito final, festa dos anfitriões como se fosse de um título. Com os três pontos conquistados, o Celtic se enche de esperança para conseguir a classificação. O Barça continua em primeiro. No outro jogo, o Benfica contou com dois gols de Oscar Cardozo para bater o Spartak por 2 a 0, em território português e ainda seguir sonhando com uma vaga.

1 Barcelona 9
2 Celtic 7
3 Benfica 4
4 Spartak Moscou 3

Grupo H: Manchester United(ING), Braga(POR), Cluj(ROM), Galatasaray(TUR)

Se o Manchester United teve certa sorte no sorteio dos grupo dessa Liga dos Campeões, nada mais correto do que justificar essa superioridade frente aos rivais na chave. Mas os ingleses sofreram para alcançar a quarta vitória em quatro jogos e se garantir como primeira equipe já classificada para a próxima fase. Em Portugal, após sair perdendo, com um gol do brasileiro Allan, de pênalti, os ingleses só conseguiram a virada nos últimos 15 minutos de jogo. Debaixo de muita chuva, Van Persie, Rooney e Chicharito Hernandez decretaram o 3 a 1. Em segundo está Galatasaray que, mesmo fora de casa, bateu o Cluj, da Romênia, também por 3 a 1, e empatou com o rival em pontos, mas leva vantagem no saldo de gols. A segunda vaga da chave segue em aberto.

1 Manchester United 12
2 Galatasaray 4
Cluj 4
4 Braga 3

(Fotos: Reuters/ EFE/ Getty Images)

Coadjuvantes protagonizando…

Grupo A: Porto(POR), Dínamo Zagreb(CRO), Paris Saint Germain(FRA), Dínamo Kiev(UCR)

Pela terceira rodada da fase de grupos, mais uma vez Slatan Ibrahimovic brilhou e ajudou a dar a lógica no Grupo A da Liga. Os franceses foram até a cidade de Zagreb, na Croácia, encarar o Dínamo e não encontraram maiores dificuldades. Com um gol do atacante sueco, e outro de Jeremy Ménez, o Paris Saint Germain fez 2 a 0 e agora está três pontos atrás do outro favorito da chave, o Porto. Os portugueses receberam o outro Dínamo, o de Kiev. E o time do brasileiro Betão não aguentou a pressão dos anfitriões e à boa fase do atacante colombiano Jackson Martínez. Dois gols dele e 3 a 2 Porto.

1 Porto 9
2 PSG 6
3 Dínamo Kiev 3
4 Dínamo Zagreb 0

Grupo B: Arsenal(ING), Montpellier(FRA), Olympiakos(GRE), Schalke 04(ALE)


No grupo B, os holandeses do alemão Schalke 04 não deram chances aos ingleses do Arsenal. Mesmo jogando em Londres, os visitantes não se intimidaram com o poderio adversário e foram para cima. Contando com gols dos holandeses Huntellar e Afellay, o Schalke bateu o Arsenal por 2 a 0 e se isolaram na ponta da chave. deixando os rivais em segundo. Na outra partida do grupo, o Olimpiakos, da Grécia, conquistou a primeira vitória na Liga. Atuando também fora de casa, os gregos fizeram 2 a 1 frente ao Montpellier, que somou apenas um ponto até aqui.

1 Schalke 7
2 Arsenal 6
3 Olimpiakos 3
4 Montpellier 0

Grupo C: Milan(ITA), Málaga(ESP), Anderlecht(BEL), Zenit(RUS)


Zebra passeando no grupo C. Em uma chave aparentemente tranquila para o Milan, os italiano começam a se complicar. E quem se aproveita disso é o Málaga, estreante na maior competição de futebol entre clubes da Europa. Jogando em seus domínios, os espenhóis contaram com Joaquín, que foi de herói a vilão no mesmo jogo, para manter o 100% de aproveitamento em três partidas disputadas. Depois de perder um pênalti no primeiro tempo, o atacante espanhol fez o gol da vitória, que manteve os sete vezes campeões da Liga longe da primeira colocação. 1 a 0. 5 pontos separaram Málaga e Milan. Outra preocupação para o time de Pato, Robinho e cia. é o Zenit. A equipe do brasileiro Hulk venceu o Anderlecht, na Rússia, e agora estão apenas um ponto atrás dos milanistas.

