Arquivo para fevereiro \29\UTC 2012

Viória apagada…


Sem brilho, mas com os “três pontos” na bagagem! Assim pode ser qualificada a atuação da Seleção Brasileira no primeiro desafio do ano. Nesta terça-feira, o time canarinho venceu a Bósnia, na AFG Arena, em St. Gallen, na Suiça. Brasil 2 x 1 Bósnia. Com atuação apagada de Ronaldinho Gaúcho e falhas da defesa, a equipe de Mano Menezes se mostrou frágil no compromisso que marcou a estreia dos novos uniformes, mas conseguiu o triunfo com gols de Marcelo e Papac (contra). Ibisevic fez para os rivais do time canarinho.

Mas não foi apenas a atuação de Ronaldinho que chamou a atenção negativamente. Julio César voltou a falhar, David Luiz mostrou pouca segurança ao lado de um seguro Thiago Silva. Os destaques ficaram por conta das mexidas de Mano Menezes, que deram mais movimentação ao meio-campo. Hulk repetiu as jogadas que costuma fazer no Porto e assim saiu o segundo tento da Seleção. Ganso e Lucas também entraram bem no confronto.

Pouco para um time que sonha com a inédita medalha nas Olimpíadas de Londres e no hexacampeonato na Copa de 2014, que será disputada no Brasil. O duelo desta terça-feira mostrou que Mano terá que trabalhar muito para conseguir os objetivos traçados pela CBF daqui a dois anos e meio. Os próximos adversários do Brasil serão México, Estados Unidos e Argentina, todos em jogos amistosos.

(Fotos: Mowa Press/ Reuters)

Anúncios

Fluminense leva a Taça Guanabara!!


Na Taça Guanabara, primeiro turno do Campeonato Carioca, nenhuma surpresa. Os quatro grandes do estado se classificaram para as semifinais. Nas eliminatórias, o Flamengo caiu diante do Vasco e o Fluminense só conseguiu superar o Botafogo nas cobranças de pênaltis. Na decisão, o Vasco, após o excelente Campeonato Brasileiro que fez em 2011 e com oito vitórias nos oito jogos no estadual até então levava o favoritismo diante de um Fluminense que começou o Cariocão com muitas dificuldades e sofreu para conseguir a classificação. Não deu a lógica.

Em uma tarde inspirada do artilheiro Fred, o Tricolor soube se impor e anular as principais armas vascaínas. O sistema ofensivo com Deco, Thiago Neves e Fred vai se entrosando e mostrando a todos seu real valo, do nível da capacidade e categoria de cada um dos integrantes. Além deles, o jovem Wellington Nem foi outro nome de extrema importância para a conquista. Dois gols do camisa 9 e um de Nem. Eduardo Costa fez o de honra do time da Colina. Vasco 1 x 3 Fluminense.

Com a vitória e a conquista, o Flu se garante na decisão do Campeonato Carioca, onde enfrentará o campeão do segundo turno, a Taça Rio. Caso conquiste o título também da Taça Rio, o Fluminense já se consagra Campeão Carioca de 2012, assim como o Flamengo fez na temporada passada.

Três pra lá, três pra cá…


Fazia bastante tempo que não via um clássico do nível da grandeza das duas equipes envolvidas. E isso aconteceu em Presidente Prudente nesse domingo. O Palmeiras esteve à frente do placar três vezes. Mas o São Paulo conseguiu ser efetivo no ataque e reagir todas as vezes. Porém, o placar igual no final dos 90 minutos acabou não sendo bom para nenhum dos dois lados. O único ponto, tanto para alviverdes, quanto para tricolores acabou distanciando ambas as equipes da ponta da tabela.

No início do jogo, quem partiu para cima foi o Verdão. Contando com a velocidade de Naikon Leite, a habilidade de Hernán Barcos, e os arremates de longe de Daniel Caravalho, os palmeirenses criaram as melhores oportunidades de gol. Tanto que antes do quinto minuto de jogo, falta. Marcos Assunção? Dessa vez, não. Daniel Carvalho surpreendeu os defesores adevrsários bateu colocado de perna esquerda, no canto, sem chances de defesa para Dênis, abrindo o marcador no Prudentão.

