Arquivo para setembro \27\UTC 2012

Kaká voltou!!!


Na tarde desta quinta-feira, o técnico Mano Menezes fez mais uma convocação da Seleção Brasileira. Desta vez, os compromissos brasileiros são os amistosos diante de Iraque e Japão, dias 11 e 16 de outubro, nas cidades de Malmo, na Suécia e em Breslávia, na Polônia, respectivamente. Devido ao momento importante do Campeonato Brasileiro, e pensando em não prejudicar muito as equipes, Mano optou por chamar apenas um jogador de cada equipe que disputa o Brasileirão. Em uma lista com poucas surpresas, o maior destaque ficou por conta do retorno de Kaká. O meia, que vem sendo pouco utilizado no Real Madrid, não sendo utilizado nenhuma vez oficialmente nesta temporada, volta a vestir a camisa amarelinha deopis de dois anos sem ser lembrado. O último jogo dele pelo Brasil foi justamente na Copa de 2010, na eliminação frente à Holanda. Outra novidade foi o zagueiro Leandro Castán, recém-saído do Corinthians para a Roma, da Itália. Um fato que deve causar alguma polêmica foi Mano Menezes não ter atendido o pedido da direção do Santos de poupar o atacante Neymar desses amistosos, já que o jogador anda bastante desgastado pela sequência de compromissos.

Eis a lista completa da convocação:

Goleiros
:
Diego Alves (Valencia)
Victor (Atlético-MG)
Jefferson (Botafogo)

Laterais:
Daniel Alves (Barcelona)
Adriano (Barcelona)
Marcelo (Real Madrid)
Alex Sandro (Porto)

Zagueiros:
Thiago Silva (PSG)
David Luiz (Chelsea)
Leandro Castán (Roma)
Dedé (Vasco)

Volantes:
Sandro (Tottenham)
Paulinho (Corinthians)
Fernando (Grêmio)
Ramires (Chelsea)

Meias:
Kaká (Real Madrid)
Oscar (Chelsea)
Lucas (São Paulo)
Giuliano (Dnipro-UCR)
Thiago Neves (Fluminense)

Atacantes:
Neymar (Santos)
Leandro Damião (Internacional)
Hulk (Zenit)

Anúncios

Santos Campeão da Recopa Sulamericana!!!

Marcelo Hazan
GLOBOESPORTE.COM


Teve frio, Neymar perdendo pênalti e pressão do Universidad de Chile. Mas diferentemente do jogo realizado no distante 22 de agosto, em Santiago, o craque de moicano fez seu gol, comandou o time e ajudou o Santos a alcançar a vitória sobre a Universidad do Chile, que rendeu o inédito título da Recopa Sulamericana, que reúne o campeão da Libertadores e da Copa Sulamericana, ambas do ano passado, ao Alvinegro.

O primeiro tempo no Pacaembu pareceu uma reprise da etapa inicial do jogo de ida entre Santos e Universidad de Chile, no congelante Estádio Nacional, em Santiago, no dia 22 de agosto. Neymar novamente conduziu todas as principais jogadas alvinegras, assim como no Chile. E La U, de forma coletiva, respondeu à altura. Mas a diferença, para alegria dos santistas, foi Neymar jogando como Neymar. O craque mostrou muita vontade desde o início, lances de efeito, como toques de letra e até chapéu, eram exibidos com naturalidade pelo camisa 11. Aos 27, Felipe Anderson arrancou até a linha de fundo e achou Neymar. De forma inteligente, ele usou André como parede. O centroavante devolveu belo passe para o craque, que só deslocou Jhonny Herrera.

Com 43 minutos, o Peixe teve a chance de ampliar. Neymar dominou pelo lado direito e foi pra cima de dois marcadores, girou o corpo e foi derrubado dentro da área. Pênalti que ele mesmo cobrou – mal – nas mãos de Herrera. No jogo de ida, o camisa 11 também errou, mas isolando por cima do gol de Herrera, após escorregar no momento da finalização. No intervalo, o técnico da Universidad de Chile, Jorge Sampaoli, fez duas mudanças. Aparentemente, as substituições surtiram efeito. Em um dos primeiros lances da etapa final, quase saiu o empate. Ubilla aproveitou sobra dentro da área e, de cabeça, mandou por cima do gol de Rafael.