1 Málaga 9
2 Milan 4
3 Zenit 3
4 Anderlecht 1

Grupo D: Real Madrid(ESP), Borussia Dortmund(ALE), Ajax(HOL), Manchester City(ING)


Se o Milan vai vivendo maus bocados no Grupo C, a situação do Manchester City no Grupo D, é ainda pior. Os atuais campeões ingleses conquistaram apenas um ponto até aqui e amargam a última posição. O tropeço da vez aconteceu em Amsterdã. Mesmo saindo na frente, os ingleses sofreram a virada, e acabaram derrotados por 3 a 1. Outro que acabou surpreendido foi o Real Madrid. Jogando em Dortmund, Cristiano Ronaldo não conseguiu deter o ímpeto alemão. 2 a 1 para o Borussia, novo líder da chave. O resultado embolou ainda mais a situação no grupo e faz com que o City se afaste mais de uma vaga para a próxima fase.

1 Borussia Dortmund 7
2 Real Madrid 6
3 Ajax 3
4 Manchester City 1

Grupo E: Chelsea(ING), Juventus(ITA), Shaktar Donetsk(UCR), Nordsjaelland(DIN)

Muito bem no Campeonato Inglês, no qual é líder com certa folga, o iminente adversário do Corinthians no Mundial de Clubes do Japão em dezembro, chegou à Ucrânia embalado. E foi embora decepcionado. Frente à legião brasileira que atua pelo Shaktar, os ingleses acabaram se dando mal. Com gols de Alex Teixeira, ex-Vasco, e Fernandinho, ex-Atlético/PR e com passagem pela Seleção Brasileira, os ucranianos fizeram 2 a 1 (Oscar marcou para os Blues) e assumiram a liderança do grupo. No outro jogo, a Juventus viajou para a Dinamarca e ficou no empate diante do Nordsjaelland: 1 a 1.

1 Shaktar 7
2 Chelsea 4
3 Juventus 3
4 Nordsjaelland 1

Grupo F: Bayern de Munique(ALE), Valencia(ESP), Lille(FRA), BATE Borisov(BIE)


Tudo junto e misturado no Grupo F. Exceto os franceses do Lille, que só perderam na competição até o momento, todas as equipes mantém a mesma pontuação e têm as mesmas chances de classificação. Surpresa maior pelo BATE Borisov, da Bielorrússia, que divide a ponta com Bayer de Munique e Valencia. Nesta terceira rodada, os espanhóis jogaram fora de casa contra o BATE e venceram por 3 a 0. Já o Bayern também jogou longe de seus domínios, e fez 1 a 0 no Lille, gol de Thomas Muller.

1 Valencia 6
BATE 6
Bayern 6
4 Lille 0

Grupo G: Barcelona(ESP), Benfica(POR), Celtic(ESC), Spartak Moscou(RUS)

Mesmo não jogando tudo o que pode, o Barcelona lidera sem problemas o seu grupo da Liga dos Campeões da Europa. Jogando em casa, Messi passou em branco, mas Andres Iniesta e Jordi Alba fizeram os gols da vitória do Barça por 2 a 1 para cima do Celtic, da Escócia. Os catalães continuam com 100% de aproveitamento, três vitórias em três jogos na Liga. Longe dali, em Moscou, o Spartak surpreendeu o Benfica e conquistou a primeira vitória na competição. Com isso, os portugueses do Benfica permenceram com apenas um ponto e estão muito próximos da eliminação.

1 Barcelona 9
2 Celtic 4
3 Spartak Moscou 3
4 Benfica 1

Grupo H: Manchester United(ING), Braga(POR), Cluj(ROM), Galatasaray(TUR)

O Manchester United deu um susto dos grandes para cima de seus torcedores. Atuando em Old Trafford, os anfitriões saíram perdendo por dois a zero para o Braga, de Portugal, com dois gols do brasileiro Alanzinho. Mas deu tempo de uma reação incrível. Dois gols do mexicano Chicharito Hernandez e um do zagueiro Evans deram a vitória e a liderança para os Diabos Vermelhos, que é outra equipe a manter o 100%, com três vitórias em três jogos. No outro jogo da chave, Galatasaray e Cluj empataram em 1 a 1.