A vantagem no placar deu a tranquilidade e o controle do jogo ao Palmeiras, que ainda criou novas oportunidades para ampliar. As tentativas sãopaulinas eram basicamente nos seus dois melhores jogadores disponíveis no elenco: Cortês e Lucas. Porém, foi o contestado Casimiro que fez boa jogada pela direita e cruzou a bola rasteira ao meio da pequena área, onde achou o meia (que também faz as vezes de centroavante de vez em quando) Cícero, que só escorou, mandando a bola para o fundo das redes e deixando tudo igual. Mas não deu muito tempo para comemorar a igualdade. Dez minutos depois, aos 36, arrancada de Maikon Leite pela esquerda, e o camisa 7 serviu Barcos no meio da área. O atacante argentino girou para cima da marcação de dois defensores tricolores para bater forte de perna esquerda, estufando a rede de Dênis, e deixando o Palmeiras a frente novamente.

Para a segunda etapa, Leão mudou. Saiu um inoperante Jadson, e entrou o velocista Fernandinho. Mas foi além dos nomes. Pois na atitude, o São Paulo voltou totalmente diferente. E o objetivo do técnico sãopaulino já foi alcançado logo aos oito minutos jogados. Em nova investida de Cortês, o camisa 6, já dentro da área, tentou aplicar um chapéu para cima de Cicinho e o lateral direito mandou a mão no rosto do rival. Pênalti. Mesmo sob muita reclamação de Luiz Felipe Scolari, Wilson Luiz Seneme não teve dúvidas. A penalidade aconteceu. Willian José bateu bem e empatou novamente.

O segundo empate deixou os sãopaulinos animados, e o Tricolor partiu para cima em busca da virada. Cícero, em cobrança de falta, acertou o travessão. A pressão era intensa. Mas um dos maiores orgulhos da torcida do São Paulo nos últimos anos realmente não atravaessa um bom momento: a defesa. Mais um vacilo dos defensores custaram o terceiro gol palmeirense. Após cruzamento da esquerda, a bola passou por todo mundo, menos por Hernán Barcos, que dominou com tranquilidade e categoria e bateu firme para marcar o seu segundo, o terceiro do Verdão.

Quatro minutos depois, foi a vez de Fernandinho chamar a responsabilidade. O cmiasa 12 pegou a bopla no meio de campo, tentou partir para cima da marcação de Marcos Assunção, perdeu a primeira, pegou a bola novamente, jogou a bola para o pé direito (que não é o forte), e encheu o pé, acertando o canto esquerdo de Deola. Golaço! Depois disso, boas defesas de Dênis e Deola e o cansaço também apareceu e fez com que o placar se mantivesse igual. Palmeiras 3 x 3 São Paulo. Com o empate, o Palmeiras chegou a 22 pontos, quatro atrás do primeiro colocado. Já o São Paulo ficou mais para trás ainda. Com 19 pontos, está na quinta posição. O próximo jogo do Palmeiras será na quarta, contra o Linense. Já o São Paulo recebe o Guaratinguetá, quinta.

Na liderança do Paulistão, quem se deu bem na rodada 10 foi o Corinthians. O Timão, com um time misto, recebeu o Botafogo de Ribeirão Preto no Pacaembu. E a vitória veio com um gol feito logo aos três minutos de jogo, com um gol de Adriano. O camisa 10 aproveitou chute torto de Alex e empurrou para as redes para fazer seu segundo gol com a camisa corintiana. O suficiente para garantir a vitória magra, mas que fez o alvinegro abrir chegar aos 26 pontos, quatro de vantagem para o segundo colocado, que hoje é o Guarani.

Mas show mesmo quem voltou a dar é o Santos. E é o Neymar. Liderados pelo jovem atacante, os santistas receberam a Ponte Preta e um duelo que parecia equilibrado se transformou em um atropelamento sem piedades. Com dois de Neymar, dois de Dracena, um de Ganso e um contra, o Peixe fez incontestáveis 6 a 1 e também colou na parte de cima da tabela. Os santisats já estão em quarto com 21 pontos.