Com 1 a 0 no placar, a partida ficou eletrizante e aberta para os dois lados. Enquanto La U tentava a igualdade, o Alvinegro respondia quase sempre com Neymar, para tentar fechar o placar e definir o título. Depois de certa indefinição, foi o Santos que conseguiu seu objetivo primeiro. Na bola parada, Felipe Anderson cruzou na cabeça de Bruno Rodrigo, que desviou para o canto esquerdo de Herrera, inflamando novamente o Pacaembu, aos 15 minutos.

Ao som de “o campeão voltou” entoado pelos santistas, o Peixe levantou o título da Recopa, inédito para o clube neste formato, e manteve a média de duas conquistas por temporada, tradição desde 2010. Santos 2 (2) x (0) 0 Universidad do Chile. Em 2010, o Peixe levou a Copa do Brasil e o Paulistão. No ano seguinte, novamente Paulistão e a Libertadores. Agora, nesta temporada, além do estadual, conquista a Recopa. Foi o sexto título de Neymar com o Santos em quatro anos como profissional, o primeiro com a tarja de capitão.

(Fotos: Ricardo Matsukawa-Terra)

Sob os olhares do maestro…

Diego Ribeiro e Leandro Canônico
GLOBOESPORTE.COM


O fim de semana começou com festa para o São Paulo e com pressão para o Cruzeiro. E dentro de campo os dois ambientes se confirmaram. Muito embora a partida deste domingo não tenha sido um espetáculo, a festa do Tricolor na apresentação do reforço Ganso valeu o ingresso dos 40.457 torcedores. Antes do jogo, o sorriso estampado no rosto evidenciou bem a felicidade de Paulo Henrique Ganso. Na apresentação do jogador, que assinou contrato por cinco temporadas, a festa foi digna de um craque. Craque empolgado com essa nova oportunidade na carreira, que afirmou que desde a primeira conversa com o São Paulo, há mais de um mês, teve a certeza de que o Morumbi seria o seu destino.

Anunciado por sistema de som, o meia entrou em campo pelo túnel do vestiário e foi recepcionado por dezenas de crianças, que soltaram balões vermelhos, brancos e pretos. O agora camisa 8 do Morumbi, subiu totalmente uniformizado, acenou para a torcida, deu volta olímpica no carrinho da maca e foi extremamente ovacionado pela torcida tricolor. Chamado de maestro por sua qualidade técnica, Ganso foi acompanhado de um mascote tricolor no gramado. O São Paulo, aliás, estava vestido como o líder de uma orquestra, de terno e batuta na mão. Eufórica, a torcida tricolor gritou: “ô, o Ganso é tricolor” e depois cantou o hino são-paulino. Afinal, Ganso agora é o maestro tricolor.

Os aplausos efusivos da torcida tricolor durante a apresentação de Ganso no gramado do Morumbi foram substituídos por vaias ao fim do primeiro tempo. E com razão. Os primeiros 45 minutos da partida contra o Cruzeiro foram ruins. Bem ruins. Nenhum dos dois apresentou criatividade suficiente para levar perigo ao outro lado. Mais ousado nos minutos iniciais, a Raposa teve mais posse de bola e pressionou o rival no campo de defesa. Mas não conseguiu chegar com força. Com Lucas apagado do lado direito, o São Paulo tinha apenas uma jogada ofensiva: arriscar pelo lado esquerdo, com as investidas de Osvaldo. Mas não deu certo. O atacante tricolor era até insinuante quando pegava na bola, porém não deu trabalho ao goleiro Fábio.

A ausência do machucado Luis Fabiano prejudicou os donos da casa, mas também não houve muita ação por parte da armação tricolor. No Cruzeiro, ao fim do primeiro tempo, duas alterações por conta de lesão. Borges e Souza entraram nas vagas de Wallyson e Wellington Paulista, respectivamente. Antes mesmo de o cronômetro marcar dez minutos do segundo tempo, Celso Roth foi obrigado a fazer sua terceira e última alteração. Lucas Silva entrou no lugar de Charles, que sentiu lesão em disputa de bola com o são-paulino Lucas. Se do lado mineiro os problemas eram as lesões, do lado tricolor eram as finalizações. Com apenas duas no primeiro tempo, o São Paulo continuou mal nesse quesito na etapa final. Ney Franco, então, decidiu sacar Willian José, substituto do machucado Luis Fabiano, e mandar a campo o garoto Ademilson.