1 Manchester United 9
2 Cluj 4
3 Braga 3
4 Galatasaray 1

(Fotos: EFE/ AP/ Reuters/ GettyImages)

Dinheiro bem gasto…


Começou! Nesta terça-feira teve início a fase principal do maior torneio entre equipes do planeta: a Liga dos Campeões da Europa. E começou muito bem…

Grupo A: Porto(POR), Dínamo Zagreb(CRO), Paris Saint Germain(FRA), Dínamo Kiev(UCR)

E todo o investimento realizado pelos dirigentes franceses do PSG já deu resultado, logo na primeira rodada da Liga dos Campeões. A partida diante do Dínamo de Kiev marcava a estreia do zagueiro Thiago Silva e o camisa 3 da Seleção não poderia causar uma melhor impressão. Com um gol dele, um de Ibrahimovic, um do outro zagueiro brasileiro Alex e outro de Pastore, os donos da casa estrearam com goleada de 4 x 1. Miguel Veloso descontou para os ucranianos. No outro jogo do grupo, o Porto, cabeça de chave, também estreou com três pontos. Gol de Lucho González e vitória para cima do Dínamo Zagreb por 1 a 0.

1 PSG 3
Porto 3
3 Dínamo Zagreb 0
Dínamo Kiev 0

Grupo B: Arsenal(ING), Montepellier(FRA), Olympiakos(GRE), Schalke 04(ALE)

Ao perder o atacante Van Persie, negociado com o rival Manchester United, muitos passaram a enxergar o Arsenal ainda mais como um coadjuvante do que já se imaginava. Porém, para o lugar do atacante foi trazido o alemão Lukas Podolski e o atleta da seleção da Alemanha provou, ao menos na estreia na Liga, que a torcida pode depositar a esperança nele e no restante do elenco. Mesmo jogando fora de casa, sem o técnico Arsene Wenger à beira do campo (suspenso) e saindo perdendo, o clube inglês virou para cima do Montpellier e ficou com a vitória por 2 a 1. O segundo gol do Arsenal foi feito por Gervinho e Belhanda marcou para os franceses. Na outra disputa, duelo equilibrado mas com placar igual na Grécia. Olimpiakos 1, Schalke 2.

1 Arsenal 3
Schalke 3
3 Olimpiakos 0
Montpellier 0

Grupo C: Milan(ITA), Málaga(ESP), Anderlecht(BEL), Zenit(RUS)

A temporada mal começou e o Milan já enfrenta situação complicada. Sofrendo bastante pressão da imprensa e torcida italianas, os milanistas ficaram em um 0 a 0 chato diante do Anderlecht, da Bélgica, na primeira partida na Liga dos Campeões. Com o resultado, o cargo do técnico Massimiliano Alegri passa a estar ainda mais ameaçado. Quem se deu muito bem na estreia do Grupo C foi o Málaga. Os espanhóis receberam o Zenit, do brasileiro Hulk, que fazia a segunda partida com a camisa do time de São Petesburgo. Entretanto, o atacante da Seleção Brasileira não conseguiu superar o ímpeto dos rivais. 3 a 0 com gols Rosaleda, Saviola e Isco.

1 Málaga 3
2 Anderlecht 1
Milan 1
4 Zenit 0

Grupo D: Real Madrid(ESP), Borussia Dortmund(ALE), Ajax(HOL), Manchester City(ING)

O melhor jogo da primeira rodada aconteceu em Madri. Muito equilíbrio entre Real Madrid e Manchester City e uma disputa em que foi difícil se saber quem ficaria com a vitória até o apito final. Com gols apenas na etapa final, Dzeko abriu o placar para os campeões ingleses, Marcelo igualou com um bonito gol de pé direito. Kolarov cobrou falta venenosa e surpreendeu a defesa madrilenha. Logo em seguida, Benzema tranquilizou e empatou. Mas, quando já se imaginava o empate como resultado final, Cristiano Ronaldo contou com falha do goleiro Hart e deixou o Real com três pontos. 3 x 2. Quem já divide a liderança do grupo D com os merengues é o Borussia. O campeão alemão faturou a vitória diante do Ajax, na Alemanha. Lewandovski foi o autor do gol único do jogo.