‘CaLnaval coLintiano’


No quesito aproveitamento, nota 10 para Willian. Nenhum outro jogador do Corinthians curtiu tão bem o carnaval quanto o camisa 7. Depois de fazer o gol do triunfo sobre o São Caetano no último sábado, o atacante, relegado à reserva nos primeiros jogos da temporada, fez mais um e coloca um trevo na cabeça de Tite com as boas atuações. O badalado e concorrido ataque alvinegro não deslanchou até o momento, sobretudo Liedson, em jejum há sete jogos – apenas Emerson e Elton também balançaram a rede. Na “meritocracia” criada pelo treinador, o “Cebolinha”, o personagem da Turma da Mônica que não fala a letra ‘R’, como é conhecido pelo cabelo espetado, começa a ganhar destaque.

Visitante em sua própria casa, já que a Lusa optou por transferir o jogo do Canindé para o Pacaembu, o Corinthians teve dificuldades para se encontrar nos primeiros minutos. Com três volantes e apenas Henrique, que completava seu centésimo jogo, na armação, a Portuguesa travou o setor de criação alvinegro. O problema foi criar. O máximo que a Lusa conseguiu na primeira etapa foi um perigoso chute de longa distância, ponto fraco de Julio Cesar.

A vantagem fez o Corinthians adotar um ritmo mais cadenciado para aproveitar os contra-ataques. A
O Timão cresceu quando seus meio-campistas passaram a trabalhar mais, segurando a bola na frente e permitindo a chegada dos laterais ao ataque. Weverton, criado na base do Timão, salvou a Rubro-Verde com duas grandes defesas em chutes de Liedson e Alex na entrada da grande área. Aos 29, na primeira vez que chegou à linha de fundo, Fábio Santos cruzou, Danilo desviou, Liedson fez a proteção e a bola sobrou para Willian bater forte, sem chances de defesa: 1 a 0.

Portuguesa esteve longe de mostrar reação. Wilson Júnior e Danilo pouco fizeram no ataque. Quem mais assustou ainda na primeira etapa foi o camisa 9 corintiano Liedson, com cabeçada que passou perto do travessão.

Jorginho percebeu nos vestiários a dificuldade da Portuguesa em finalizar. Por isso, trocou todo o ataque: saíram Wilson Júnior e Danilo para as entradas de Ananias e Ricardo Jesus. A Lusa, enfim, se recuperou diante de um Corinthians que errava bastante. O time ganhou velocidade, controlou o jogo no campo adversário, mas não conseguiu criar grandes chances.

Tite também notou a queda de produção do Timão e trocou Alex pelo peruano Ramírez, para dar mais qualidade ao meio de campo. A melhora não foi significativa, mas aconteceu. O segundo gol quase saiu, aos 31. Willian recebeu de Liedson pela liderança e soltou a bomba na trave esquerda. Dois minutos depois, em nova jogada do Cebolinha, o Corinthians ampliou. Weverton salvou em chute do Levezinho, mas Ramírez pegou o rebote na área e dobrou a vantagem.

O gol fez a Portuguesa abrir mão de buscar a reação. Nos minutos finais, o Corinthians gastou o tempo restante para vencer seu terceiro jogo seguido e assumir o primeiro lugar. A vitória coloca o Timão em primeiro lugar na tabela. Com três vitórias seguidas, o Timão tem 23 pontos, mas ainda pode ser superado pelo arquirrival Palmeiras, adversário do Oeste, nesta quinta-feira. Na próxima rodada, o Alvinegro enfrenta o Botafogo-SP, sábado, às 18h30m, novamente no Pacaembu. A Portuguesa vê chegar ao fim sua série de dois resultados positivos e não consegue entrar no G-8. A Rubro-Verde está em nono lugar, com 12 pontos, e encara o São Caetano, domingo, às 18h30m, no estádio Anacleto Campanella, no ABC.

