Arquivo para agosto \30\UTC 2012

Desafetos empatados…

GLOBOESPORTE.COM


O duelo entre os dois últimos campeões brasileiros terminou igual. Isso graças a dois atacantes que se transformaram em desafetos no ano passado, quando eram companheiros de clube. Fred, agora artilheiro do Campeonato Brasileiro, com dez gols, e Emerson marcaram para Fluminense e Corinthians, respectivamente, em confronto quente, cercado de lances mais pesados, cartões e discussões entre os jogadores em campo. O Fluminense mostrou um bom futebol, principalmente nos primeiros 30 minutos de jogo. Com um toque de bola envolvente e a velocidade de Wellington Nem, o time conseguia abrir espaços na defesa.

Mas o resultado no primeiro tempo acabou sendo construído no melhor estilo Corinthians de vencer seus jogos. Com uma defesa forte, desde o meio do campo, procurava neutralizar as principais armas do Fluminense, estabelecidas na criatividade do trio formado por Thiago Neves, Wagner e Wellington Nem. Apesar do bom começo, aos poucos eles foram sendo dominados por seus marcadores. Em um jogo quente, com entradas fortes, um erro nesse caso poderia custar caro. E foi o que aconteceu. Aos 36, Wagner perdeu a bola para Ralf no campo de defesa, e o volante tocou para Emerson chutar de esquerda e contar com o desvio em Gum para abrir o placar no Engenhão.

No campo, o Corinthians continuou com seu trabalho de sempre no segundo tempo, e o Fluminense viveu o mesmo sofrimento para conseguir criar jogadas de ataque.Com a clara dificuldade para atacar, o técnico Abel fez uma mudança drástica no time do Fluminense. Ele colocou Rafael Sobis no lugar do zagueiro Gum, que já havia sido advertido com cartão amarelo, e abriu o time, recuando Edinho para a zaga central. A mudança não teve o impacto esperado, mas ainda assim ajudou a criar a primeira oportunidade de Fred no jogo, em ótima cabeçada, que Cássio espalmou, aos 26.

A resposta de Tite para a ousadia de Abel foi a entrada de mais um volante para segurar o resultado. Ele colocou Edenílson no lugar de Emerson para reforçar ainda mais a defesa do Corinthians. Mas não foi suficiente. Em lance de posicionamento de goleador nato, Fred salvou o Fluminense aos 37, empatando o jogo e assumindo a artilharia isolada da competição, com dez gols, impedindo seu desafeto Emerson de sair de campo festejando.

Sábado, contra o Figueirense, lanterna do Brasileiro, em Florianópolis, o Fluminense segue sua perseguição ao Atlético-MG, líder, um ponto à frente e com um jogo a menos. Já o Corinthians, depois do empate com o vice-líder, agora terá a missão de enfrentar o Galo, no Pacaembu, domingo. O Timão soma 25 pontos e aparece em 12º lugar. Por falar no líder, o Atlético teve ingredientes suficientes para mais uma vitória, mas não conseguiu apagar a estrela de Cicinho. O Galo esteve duas vezes à frente no placar, mas o lateral-direito garantiu a travessura da Ponte Preta, que parou o líder do Campeonato Brasileiro ao empatar em 2 a 2 na noite desta quarta-feira, no estádio Independência.

Mas quem decepcionou na rodada, mais uma vez, foi o Palmeiras. A Portuguesa aplicou uma lição ao Verdão, no Canindé: não dá para viver de passado, por mais recente que ele seja. Com um jogo coeso, planejado e baseado nos contra-ataques, a Lusa venceu por 3 a 0, dois gols do artilheiro Bruno Mineiro e um de Moisés, e vê a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro cada vez mais distante. O Verdão, ainda sobre os louros do título da Copa do Brasil, parou de jogar futebol. Em algumas boas atuações, não obteve o resultado por obra do acaso. Nesta quarta, nem boa atuação teve e somou sua terceira derrota consecutiva no torneio.