1 Real Madrid 3
Borussia Dortmund 3
3 Ajax 0
Manchester City 0

(Fotos: Getty Images/ Reuters/ AP)

Chelsea Campeão da Liga dos Campeões da Europa!!!


O cenário era totalmente adverso. Adversário jogando em casa, com toda a torcida a favor. Todos os prognósticos contrários a um êxito na decisão. Isso ainda com um começo ruim na competição, com direito à queda de treinador no meio do torneio, com interino no comando até aqui. Além disso, a pressão do conquistar o título para também não ficar de fora da próxima edição da Liga dos Campeões, uma vez que o sexto lugar no Campeonato Inglês não foi o suficiente para atingir a vaga. Nada disso abalou o Chelsea, que acreditou até o fim e saiu premiado da segunda decisão de Liga dos Campeões da Europa nos 107 anos de história do clube.

Outro fator que fazia a torcida do Bayer de Munique ficar ainda mais confiante eram os desfalques ingleses. O capitão Terry, Ivanovic, Raúl Meirelles e o brasileiro Ramires desfalcavam os Blues. Para suprir as ausências, Roberto Di Matteo promoveu o retorno de David Luiz, recuperado de contusão, Cahill assumiu a zaga e o jovem Bertrand, reserva de Ashley Cole, foi deslocado para a ala esquerda. Até por tudo isso, o treinador fez com que a equipe se preocupasse mais com a marcação, o que dificultou as criações de chances no ataque, mas também ajudou a não correr extremos riscos lá atrás. Desde o início, os alemães quiseram fazer valer o mando de campo e o fator ‘torcida’. Com Ribery e Robben abertos pelas pontas, Mario Gomez centralizado e Thomaz Muller chegando de trás, os anfitriões spressionavam mas acabavam parando na muralha armada na defesa azul.

Por falta de opções, o ataque do Bayern começou a arriscar chutes de fora da área. Mário Gomez, artilheiro alemão na competição, era seguido de muito perto por David Luiz. Já o time do brasileiro, tentava as investidas em contra-ataques. Mas Kalou e Bertrand não conseguiam servir Drogba de maneira satisfatória, assim como faz Ramires, por exemplo. Mesmo com toda a pressão, a sorte estava do lado inglês. E isso ficou claro aos 20 minutos, no chute de Robben que parou na trave. A última chance do primeiro tempo saiu dos pés de ‘Super Mario’. Aos 42, David Luiz saiu para dar o bote em Muller, a bola sobrou para o camisa 33, que se livrou da marcação de Cahill e, de frente para Peter Cech, mandar para muito longe.

Na volta para a segunda etapa, o Chelsea avançou um pouco mais a marcação e passou a criar alguma coisa. Lampard passou a ajudar Juan Mata. Porém, com isso, os ingleses ficaram mais expostos e Ribery começou a preocupar mais ao aparecer com mais efetividade nas costas de Bosingwa, substituto de Ivanovic. Apesar de querer chegar mais ao ataque, até para inibir as investidas rivais, o Chlesa não conseguia criar as chances de gol, claramente sentindo falta de boas armações. Do outro lado, o Bayern seguia impondo seu ritmo. Com a típica velocidade, Robben e Ribery davam trabalho aos marcadores e arriscavam de fora, com a bola passando perto da meta de Peter Cech. Com as ameaças alemãs, o time do ‘todo poderoso’ Roman Abramovic passou a se defender mais novamente, principalmente após a metade do segundo tempo.

Faltando oito minutos para o final do jogo, Robben chegou em velocidade pela esquerda, puxou para a direita (sua tradicional e característica jogada), mas dessa vez, ao invés de chutar a gol ele levantou na área. David Luiz vacilou e não marcou ninguém, Ashley Cole grudou em Mario Gomez e quem chegou de trás, completamente livre para testar para o chão e surpreender Cech foi Thomas Muller. A bola pingou no gramado, enganou o goleiro e foi parar no fundo da rede. Gol do artilheiro e revelação da última Copa, que praticamente decretava o título europeu aos donos da casa. Explosão de 80% da torcida presente ao Allianz Arena.