Em outro jogo da rodada nove, que fechou o Carnaval para os paulistas, nada de ressaca para São Paulo e Bragantino, que deram show num empate cheio de gols e reviravoltas no estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança. Sob as batutas de Jadson e Cícero, pelo lado tricolor, e Romarinho e Giancarlo, pelo Braga, os dois times foram dois franco-atiradores e protagonizaram um belo jogo, cheio de alternativas e que terminou num 3 a 3 emocionante. Depois de estar perdendo por 2 a 0, o time do Morumbi buscou a virada, mas sofreu um empate quase imediato. A equipe do Morumbi, com 18 pontos, se distanciou da ponta do Campeonato Paulista: caiu para o quinto lugar. O Bragantino tem 12 pontos e está em nono.

Quem também não mostrou cansaço pós-carnaval foi Neymar. O atacante é mesmo incansável. No último sábado, esteve em campo na vitória sobre o Mirassol. Em seguida, viajou para curtir o carnaval baiano. Pulou, cantou, voltou a Santos, dividiu seu tempo entre treinamentos e aparições nos desfiles da Marquês de Sapucaí, no Rio, até voltar a jogar nesta quarta-feira. Inspirado como de costume, teve fôlego para transformar em cinzas as esperanças do Comercial em reagir no Paulistão. Deixou seis marcadores para trás no gol de Ibson e foi decisivo na vitória por 2 a 0.

(Fotos: Edson Lopes Jr./Terra – Filipe Granado/Futura Press – Ricardo Saibun/Gazeta Press)

eee Libertadores…


E mais uma tentativa do Corinthians alcançar o tão sonhado título inédito da Taça Libertadores da América começava, e ia começando da pior maneira possível. Futebol fraco, pouca criação de lances de perigo, gol sofrido em falha da defesa e, principalmente do goleiro Júlio César, e, o pior de tudo, derrota. Ia. Pois o Timão conseguiu, da maneira mais corintiana possível, alcançar um ponto e conquistar o empate na estreia em San Cristóbal, na Venezuela.

O Corinthians começou bem a partida. Mesmo jogando fora de casa, os brasileiros tomaram conta da maior parte do jogo na etapa inicial. Algumas chegadas ao ataque, nada com perigo latente, mas algo que deixava os torcedores alvinegros confiantes. Porém, as peças de ataque do Timão não estavam rendendo o que delas se esperava, e eram presas fáceis para a bem postada defesa venezuelana. Entretanto, todo esse domínio e pressão corintianas duraram até os 21 minutos. Em uma falha da defesa, após cobrança de lateral, Chourio desviou de cabeça para trás na linha da área, Júlio César saiu mal, Chicão chegou chutando a bola, que bateu no atacante Sergio Herrera e encobriu o camisa 1. 1 a 0 Táchira.

O susto causou um misto de abatimento e renovação de disposição para os corintianos, que continuavam se arriscando ao ataque. Porém, a organização a essa altura era ainda pior. O melhor lance do Timão no primeiro tempo foi uma cabeçada de Danilo que estourou na trave, após cobrança de escanteio. Momentos depois, Emerson também teve boa chance após boa troca de passes em jogada pela direita de ataque, mas chutou fraco e o goleiro do Táchira, Rivas fez boa defesa.

Disposto a não voltar da Venezuela sem ponto algum, o time de Parque São Jorge partiu para cima do rival na etapa complementar. No intervalo Tite não mudou ninguém. Mas mexeu com o brio dos jogadores, implementando mais velocidade à equipe. No começo, até parecia que a partida mudaria de figura, com chegadas mais efetivas dos laterais Alessandro e Fábio Santos, mas os erros de passe e criação voltaram a se repetir e o treinador resolveu mudar aos 12 minutos. Mandou Alex, que ficou de fora do clássico do último domingo para ser poupado e acabou perdendo a vaga para Jorge Henrique na estreia na Libertadores, e Élton a campo, nos lugares dos apagados Emerson e Liedson.