(Fotos: Mauro Pimentel-Terra/ Pedro Villela-Futura Press/ Ricardo Matsukawa-Terra)

Anúncios

Mano, firme no cargo, convoca mais uma….


Mano Menezes balançou, balançou, mas não caiu. A medalha de prata conquistada com a derrota frente ao México na final olímpica não foi o suficiente para tirar o treinador do cargo de comandante da Seleção Brasileira. Com isso, a vida segue e Mano anunciou no início da tarde desta quinta-feira a lista de jogadores convocados para dois amistosos a serem realizados no início do próximo mês. Os próximos compromissos serão diante de África do Sul e China, nos dias 7 e 10 de setembro, no Morumbi, em São Paulo, e no Arruda, em Recife, respectivamente. E a lista teve, no mínimo, duas grandes novidades. Uma delas é o volante Arouca, do Santos. O camisa 5, constantemente solicitado pela imprensa e torcida brasileiras, fará sua estreia no time principal da Seleção. Além dele, a outra surpresa foi o goleiro Cássio. Depois de um ótimo desempenho na campanha do título corintiano da Libertadores da América, o arqueiro também foi convocado pela primeira vez na equipe A do Brasil. Confira a lista completa:

Goleiros
Jefferson (Botafogo)
Diego Alves (Valencia-ESP)
Cássio (Corinthians)

Laterais
Alexsandro (Porto-POR)
Adriano (Barcelona-ESP)
Daniel Alves (Barcelona-ESP)
Marcelo (Real Madrid-ESP)

Zagueiros
Thiago Silva (PSG-FRA)
David Luiz (Chelsea-ING)
Dede (Vasco)
Rever (Atlético-MG)

Volante
Arouca (Santos)
Rômulo (Spartak-RUS)
Paulinho (Corinthians)
Sandro (Tottenham-ING)

Meias
Lucas (São Paulo)
Oscar (Chelsea-ING)
Ramires (Chelsea-ING)

Atacantes
Hulk (Porto-POR)
Jonas (Valencia-ESP)
Leandro Damião (Internacional)
Neymar (Santos)

Vaga sofrida…

GLOBOESPORTE.COM


O Botafogo lutou, pressionou e venceu, mas não levou a vaga às oitavas de final da Copa Sulamericana. Com um golzinho que fez toda a diferença, o Palmeiras se classificou mesmo perdendo por 3 a 1 nesta quarta-feira, no Engenhão, pelo jogo de volta da primeira fase da competição internacional. Mesmo com todo o sufoco, o Verdão se classificou graças à vitória por 2 a 0 na partida de ida e o gol marcado fora de casa – critério de desempate no torneio.

Emoção não faltou na partida, que merecia público bem maior no Rio de Janeiro – apenas 2.434 pagantes compareceram ao Engenhão. O Botafogo abriu o placar com Seedorf (após receber passe de Lucas, impedido), sofreu o empate com Patrik, marcou dois gols no segundo tempo e fez 15 minutos insanos no fim. Pressão total, bolas choradas, finalização na trave. Sem sucesso.

O time de Luiz Felipe Scolari aguarda o vencedor do confronto entre Guarani, do Paraguai, e Millonarios, da Colômbia, que farão o primeiro jogo no dia 30, e o segundo, em 19 de setembro. Cheio de desfalques, o Verdão continua sua maratona entre Sul-Americana e Campeonato Brasileiro, buscando alternativas para se virar. Nesta quarta, a classificação heroica veio com 12 desfalques e apenas cinco jogadores no banco de reservas. O Botafogo, por outro lado, foca no Campeonato Brasileiro para buscar uma vaga na Libertadores.

No outro jogo entre brasileiros que definiu vaga na fase internacional da Sulamericana, o Grêmio conseguiu chegar ao apito final classificado. Mesmo perdendo por 3 a 2 no Couto Pereira, a equipe gaúcha somou o placar à vitória por 1 a 0 em Porto Alegre e comemorou graças ao maior número de gols fora de casa.

(Fotos: Mauro Pimentel-Terra/ Lucas Uebel-Divulgação)

Na fase internacional…!!