Com o gol sofrido bem próximo do final do jogo, Di Matteo, por fim, mandou a equipe para frente. Fernando Torres e Malouda entraram. Por outro lado, o treinador Jupp Heynckes puxou o Bayern para a defesa, mandando a campo o zagueirão Van Buyten no lugar do autor do gol. Torres entrou disposto. Brigou em duas jogadas. Na segunda, na linha de fundo, conseguiu o escanteio para o Chelsea. Faltavam dois minutos para o final do tempo regulamentar. Juan Mata cobrou o escanteio e levantou na cabeça de Didier Drogba, que como o excelente atacante matador que é, se antecipou ao zagueiro Boateng e cabeceou com perfeição para vencer o goleiro Neuer, igualando o marcador.

Prorrogação. Com Malouda e Torres, e empatando muito perto do fnial do jogo, a expectativa era de que os visitantes começassem melhor o tempo extra. E permaneceram mesmo no campo de ataque. Mas por três minutos. Em contra-ataque, Ribery avançou pela esquerda, invadiu a área, e Drogba, justo ele, ajudava a defesa, mas atrapalhou. Derrubou Ribery e cometeu pênalti. Robben, o algoz brasileiro na última Copa do Mundo, assumiu a responsabilidade da cobrança e…decepcionou. Bateu forte, mas quase no meio do gol, Peter Cech fez a defesa.

Na segunda etapa da prorrogação, mesmo com a decepção do pênalti perdido, o Bayern reassumiu o domínio do jogo e partiu para cima. Marcando sob pressão, no setor ofensivo, encurralou o Chlesea no campo de defesa. Mesmo assim, não conseguia efetivar a pressão em bolas na rede. A maior chance no segundo tempo extra foi em lance em profundidade, que o lateral e capitão Lahm dividiu com o goleiro Cech, a bola sobrou, Kross dividiu com Cahill e bola espirrou mais uma vez. Dessa vez, sobrou no pé de David Luiz que deu um bico para fora de campo, afastando o perigo. Com a igualdade, a decisão acabaria por ser decidida da mesma fora que foi na outra vez que o Chelsea chegou na final da Liga, em 2008 contra o Manchester, nas cobranças de pênaltis.

Também com experiência em penalidades em final de Liga dos Campeões, já que em 2001 foi campeão em cima do Valência, o Bayern de Munique começou a série. Phllip Lahm bateu forte no canto esquerdo e abriu a contagem. O primeiro pênalti do Chelsea foi do jogador que fez a assitência para o gol decisivo de Drogba: Juan Mata. O espanhol mandou no canto, mas fraco. Fácil defesa de Neuer. Na segunda cobrança, Mario Gomez dobrou a vantagem para os alemães. David Luiz não poderia perder senão dificultaria muito a vida dos ingleses. Tomou muita distância e não decepcionou. 2 a 1 na série. A terceira cobrança dos donos da casa foi feita pelo goleirão. Neuer deixou muito artilheiro envergonhado ao bater com muita categoria, no canto direito de Cech, sem chances de defesa. Lampard bateu na sequência e encheu o pé no meio do gol para não correr riscos, fazendo 3 a 2. No quarto pênalti dos alemães, o atacante croata Olic bateu sem muita força e parou nas mãos de Cech. Ashley Cole foi o responsável por empatar a série.

Todos esperavam Robben, que perdeu pênalti na prorrogação, mas a quinta cobrança do Bayern foi feita pelo ótimo Schweinsteiger. O meia bateu bem, mas muito pro canto. Tirou do alcance de Cech, mas carimbou o pé da trave. A missão de fazer o gol do título ficou para…Didier Drogba. O marfinense assumiu a responsabilidade e não teve o menor problema em mandar Neuer para um canto, a bola para o outro e iniciar a festa inglesa em Munique e na Europa inteira. A Europa é azul. Pela primeira vez, Chelsea Campeão da Champions League! Bayern de Munique 1 (3) x (4) 1 Chelsea.