Logo na sequência, mais um susto dos grandes para a Fiel torcida. Em contra-ataque, Herrera entrou pela direita em velocidade, e, em meio a desestruturada defesa adversária, serviu Chourio no meio da área, que chutou duas vezes para vencer Júlio César e mandar para as redes. Só que o auxiliar anotou posição irregular do autor do gol e anulou, alegando impedimento. O segundo susto fez com que o Corinthians acordasse na partida e avançasse ainda mais em busca do empate. Após chute de Alex, o goleiro deu rebote, e Élton não conseguiu empurrar para dentro, errando a bola na hora do chute. Na sequência, foi a vez do zagueiro Leandro Castán sair lá de trás, tabelar na frente, sair na cara do goleiro adversário e chutar para boa defesa de Rivas, salvando os anfitriões.

Tite ainda tentou mais alguma coisa, com Willian no lugar de Jorge Henrique. Mas estava difícil. A defesa do Deportivo Táchira se colocava muito bem e não cedia qualquer espaço. Paulinho não conseguia chegar de trás, como faz normalmente, Danilo, que tanto se destacou contra o São Paulo, passou totalmente despercebido no segundo tempo, Alex não conseguia emendar muitos arremates de longa distância. Para piorar os contra-ataques venezuelanos ainda preocupavam os campeões brasileiros.

Tanta luta e raça corintiana foi premiada no maior estilo ‘Corinthians’. No último lance, no último momento. 48 minutos. Fábio Santos tentou avanço pela esquerda e acabou derrubado. Na cobrança de falta, Alex levantou com precisão e achou a cabeça de Ralf, que subiu livre e cabeceou no canto do goleiro, sem chance de defesa para o arqueiro rival, definindo o placar final do jogo. Deportivo Táchira 1 x 1 Corinthians.

O Cruz Azul lidera o Grupo 6 com três pontos. Corinthians e Táchira têm um. O Nacional, do Paraguai, ainda não pontuou. Os paraguaios são os próximos adversários do Timão, dia 7 de março, no Pacaembu. Pelo estadual, o Alvinegro enfrenta o São Caetano, sábado, às 16h20m (horário de Brasília), no ABC, em partida que deve marcar o retorno de Adriano à equipe. O outro paulista na Libertadores também estreou fora de casa, também foi melhor mesmo longe de casa, e também não se deu bem. Só que o time de Neymar foi ainda pior. Mesmo saindo na frente com gol de Henrique, o Peixe abusou do direito de perder gols, se expôs de maneira desnecessária e acabou sofrendo a virada. 2 a 1 para o The Strongest, da Bolívia.

No grupo do Santos, o 1, o Inter é o líder, pois venceu o Juan Alrich, do Peru, na semana passada e tem três pontos. O The Strongest também tem três. O próximo jogo dos atuais campeões continentais na competição é contra o prórpio Inter, dia 8 de março, na Vila Belmiro. O último brasileiro a estrear na Libertadores de 2012 foi o Flamengo. E os comandados de Joel Santana saíram na frente no primeiro tempo, mesmo jogando na Argentina, com gol de Léo Moura, mas sofreram o empate na etapa final e a estreia terminou 1 a 1.

(Fotos: Reuters / EFE)

Barça tira as dúvidas e Milan ‘Barcelonando’…


Se existia alguma dúvida quanto às atuações do melhor time do mundo, que vai vendo de longe a liderança do Real Madrid no Campeonato Espanhol, esses questionamentos caíram por terra em mais um grande jogo da Liga dos Campeões. Jogando em Leverkusen, os catalães sofreram pressão e fez uma partida equilibrada no primeiro tempo. Porém, na etapa final, o Barcelona foi Barcelona. O placar foi aberto por Alexis Sánchez. O Bayer Leverkusen até alcançou o empate com Kadlec. Mas Lionel Messi e mais uma vez Alexis Sanchéz decretaram a vitória espanhola no jogo de ida das Oitavas. Leverkusen 1 x 3 Barcelona.

No jogo de volta, a ser realizado no Camp Nou, em Barcelona, no próximo dia 7, o time de Pep Guardiola pode até perder um gol de diferença para garantir a vaga na etapa seguinte. Já na França, outro confronto válido pelas Oitavas. A zebra do torneio, o Apoel, do Chipre, foi até a França encarar o Lyon. Se bem que a derrota não foi considerada de todo ruim. Jogando na busca de claramente segurar o resultado para resolver a situação em casa, os cipriotas acabaram derrotados por 1 a 0, diferença mínima que obriga o Apoel, que disputa pela primeira vez na história a fase mata-mata da Liga, vencer os franceses por dois gols de diferença frenta à sua torcida no jogo de volta, no Chipre.