Marcelo Prado e Marcos Guerra
GLOBOESPORTE.COM


O São Paulo, que já tinha vantagem por ter batido o Bahia por 2 a 0, jogou com o resultado na mão, esperando o adversário se cansar para depois colocar fogo numa partida que começou gelada. Em casa, no Morumbi, o time até fez brincadeiras no fim do confronto. Com gols de Willian José e Maicon, o Tricolor Paulista repetiu o placar do duelo em Salvador e garantiu a classificação às oitavas de final, no início da fase internacional da competição.

Os baianos se entregaram em campo, mas não tiveram forças para uma virada histórica. Agora, o Bahia junta os cacos da eliminação precoce na competição internacional para fugir da zona de rebaixamento no Campeonato Brasileiro. A primeira oportunidade para isso será no próximo domingo, às 18h30m (de Brasília), quando o time recebe o Atlético-GO em Pituaçu. O São Paulo, por sua vez, comemora a classificação e espera o vencedor do confronto entre a LDU de Loja, do Equador, e o Nacional, do Uruguai. Por hora, se prepara para o clássico contra o Corinthians, às 16h de domingo, no Pacaembu, pela 19ª rodada do Brasileirão.

(Fotos: Ricardo Matsukawa-Terra)

‘Santo André’…

Alexandre Lozetti
GLOBOESPORTE.COM


Gols anulados, grandes defesas, discussões e até sangue no rosto. Os ingredientes da primeira etapa foram dignos dos dois últimos campeões da Libertadores. Alternância de poder em campo. O Peixe tinha de volta o quarteto que encantou o país há dois anos: Arouca, Ganso, Neymar e André. Com eles, tentou sufocar logo no início e o centroavante, em sua segunda partida após o retorno ao clube, quase abriu o placar ao desviar chute de fora da área. Sorte de Cássio que a bola se arrastou, fraquinha, até suas mãos. A diferença do Santos de 2012 para o de 2010 é que em vez do veterano Robinho, que era quase um coadjuvante de luxo, agora quem complementa o setor de ataque é o jovem argentino Patito Rodriguez. Mas o Timão não se intimidou e foi se tornando dono da casa.

Em poucos minutos, o Corinthians fez com que todos se lembrassem do domínio absoluto que teve na semifinal da Libertadores, quando venceu por 1 a 0. Mas também havia uma diferença: Sheik, autor daquele golaço, não esteve em campo. Em seu lugar, Romarinho teve espaço para deitar, rolar e chutar. Sorte dos Brunos, Peres e Rodrigo, que Rafael impediu dois gols do herói da Bombonera. O goleiro do Peixe deu sangue, literalmente, pelo time. Um corte no supercílio fez sua cara ficar vermelha – resultado de um choque com o zagueiro Bruno Rodrigo. E vermelho de raiva ele ficou quando Douglas, em ótima tarde, cobrou falta na cabeça de Danilo. Ele, que também havia feito gol na semifinal, fez de novo. Artilheiro do Timão na temporada, com 12 gols.

Neymar, até então, tinha atuação sem grande destaque. Mas craque é aquele que aproveita os momentos mais raros. E como é raro o sistema defensivo conritiano dar moleza a alguém. Seis minutos após o gol corintiano, o atacante carregou, caminhou, acelerou, se livrou facilmente dos marcadores e entrou na área, só observado pelos quatro adversários. Livre, rolou para André completar para o gol e dar ainda mais molho ao duelo.

Neymar, Paulinho, Arouca, Danilo, Ganso, Douglas, Rafael, Cássio… Eram tantos grandes jogadores em campo, que talvez o assistente Emerson Augusto de Carvalho tenha ficado receoso de ser esquecido. Decidiu, então, cometer erro gritante, logo no terceiro minuto da etapa final: não marcou três impedimentos no mesmo lance. Bruno Rodrigo cabeceou, Durval desviou e André completou para o gol, colocando o Peixe à frente e deixando os corintianos indignados.