Coincidência ou não, Ademilson participou das melhores jogadas do Tricolor na partida até então. Aos 22, Ademilson tabelou com Douglas. O lateral cruzou da direita, e Fábio espalmou para Osvaldo, que completou para o gol de cabeça. Em vantagem no placar, o São Paulo passou a dominar as ações da partida. Mais veloz após a entrada de Ademilson, o time pressionou e não deu espaço ao Cruzeiro.

Quando tinha a bola, a Raposa trocava muitos passes à procura de uma brecha na defesa são-paulina. Não encontrou. E teve de correr muito para segurar os contra-ataques tricolores com Osvaldo, Lucas e Ademilson. A vitória mantém o São Paulo na briga pela Libertadores e aumenta a pressão no Cruzeiro de Celso Roth. São Paulo 1 x 0 Cruzeiro. Com mais esses três pontos, o São Paulo foi a 42, em quinto, e mantém perseguição ao Vasco, com 44, na busca de um lugar na zona de classificação à Taça Libertadores da América. Já o Cruzeiro, pressionado na saída de Belo Horizonte, segue com 35 pontos, na nona posição, cada vez mais distante da briga pelo G-4.

Se o jogo do Morumbi ficou devendo tecnicamente, no Engenhão a disputa foi bem interessante. Em mais uma grande atuação de Clarence Seedorf, o Botafogo lutou, mas não saiu do empate em 2 a 2 com o Corinthians. O holandês, que voltou ao time depois de dois jogos fora por causa de uma contratura na coxa esquerda, marcou os dois gols dos alvinegros do Rio, enquanto Paolo Guerrero e Douglas fizeram para os paulistas. Já no Pacaembu, na noite de sábado, era o primeiro jogo do Santos após a venda de Paulo Henrique Ganso para o São Paulo. Mas a ausência mais sentida foi a de sempre: Neymar. Sem ele, o time foi presa fácil para a Portuguesa. O goleador Bruno Mineiro, duas vezes, e Léo Silva fizeram os gols da vitória, e André descontou para o apático Alvinegro, 3 a 1.

Mas o maior destaque do sábado foi o Palmeiras. Aliás, quando o goleiro Wilson colocou a cabeça no travesseiro naquela noite, deve ter demorado para pegar no sono. Na cabeça, só Marcos Assunção. O volante do Palmeiras infernizou a vida do rival e foi o grande responsável pela vitória alviverde por 3 a 1 sobre o Figueirense. No jogo que marcou a boa estreia do técnico Gilson Kleina no comando da equipe paulista, Assunção deu assistências para os dois primeiros gols, de Thiago Heleno e Henrique, marcou o terceiro. A vitória faz o Verdão chegar a 23 pontos e subir para o 18º lugar, ultrapassando o próprio Figueirense. Com a derrota do Coritiba para o Sport, no domingo, o Verdão está mais perto de sair da zona de risco: cinco pontos.

(Fotos: Cristiano Andújar-Agência Lance/ Marcelo Pereira-Terra/ Wagner Meier-Agif-Gazeta Press)

Paulo Henrique Ganso é do São Paulo!!!


Durou muito, muito, muuuuiiitoooo tempo. Mais especificamente 32 dias, nessa nova fase, podemos dizer assim, desde a primeira proposta realizada pelo São Paulo. Mas a novela referente ao futuro de Paulo Henrique Ganso chegou ao final na madrugada desta quinta para sexta-feira. O São Paulo finalmente conseguiu a liberação do camisa 10 junto ao Santos e anunciou o meia como mais novo reforço tricolor. Para isso, o Peixe aceitou a última proposta e receberá R$ 23,9 milhões, um pouco mais do que os 45% dos direitos econômicos que possuía. Ganso esteve na Vila Belmiro na madrugada, justamente para assinar a recisão de contrato junto ao clube praiano. E a notícia foi oficializada por volta das 2h20 desta sexta-feira. Já pela manhã, PH já estava no CT da Barra Funda, para realizar os exames médicos e conhecer as instalações do novo clube. Ele ainda se recupera de uma lesão muscular na coxa esquerda e, segundo o diretor de futebol, Adalberto Batista, deve estar a disposição em torno de 15 dias.