Campanha coroada com a conquista, que quase parou ainda na primeira fase. Na última partida da fase de grupos, vencer o Valencia na última partida era a única opção. E assim aconteceu. Em seguida, nas oitavas diante do Napoli, o 4 a 1 em uma prorrogação no Stamford Bridge confirmou uma virada de um time com o técnico português André Villas Boas recém-demitido e derrotado por 3 a 1 no jogo de ida. Na semifinal, depois de passar pelo Benfica, os Blues contrariaram o mundo ao baterem o poderoso Barcelona. O russo Roman Abramovich, que levantou a taça na festa, já pode gritar para o mundo: seus milhões tornaram o Chelsea um grande europeu.

Alemanha 1 x 1 Inglaterra…Espanha 0!


Poderia ser o jogo de Cristiano Ronaldo, que marcou duas vezes no tempo normal. Ou poderia ser o de Kaká, que saiu do banco de reservas no fim do segundo tempo para se aproveitar do cansaço dos rivais. Mas era a noite de Manuel Neuer. O goleiro titular da seleção alemã se consagrou ao defender as penalidades do português e do brasileiro e ainda contou com um chute para fora de Sergio Ramos para levar o Bayern de Munique à grande decisão da Liga dos Campeões.

Em um cenário próximo do ideal para o Real Madrid, o time conseguiria reverter a vantagem do Bayern de Munique com 15 minutos de jogo. Foi exatamente o que aconteceu em um Santiago Bernabéu pulsante. A torcida comprou o barulho e fez do seu estádio uma arma que funcionou – ao menos no início. Prova disso foi o pênalti marcado logo aos cinco minutos. Di María recebeu lançamento de Marcelo e acertou chute de primeira. Alaba se jogou para interceptar a finalização e tocou com o braço na bola. O juiz hesitou por um instante, mas a pressão foi tamanha que o árbitro húngaro Viktor Kassai apontou para a cal mesmo sem muita convicção. Cristiano Ronaldo não repetiu Lionel Messi na véspera e converteu, desviando de Neuer: 1 a 0.

O Bayern concentrava suas forças no ataque. A resposta quase foi instantânea, mas o holandês Arjen Robben perdeu gol inacreditável após cruzamento de Alaba, aos sete, já na pequena área. Mourinho sabia do perigo que corria e chamou Cristiano Ronaldo para uma rápida conversa. A expressão do treinador foi clara: segurar a bola, ter calma, como o craque português havia pedido depois de fazer o gol da vitória diante do Barcelona, no sábado, ainda que ironicamente. E não é que deu certo? Aos 14, Özil encontrou Cristiano com passe espetacular. O luso não perdoou e fez o segundo dele e dos merengues.

A vantagem àquela altura já era mais do que o suficiente para os donos da casa avançarem à final. Os bávaros, então, avançaram mais a marcação e continuaram chegando com perigo. Tanto que, aos 26, chegaram ao gol. Lahm cruzou para Mario Gómez, que caiu na grande área depois de ser tocado por Pepe. O árbitro marcou pênalti do zagueiro. Robben se encarregou da cobrança e diminuiu, ainda que Casillas e a trave quase tenham evitado. O “lá e cá” seguiu até o fim da primeira etapa. Era um jogaço, para o deleite de Vicente del Bosque e Joachim Löw, técnicos das seleções da Espanha e Alemanha, presentes nas tribunas do Bernabéu.

A partida seguiu carregada de tensão no segundo tempo, o que refletia no comportamento dos torcedores, menos participativos. Mas em campo era mais do mesmo: lá e cá. O tempo foi passando e o jogo virou sinônimo de cautela. O Real sabia que sofrer um gol poderia ser fatal, assim como para o Bayern exagerar nos espaços não pareceria boa ideia. Sem se comprometer, os merengues atacavam com chutes de média distância, principalmente nas faltas de Cristiano Ronaldo. Mourinho pôs Kaká restando pouco mais de 15 minutos para o fim do jogo. O Real tentou embalar em campo, mas não conseguiu – muito por conta do cansaço de Cristiano Ronaldo, que se desdobrava entre ataque e marcação. Kaká entrou mal, sem confiança, desperdiçando contra-ataques. E ainda viu Pepe e companhia se segurarem lá atrás. Era noite de prorrogação.