Não é comum o Timão atuar em desvantagem e tudo que o Peixe espera, com seus jovens velozes, é ter espaço. Patito melhorou. Ajudou na marcação, driblou e segurou a bola no campo de ataque. Mas foi outro argentino quem brilhou. Martínez entrou no lugar de Danilo e reacendeu o jogo em seu único momento de leve marasmo. A impressão era de que o Santos cozinharia o triunfo até o apito final de Flávio Rodrigues Guerra, mas o hermano, pela esquerda, justificou sua contratação. Aos 35 minutos, entrou na área, cortou para o meio e bateu com consciência, no cantinho.

Martínez acendeu Tite, acendeu a torcida visitante na arquibancada e acendeu até o Santos. Ainda havia forças para nova reação? A resposta veio três minutos depois, da cabeça de Bruno Rodrigo, que acertou o canto esquerdo e conseguiu o feito de deixar o gigante Cássio com os pés pregados no chão. As tentativas de novo empate vieram das bolas paradas de Douglas, que não surtiram o mesmo efeito. Os corintianos vão reclamar do bandeirinha e os santistas vão enaltecer a vitória. Para a história, fica mais um grande confronto entre os alvinegros. Santos 3 x 2 Corinthians.

Embalado pelas duas vitórias consecutivas após a volta de Neymar, o Santos terá uma semana importante. Na quarta-feira, pega o Universidad do Chile, em Santiago, na primeira partida da decisão da Recopa. No sábado, terá pela frente o Palmeiras. Já o Corinthians descansa até o próximo domingo, quando receberá o São Paulo no Pacaembu, na tentativa de manter a supremacia dos últimos anos sobre o rival.

Nos outros jogos da rodada 18, o São Paulo voltou a vencer. Por 40 dias, o São Paulo ficou órfão de Lucas. Foram dez jogos sem seu melhor jogador. Na noite de sábado, time e jogador mataram a saudade um do outro e o resultado foi ótimo: comandados pelo camisa 7, 3 a 0 para cima de uma apática Ponte Preta. O triunfo interrompeu uma série de três derrotas e recolocou o time perto da zona de classificação à Libertadores de 2013.

Quem não se deu bem foi o Palmeiras. O Atlético/GO mostrou que sua boa fase contra os paulistas continua muito viva. Depois de vencer o São Paulo e empatar com Corinthians, Ponte Preta e Santos, o Dragão bateu o Palmeiras por 2 a 1 no Serra Dourada. Além de ganhar uma posição na tabela de classificação, impossibilitou que os paulistas se distanciassem da zona de rebaixamento. No jogo sem maiores emoções entre Portuguesa e Internacional, empate em 1 a 1, com gol do estreante zagueiro Juan para os colorados. E em Belo Horizonte, numa tarde em que Ronaldinho e Seedorf brilhavam, quem decidiu a partida no Independência, foram dois reservas do Atlético-MG que entraram em campo no segundo tempo. Neto Berola recebeu passe de calcanhar de Carlos César e marcou aos 43 minutos da etapa final o gol da vitória por 3 a 2 do líder do Campeonato Brasileiro – e antecipadamente campeão simbólico do primeiro turno – sobre o Botafogo.

(Fotos: Fernando Borges-Terra/ Randes Nunes da Cunha-Gazeta Press/ Pedro Vilela-Agif-Gazeta Press)

Invencibilidade de nove jogos e nona colocação…

Carlos Augusto Ferrari
GLOBOESPORTE.COM


No confronto dos remendados, o Corinthians soube trabalhar melhor seus problemas para seguir crescendo no Campeonato Brasileiro. A ausência dos principais jogadores foi sentida por Corinthians e Internacional durante todo o primeiro tempo. Não faltou empenho na marcação e vontade em cada lance. Faltou um pouco mais de qualidade. Bem na marcação sobre o característico jogo corintiano e com saídas rápidas para o ataque, o Colorado teve uma leve superioridade, mas sem conseguir transformá-la em vantagem no placar.