Depois do acordo, a situação do jogador é a seguinte: o São Paulo, que desembol sou R$ 16,4 milhões, terá 32% dos direitos de Ganso, enquanto o grupo DIS, que injetou R$ 7,5 milhões para viabilizar a transferência, amplia sua porcentagem sobre o atleta de 55% para 68%. No futuro, se o São Paulo vender o atleta por um valor superior, o clube da Baixada ainda terá direito a 5% do lucro obtido pelo rival. No começo da semana, SP e grupo DIS já haviam chegado a um acordo, mas o Santos, que já tinha aceitado o acordo inicial, surpreendeu e passou a vetar novamente a transferência, alegando àn essa altura que a forma de pagamento não o agradava mais. Para mudar a idéia do Peixe, a DIS abriu mão de sua parte na transferência (55% do valor), ajudou o São Paulo financeiramente e finalmente conseguiu a liberação.

Paulo Henrique Ganso começou a carreira nas categorias de base do Tuna Luso, do Pará, seu estado natal. Ainda passou pelo Paysandu, onde jogou pouco, antes de ser observado pelo ídolo santista Giovanni, que o levou para realizar testes no Peixe. No time de Vila Belmiro, viveu momentos Sensacionais, ao lado do amigo e parceiro de ataque Neymar. Foi Tricampeão Paulista (2010, 2011, 2012), Campeão da Copa do Brasil (2010) e Campeão da Taça Libertadores da América (2011). Jogou 154 jogos e marcou 35 gols.

Oscar não foi suficiente…


Grupo E: Chelsea(ING), Nordsjaellan(NOR), Juventus(ITA), Shaktar Donestk(UCR)

Tudo indicava que o atual campeão da Liga iria estrear muito bem nessa edição. Jogando em casa, apoio total da sua torcida e contando com um dia inspirado do recente contratado Oscar. O meia brasileiro foi titular pela primeira vez com a camisa dos Blues e correspondeu em alto nível. Ainda no primeiro tempo, o jogador da Seleção de Mano Menezes fez incríveis dois gols em três minutos. O primeiro em chute de fora, contando com um desvio no meio do caminho. Já o segundo foi um golaço. Também chutando de longe, mas antes de finalizar, o camisa 11 deu um toque de letra para se livrar de dois marcadores, sendo que um deles levou a bola por baixo das pernas e esse era simplesmente era Andrea Pirlo. Com um toque no ângulo Oscar fez um gol Sensacional. Mas Vidal ainda no primeiro tempo, e Giovinco no segundo tempo , decretaram o empate. No outro jogo do grupo, o Shaktar Donetsk bateu o Nordsjaellan por 2 a 0.

1 Shaktar 3
2 Juventus 1
Chelsea 1
4 Nordsjaellan 0

Grupo F: Bayern de Munique(ALE), Lille(FRA), Valencia(ESP), BATE Borisov(BIE)

Se os atuais campeões iniciaram a nova caminhada com um empate, os atuais vice-campeões conseguiram resultado ainda melhor na rodada inaugural. Jogando em território alemão, o Bayern de Munique enfrentou o Valencia e contou com gols de Schweinsteiger e Toni Kross para superar o time dos brasileiros Jonas e Diego Alves. Valdes fez o gol dos espanhóis. O goleiro da Seleção Brasileira, aliás, evitou que a vitória magra se transformasse em uma goleada. Na outra partida da chave, o BATE Borisov, em sua segunda Liga consecutiva, estreou com boa vitória frente aos franceses do Lille. 3 a 1.

1 BATE 3
Bayern 3
3 Valencia 0
Lille 0


Grupo G
: Barcelona(ESP), Spartak Moscou(RUS), Celtic(ESC), Benfica(POR)

Provavelmente se esperava uma tranquilidade maior de um dos maiores times do planeta, que estreava na Liga dos Campeões diante do modesto Spartak Moscou, na Espanha. Os russos não se intimidaram com o poderoso elenco rival e dificultou a vida do Barcelona. Tello ainda colocou os donos da casa na frente. Mas Daniel Alves fez feio e marcou contra, empatando o jogo. Outro brasileiro, Rômulo, da Seleção Brasileira, colocou os visitantes na frente. Mas os espanhóis contam com um nome que não se encontra em qualquer lugar, e que faz a diferença em qualquer partida. Lionel Messi. Dois gols do camisa 10 e vitória do Barça na estreia. 3 a 2. No outro jogo do Grupo G, empate sem gols entre Celtic e Benfica, na Escócia.