A prorrogação pôs em campo mais um elemento: a condição física. Cansado, Ribéry deu lugar a um renovado Müller. O Bayern pôde se dar ao luxo de realizar sua primeira substituição no tempo extra depois de ter poupado oito titulares no fim de semana. O Real, enquanto isso, lutava contra todo tipo de fadiga. E o primeiro tempo não teve um grande lance sequer de emoção. O cansaço merengue era maior, mas a postura foi ainda mais ofensiva nos minutos finais de jogo. O problema é que não havia ninguém inspirado que pudesse resolver – Kaká, inclusive, tirava a paciência dos torcedores ao cometer seguidos erros. A decisão sairia da marca da cal, na disputa das penalidades máximas.

Após pouco menos de cinco minutos de descanso, os dois times foram para os pênaltis. Alaba converteu a primeira cobrança. Cristiano Ronaldo, que vinha de 25 pênaltis seguidos sem perder, pegou a bola e… Bateu fraco, permitindo a defesa de Neuer. Na sequência, Mario Gómez fez 2 a 0 para o Bayern. Kaká tinha a chance de diminuir, mas acabou telegrafando o canto (o mesmo de CR7) e Neuer, mais uma vez, defendeu. Quando tinha a chance de praticamente liquidar a fatura, Kroos chutou rasteiro, sem força, e Casillas fez a defesa.Xabi Alonso, na terceira cobrança do Real, finalmente marcou. Logo depois, Lahm bateu com uma “pequena” cavadinha, e Casillas salvou sem problemas: 2 a 1 para o Bayern. O zagueiro Sergio Ramos partiu para a quarta cobrança do Real e mandou longe, muito longe. Schweinsteiger, então, tinha a chance de garantir o Bayern na decisão em casa. E não a desperdiçou. Com força, deslocando Casillas, colocou no fundo da rede, calou o Bernabéu e fez a festa dos bávaros.

Com o sonho do 10º título continental adiado novamente, resta aos merengues concentrarem os seus esforços no Campeonato Espanhol, competição em que o time é líder com sete pontos de vantagem para o arquirrival Barcelona, que também se despediu da Champions nesta semana. Já os alemães apagaram a má impressão deixada no mesmo estádio após a decisão da Liga dos Campeões de 2010. Na ocasião, foram derrotados para o Internazionale de Milão, comandado por José Mourinho, por 2 a 0. A equipe comandada por Jupp Heynckes busca o seu quinto título em final inédita contra o Chelsea, que ainda não conquistou a Champions. A final da Liga acontece na Allianz Arena, casa do Bayern, no próximo dia 19 de maio.

Comprovado…Messi é humano!


Sim. Ele é humano. Se havia alguma dúvida quanto à isso, hoje ficou claro que Lionel Messi é um ser humando como outro qualquer, passível de erros. E ele errou. Em disputa eletrizante, em que a defesa inglesa se postou muito bem frente ao temido e poderoso ataque catalão, o Chelsea conseguiu se classificar para a segunda final de Liga dos Campeões da Europa da sua história. De quebra, os Blues ainda fizeram com que o camisa 10 do Barça sentisse sabores que raras vezes ele havia sentido: falha, derrota e eliminação.

Logo no início da partida, uma perda sentida para cada lado. O zagueiro Cahill se atrapalhou sozinho em drible sofrido na defesa e acabou se contundindo. Ele ainda tentou retornar à campo, mas acabou substituído pelo português Bosingwa. Do lado anfitrião, em jogada de ataque do Chelsea, o goleiro Valdés saiu de maneira estabanada e acabou acertando o próprio companheiro Piqué. O zagueiro do Barcelona chegou a ficar desacordado no momento do choque, mas se recuperou e também voltou ao jogo. Momentos depois, acabou saindo para a entrada de Daniel Alves, que começou no banco. De resto, o panorama da disputa foi exatamente o que se esperava. Barcelona no ataque, Chelsea na defesa. Os poucos avanços ingleses eram em contra-ataques.

Mesmo dominando as ações, os espanhóis não conseguiam criar as oportunidades de perigo como estão acostumados. O nervosismo e a ansiedade dos jogadores era visível, fato esse que é raro se tratando de Barcelona. O toque de bola tradicional era bem interceptado e os chutes de fora, sem muita direção, e os levantamentos na área, para os baixos atacantes, eram frequentes. Mesmo assim, a situação mudou de figura para os donos da casa aos 34 minutos. Após rebote de escanteio, o jovem atacante Cuenca, que vinha fazendo uma fraca exibição, recebeu na ponta direita, foi à linha de fundo e cruzou para o meio. A bola passou por todo mundo e encontrou Busquets na pequena área. O volante só teve o trabalho de empurrar para as redes.