O estreante Rafael Moura, aos 42 segundos, marcou de cabeça em impedimento claro e bem marcado. Muito acionado pelos laterais Fabrício e Nei, o grandalhão deu trabalho à zaga paulista, porém, sem nenhuma grande oportunidade para finalizar. O Corinthians teve muitos problemas para chegar ao ataque. Martinez mostrou habilidade em algumas jogadas individuais, mas ainda precisa de mais entrosamento com a equipe. Danilo e Douglas estiveram muito abaixo do esperado e quase não criaram. O centroavante Adilson também pouco apareceu.

Sem grandes opções no banco de reservas, o técnico Tite preferiu manter a formação corintiana no segundo tempo, mas com uma postura mais ofensiva, tentando sufocar o Inter. O Timão usou os primeiro minutos para abafar o adversário. Sem resultado. Percebendo a dificuldade da equipe, o treinador sacou Adilson e colocou o meia Giovanni, fazendo Danilo atuar como centroavante. A alteração não surtiu grande efeito, mas, mesmo assim, o Corinthians chegou ao gol, em lance de bola parada. Aos 23, Douglas cobrou falta na medida para o zagueiro Paulo André se antecipar à marcação e desviar de cabeça no canto direito de Muriel.

A reação do Internacional não aconteceu. Fernandão arriscou algumas modificações, mas faltou força ofensiva. Rafael Moura continuou atrapalhando a vida dos zagueiros corntianos, mas sem receber nenhuma bola em condição de marcar. Corinthians 1 x 0 Inter. O Timão mantém sua fase de ascensão, chegando a nove partidas sem perder e sobe da décima para a nona colocação, com 24 pontos, só um a menos que o rival São Paulo, que, ao contrário do Corinthians, em nenhum momento poupou seus titulares. Já o Inter volta a perder depois de seis partidas e não consegue entrar no G-4.

Nos outros jogos da rodada 17, destaque para o Palmeiras. O jogo entre Verdão e Flamengo que prometia duelo de artilheiros entre Vágner Love e Obina – que começou no banco – só teve um golzinho, chorado e em posição de impedimento. Gol do Pirata e o Palestra deixou a zona de rebaixamento a duas rodadas do fim do primeiro turno. Quem também voltou a vencer foi o Santos. Neymar viajou 14 horas de Estocolmo, na Suécia, onde estava com a Seleção Brasileira, até Florianópolis, pois estava com saudade de jogar pelo Santos. A prova disso, para o azar do Figueirense, foi mostrada na vitória do Peixe por 3 a 1 sobre o time catarinense, que também marcou a reestreia do atacante André.

Quem surpreendeu foi a Portuguesa. Em pleno Estádio Olímpico, em Porto Alegre, a Lusa lidou bem com a pressão e venceu o Grêmio por 2 a 1. Este foi o sétimo jogo sem perder da equipe verde-rubra. Agora, a zona de rebaixamento é passado, e o time de Geninho está na parte intermediária da classificação. E quem não tem nada para comemorar é o São Paulo. Com retrospecto brilhante jogando em casa, o Náutico fez sua quinta vítima em oito jogos disputados nos Aflitos. Com um primeiro tempo de extrema inspiração e contando com novos vacilos defensivos do Tricolor, a equipe comandada por Alexandre Gallo passeou em campo, bateu o rival por 3 a 0 e voltou a conquistar uma vitória após duas rodadas.

(Fotos: Vagner Campos-Terra/ Djalma Vassão-Gazeta Press/ Cristiano Andujar-Lancepress!/ Aldo Carneiro-Gazeta Press)

Já vi essa letra antes…

GLOBOESPORTE.COM


Parecia que os erros dos dois lados seriam fundamentais para selar o empate entre Coritba e Corinthians, neste domingo, no estádio Couto Pereira, em Curitiba. Coritiba e Corinthians abusaram dos erros no primeiro tempo e só não foram para o intervalo zerados porque a equipe da casa apresentou ligeira vantagem nos duelos de meio-campistas. Pela direita, Gil ficava de olho em Danilo, Junior Urso marcava Douglas pelo meio e, pela esquerda, Chico era o responsável por conter os avanços de Paulinho. Enquanto isso, o Timão tentava fazer a já conhecida marcação por pressão no ataque.