1 Barcelona 3
2 Benfica 1
Celtic 1
4 Spartak 0

Grupo H: Manchester United(ING), Galatasaray(TUR), Cluj(ROM), Braga(POR)

E no Grupo H, o favorito também precisou suar mais do que se imaginava para garantir os três pontos na rodada de estreia na competição européia. Com um gol marcado logo no quinto minuto de jogo, após boa jogada de Carrick e Van Persie para o gol do próprio volante, os Diabos Vermelhos jogaram para o gasto e seguraram a equipe turca do camisa 10 e capitão… Felipe Melo. Os ingleses ainda se deram ao luxo de desperdiçar um pênalti, com Nani. Na outra partida do grupo, o Cluj surpreendeu o Braga fora de casa e venceu por 2 a 0. O brasileiro Rafael Bastos, que já teve passagens por clubes como Bahia e Cruzeiro, foi o autor dos dois gols.

1 Cluj 3
Manchester United 3
3 Galatasaray 0
Braga 0

Gilson Kleina é o novo técnico do Palmeiras!!


Eis que as esperanças palmeirenses em permanecer na divisão principal do futebol brasileiro passam a ser depositadas no seguinte homem: Gilson Kleina. Na manhã desta quarta-feira, o treinador se reuniu com a diretoria da Ponte Preta, equipe até então comandada por ele. Na reunião, foi apresentada a proposta palmeirense e chegou-se a um acordo sobre a saída da equipe campineira, colocando um fim ao contrato que iria até o final do ano. Depois do acerto, Kleina confirmou para o presidente palmeirense, Arnaldo Tirone, que aceitaria o convite e passaria a ser o técnico do Palmeiras.

O contrato de Gilson Kleina vai até dezembro de 2013, com salários em torno dos R$ 300 mil. A missão inicial do novo técnico é clara: evitar o rebaixamento do Verdão. Entretanto, com o contrato fechado até o final da próxima temporada, ao menos ‘à princípio’, mesmo que o Palmeiras caia para a Segunda Divisão, o comandante terá sequência no trabalho à frente do time, dirigindo a equipe, inclusive, na disputa da Libertadores da América. Juntamente com ele, seguem para o alviverde os auxiliares Juninho e Jair Leite e os preparadores físicos Fabiano Xhá e o de goleiros, Palha.

Antes de chegar ao Palmeiras, Gilson Kleina treinou uma extensa lista de clubes de menor expressão, tais como Criciúma, Paraná, Ipatinga, Gama, Vila Nova e Duque de Caxias, chegando à Ponte Preta no final de 2010. Na temporada seguinte, levou a Ponte de volta à elite do futebol nacional, com uma ótima campanha que culminou no vice-campeonato da Série B 2011. Além disso, chegou às Quartas de final do Campeonato Paulista 2011, às semifinais do Paulistão 2012 e às Oitavas da Copa do Brasil deste ano. Sai da Macaca com a importante marca de ser o técnico com mais jogos consecutivos no comando da equipe nos últimos 15 anos.

Muitos foram os nomes cogitados para assumir o Palmeiras após a queda de Luiz Felipe Scolari. Porém, a maioria dos nomes pensados pela diretoria estão empregados, o que dificultou as coisas. Logo após a saída de Felipão, o nome mais forte era de Emerson Leão, que até esboçou vontade de assumir mais uma vez o Verdão, mas não foi liberado pelo presidente do São Caetano, seu atual clube. Outro predileto da diretoria era Jorginho. Mas foi outro que não pôde voltar devido ao seu compromisso atual. Ele faz boa campanha desde que assumiu o Bahia. Quem esteve próximo de assumir nesta terça foi Paulo Roberto Falcão. O ex-comentarista se acertou quanto ao tempo de contrato, mas o pedido salarial foi muito alto, se comenta que foi algo em torno de R$ 500 mil.