O resultado levava a decisão aos pênaltis, o que ainda servia, de certo modo, para os visitantes. Porém, o zagueiro John Terry não manteve a cabeça no lugar e acabou por prejudicar sua equipe. Fora do lance de bola, o capitão inglês deu uma joelhada no atacante Alexis Sanchéz, foi flagrado e expulso. E, com um homem a mais, a missão foi facilitada e o roteiro parecia se repetir para os atuais campeões da Liga e do mundo. Aos 43, a troca de passes saiu. De Messi para Sanchéz. De Sanchéz para Iniesta. De Iniesta para o gol, na saída de Peter Cech. A vantagem estava dobrada.

Mas, ainda antes do intervalo, um lance fez a diferença e talvez tenha mudado a história de Barcelona e Chelsea, não apenas no jogo, mas na competição. Depois de um vacilo da marcação da defesa do Barça, Lampard acertou excelente lançamento e encontrou o brasileiro Ramires, que disparou em velocidade e com liberdade. Com extrema categoria, o camisa 7, que saiu de frente para o goleiro Valdés, com um leve toque encobriu o arqueiro rival e fez um golaço, diminuindo a diferença e marcando um gol que, àquela altura, dava a classificação para os azuis.

Na volta para o segundo tempo, os anfitriões voltaram a mil, dispostos a marcarem logo para resolver a situação. E tudo indicava que isso não ia demorar a acontecer. Tanto que, no segundo minuto jogado, Drogba tentou ajudar a defesa e acabou derrubando Fábregas dentro da própria área. Pênalti. Era o retorno do Barcelona à boa fase e o gol que afastaria qualquer tipo de crise do Camp Nou. Era, mas não foi. O melhor jogador do mundo foi para a cobrança, bateu forte e acertou o travessão. A falha veio comprovar que todo mundo erra mesmo. Até ele. O camisa 10 já vinha fazendo uma partida discreta, não conseguindo se desvencilhar da marcação, errando passes e até cometendo faltas.

O técnico do Chelsea, Roberto Di Matteo não tinha muitas opções e acabou se fechando ainda mais. Mesmo porque era o que tinha para fazer àquele momento, com um a menos e precisando segurar o resultado, em um claro ataque contra defesa, jogando ainda fora de casa. Todo tempo que era gasto era precioso. Peter Cech fazia sua parte na meta, tanto defendendo as tentativas locais, quanto gastando o tempo que conseguia. Guardiola também tentou se mexer. Mandou à campo Keita e Tello nos lugares de Fabregas e Cuenca. Mas o panorama não se alterou e o time só conseguia chegar na base do ‘abafa’ e logo era ‘abafado’ pela defesa adversária.

O clima de tensão era muito intenso. Até pelo fato de jogadores, comissão e torcedores do Barcelona não estarem acostumado a sofrer tanto na busca de um resultado, normalmente é tão simples. Dessa vez não foi. Muito pelo contrário. No desespero, os espanhóis foram todos ao ataque e, aos 47 minutos, em uma bola rebatida, a posse foi para Fernando Torres. O atacante(espanhol) do Chelsea, que havia acabado de entrar no lugar de Drogba, dominou no circulo central, foi avançando e não viu ninguém à sua frente, a não ser o goleiro Valdés. Com tranquilidade, o camisa 9 driblou o adversário e tocou de leve, fazendo a bola morrer no fundo das redes, assim como morria o desejo do Barcelona de conquistar o Bicampeonato da Liga. Barcelona 2 (2)x(3) 2 Chelsea.

O adversário do Chelsea na decisão sai da outra semifinal entre Bayer de Munique e Real Madrid, que jogam nesta quarta-feira, também na Espanha. Os alemães jogam com vantagem por terem vencido a partida de ida, na Alemanha, por 2 a 1. A Final acontece dia 19 de maio, em Munique.

(Fotos: GettyImages/ Reuters/ AFP/ EFE )