Aos poucos, o Timão conseguia sair da forte marcação adversária e passou a encontrar espaços principalmente pelo lado esquerdo de seu ataque. Fabio Santos e Danilo, auxiliados por Romarinho, levavam vantagem sobre Ayrton e Gil. Romarinho teve as melhores oportunidades do Corinthians, mas pecou em todas. As investidas corintianas não intimidaram o Coxa, que logo retomou o domínio da partida e abriu o placar. Éverton Ribeiro aproveitou cochilo da defesa adversária e tocou para Chico, que enfiou para Leonardo. De primeira, o atacante acertou passe às costas de Paulo André, e Éverton Ribeiro venceu Cássio, aos 46 minutos.

Na saída para o intervalo, Danilo reconheceu a pouca efetividade do ataque corintiano e pediu mais presença ofensiva. No vestiário, possivelmente a conversa com o técnico Tite foi sobre este tema, já que o treinador trocou o meia Douglas pelo atacante peruano Paolo Guerrero. A troca surtiu efeito, e o Timão voltou mais ligado. Mas, tempo depois, Tite foi obrigado a substituir Fabio Santos, sentindo lesão, pelo argentino Martinez. Jorge Henrique, então, foi deslocado para a esquerda. E assim, improvisado, o Timão melhorou e virou o jogo. Jorge, bancando o lateral, cruzou na cabeça de Paulinho, que cabeceou para o chão e venceu o goleiro Vanderlei, aos 20 minutos.

O gol aumentou ainda mais o ritmo da partida, que se tornou eletrizante, com ótimas chances para os dois lados. O empate não servia, e as equipes faziam um jogo franco. No entanto, faltava acertar o pé no último lance. Quando parecia que o jogo terminaria empatado, o Timão conseguiu a virada. Martínez achou Paulinho pela direita. O volante cruzou rasteiro e Romarinho chegou finalizando de calcanhar, aos 45 minutos. Da mesma maneira que fez o seu primeiro com a camisa do Timão, no clássico diante do Palmeiras. Golaço que selou a vitória dos paulistas. Coritiba 1 x 2 Corinthians. Com o resultado, o Corinthians soma 21 pontos e ocupa a décima colocação na classificação do campeonato. O Coritiba, com 15, está em 15º.

Nos outros jogos da rodada 16, destaque para o Grêmio. Na base da raça gaúcha, o time de Vanderlei Luxmeburgo conquistou uma vitória por 2 a 1, de virada, sobre o São Paulo, em pleno Morumbi. No sábado, no Pacaembu, o Atlético Goianiense teve boa atuação, mas não conseguiu segurar os argentinos Patricio Rodriguez e Miralles, que entraram no segundo tempo e salvaram o Peixe da derrota, marcando um gol cada e decretando o empate por 2 a 2.

Portuguesa e Botafogo podem fazer melhor do que apresentaram neste domingo. Lusa e Alvinegro se alternaram no domínio do jogo, sem exercer efetivamente uma superioridade. Com isso, a igualdade ficou de bom tamanho, e os rivais ficaram no empate por 1 a 1. Por falar em confronto Rio-SP, Fluminense e Palmeiras entraram em campo prometendo um grande jogo no Engenhão. Diante de 8.536 presentes, no entanto, as expectativas não vingaram, e quem brilhou foi um coadjuvante: Jean esperou até o fim para dar a terceira vitória seguida ao Flu, esta por 1 a 0, e garantir a vice-liderança. A primeira posição ainda é do Atlético/MG, que bateu o até então segundo colocado, Vasco, e agora abriu três pontos de vantagem para o vice-líder.

(Fotos: Felipe Gabriel-Agência Lance/ Giuliano Gomes-Gazeta Press/ Léo Pinheiro-Terra/ Bruno Cantini-Atlético/MG-Divulgação)

Anúncios