Dinheiro bem gasto…


Começou! Nesta terça-feira teve início a fase principal do maior torneio entre equipes do planeta: a Liga dos Campeões da Europa. E começou muito bem…

Grupo A: Porto(POR), Dínamo Zagreb(CRO), Paris Saint Germain(FRA), Dínamo Kiev(UCR)

E todo o investimento realizado pelos dirigentes franceses do PSG já deu resultado, logo na primeira rodada da Liga dos Campeões. A partida diante do Dínamo de Kiev marcava a estreia do zagueiro Thiago Silva e o camisa 3 da Seleção não poderia causar uma melhor impressão. Com um gol dele, um de Ibrahimovic, um do outro zagueiro brasileiro Alex e outro de Pastore, os donos da casa estrearam com goleada de 4 x 1. Miguel Veloso descontou para os ucranianos. No outro jogo do grupo, o Porto, cabeça de chave, também estreou com três pontos. Gol de Lucho González e vitória para cima do Dínamo Zagreb por 1 a 0.

1 PSG 3
Porto 3
3 Dínamo Zagreb 0
Dínamo Kiev 0

Grupo B: Arsenal(ING), Montepellier(FRA), Olympiakos(GRE), Schalke 04(ALE)

Ao perder o atacante Van Persie, negociado com o rival Manchester United, muitos passaram a enxergar o Arsenal ainda mais como um coadjuvante do que já se imaginava. Porém, para o lugar do atacante foi trazido o alemão Lukas Podolski e o atleta da seleção da Alemanha provou, ao menos na estreia na Liga, que a torcida pode depositar a esperança nele e no restante do elenco. Mesmo jogando fora de casa, sem o técnico Arsene Wenger à beira do campo (suspenso) e saindo perdendo, o clube inglês virou para cima do Montpellier e ficou com a vitória por 2 a 1. O segundo gol do Arsenal foi feito por Gervinho e Belhanda marcou para os franceses. Na outra disputa, duelo equilibrado mas com placar igual na Grécia. Olimpiakos 1, Schalke 2.

1 Arsenal 3
Schalke 3
3 Olimpiakos 0
Montpellier 0

Grupo C: Milan(ITA), Málaga(ESP), Anderlecht(BEL), Zenit(RUS)

A temporada mal começou e o Milan já enfrenta situação complicada. Sofrendo bastante pressão da imprensa e torcida italianas, os milanistas ficaram em um 0 a 0 chato diante do Anderlecht, da Bélgica, na primeira partida na Liga dos Campeões. Com o resultado, o cargo do técnico Massimiliano Alegri passa a estar ainda mais ameaçado. Quem se deu muito bem na estreia do Grupo C foi o Málaga. Os espanhóis receberam o Zenit, do brasileiro Hulk, que fazia a segunda partida com a camisa do time de São Petesburgo. Entretanto, o atacante da Seleção Brasileira não conseguiu superar o ímpeto dos rivais. 3 a 0 com gols Rosaleda, Saviola e Isco.

1 Málaga 3
2 Anderlecht 1
Milan 1
4 Zenit 0

Grupo D: Real Madrid(ESP), Borussia Dortmund(ALE), Ajax(HOL), Manchester City(ING)

O melhor jogo da primeira rodada aconteceu em Madri. Muito equilíbrio entre Real Madrid e Manchester City e uma disputa em que foi difícil se saber quem ficaria com a vitória até o apito final. Com gols apenas na etapa final, Dzeko abriu o placar para os campeões ingleses, Marcelo igualou com um bonito gol de pé direito. Kolarov cobrou falta venenosa e surpreendeu a defesa madrilenha. Logo em seguida, Benzema tranquilizou e empatou. Mas, quando já se imaginava o empate como resultado final, Cristiano Ronaldo contou com falha do goleiro Hart e deixou o Real com três pontos. 3 x 2. Quem já divide a liderança do grupo D com os merengues é o Borussia. O campeão alemão faturou a vitória diante do Ajax, na Alemanha. Lewandovski foi o autor do gol único do jogo.

1 Real Madrid 3
Borussia Dortmund 3
3 Ajax 0
Manchester City 0

(Fotos: Getty Images/ Reuters/ AP)

Anúncios