Nos demais jogos que fecharam a semana de Oitavas de Final da Liga dos Campeões, duelo fraco tecnicamente entre Zenit e Benfica. Fraco na técnica, mas forte nos gols e na emoção. Jogando em seus domínios, os russos saíram atrás no marcador, conseguiram virar o jogo e ainda buscar a vitória no final, de maneira heróica, aos 43 minutos do segundo tempo. 3 a 2 Zenit, que vai à Lisboa com a vantagem do empate para conseguir a vaga. Vitória por um gol de diferença dos portugueses, contanto que os russos não façam mais do que dois gols, dão a vaga ao Benfica.

E no jogo que se esperava o maior equilíbrio dessa fase da Champions, não foi isso que aconteceu. E isso graças a um brasileiro que não vinha sendo alvo de muitos elogios. Com grande exibição de Robinho, o Milan fez valer o mando de campo e atropelou os rivais do Arsenal. Dois gols do camisa 70, que ficou de fora da convocação para o amistoso da Seleção Brasileira contra a Bósnia, e goleada extremamente confortável para o jogo de volta. Boateng e Ibrahimovic também balançaram as redes a favor dos anfitriões. Milan 4 x 0 Arsenal.

Quatro ainda acabou sendo pouco, já que os italianos acabaram perdendo muitas oportunidades de dilatar ainda mais o marcador. O jogo ainda marcou a despedida do astro Thierry Henry, em sua passagem relâmpago pelo Arsenal. O atacante retornará ao Red Bull New York depois de um empréstimo de apenas três meses. Para o confronto de volta, o time de Robinho e Thiago Silva pode perder por até três gols de diferença em Londres, que mesmo assim garante vaga nas Quartas de Final da Liga dos Campeões da Europa.

Feliz Ano Novo Brasil!


Na manhã desta terça-feira(14), o técnico Mano Menezes abriu os trabalhos da Seleção Brasileira no ano de 2012. O primeiro compromisso da temporada é diante da seleção da Bósnia, no dia 28 de fevereiro. Nenhum jogador presente na primeira lista de Mano no ano é novato. Todos já vestiram a camisa amarela. Mas a surpresa foi o retorno de Ronaldinho Gaúcho. O 10 do Flamengo, que ficou de fora da última convocação, teve um início de ano conturbado no time carioca, com direito a atrito com o então treinador Vanderlei Luxemburgo, que culminou na demissão do comandante, atraso nos pagamentos de salários no Fla, e apresentações ruins com a camisa rubro-negra. Mesmo assim, Mano Menezes optou por levá-lo mais uma vez, alegando que pensa em Ronaldinho como um ‘projeto’, referente à ‘manutenção de uma base’. Por outro lado, uma ausência bastante sentida foi de Kaká. O meia do Real Madrid foi convocado paras os últimos compromissos, contra Gabão e Egito, mas não teve oportunidade de atuar nas partidas devido a lesão. Para Mano, o ex-sãopaulino ‘ainda não mostrou algo que ele queria ver’.

-> Eis a lista para o amistoso diante da Bósnia:
Goleiros:
Júlio César (Internazionale)

Diego Alves (Valência)
Rafael (Santos)

Laterais:
Daniel Alves (Barcelona)
Danilo (Porto)
Alex Sandro (Porto)
Adriano (Barcelona)
Marcelo (Real Madrid)

Zagueiros:
Dedé (Vasco)
Thiago Silva (Milan)
Luisão (Benfica)
David Luiz (Chelsea)

Volantes:
Elias (Sporting)
Fernandinho (Schaktar Donetsk)
Sandro (Tottenham)

Meias:
Ganso (Santos)
Hernanes (Lazio)
Lucas (São Paulo)

Atacantes:
Hulk (Porto)
Jonas (Valência)
Ronaldinho Gaúcho(Flamengo)
Leandro Damião (Internacional)
Neymar (Santos)

Anúncios