Arquivo para julho \29\UTC 2011

Furacão Nicácio…

Fernando Freire
GLOBOESPORTE.COM


O Ceará saiu atrás no placar, mas pressionou e conseguiu vencer o Atlético-PR por 2 a 1 no Estádio Presidente Vargas, na noite desta quinta-feira, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Madson marcou para o Furacão na etapa inicial, mas Marcelo Nicácio, que entrou no segundo tempo, brilhou e fez os dois gols do time mandante. Com o resultado, o Ceará chega ao quinto jogo seguido sem perder. O time já tinha vencido Atlético-MG e América e empatado com Figueirense e Flamengo. Agora, o Vozão tem 18 pontos e ocupa a nona posição. Já o Atlético-PR segue no último lugar, com cinco pontos – sete atrás do Bahia, primeiro time fora da zona de rebaixamento.

Ceará e Atlético-PR voltam a campo no domingo, pela 13ª rodada. Às 16h (horário de Brasília), o Vozão visita o Fluminense, no Estádio do Engenhão, no Rio de Janeiro. Mais tarde, às 18h30m, o Rubro-Negro paranaense recebe o Santos na Arena da Baixada, em Curitiba. No outro jogo que fechou a rodada de número 12 do Brasileirão, O Vasco passou o jogo todo tentando. Entretanto, apenas uma foi parar na rede, aos 49 da etapa final, e acabou por salvar o time da Colina de uma derrota dentro de São Januário. Elton fez o gol do empate por 1 a 1 com o Bahia, que havia aberto o placar na partida desta quinta-feira com um gol de Reinaldo, logo no início. Os cariocas chegam a a 21 pontos e ocupa a quinta colocação. O Bahia, por sua vez, agora tem 12 pontos e, desta forma, se mantém fora da zona de rebaixamento, em 16º lugar.

Anúncios

Quarta Sensacional!

Adilson Barros e Julyana Travaglia
GLOBOESPORTE.COM


Sensacional é pouco. Difícil achar um adjetivo para qualificar o que Santos e Flamengo fizeram nesta quarta-feira à noite, na Vila Belmiro, pela 12ª rodada do Brasileirão. Um show, um concerto, um espetáculo? É pouco. Foi, enfim, um jogo histórico, que será lembrado por muito tempo. Ninguém tinha dúvidas de que seria um grande jogo, mas acabou saindo melhor, bem melhor mesmo, do que se esperava. Craques dos dois lados, jogadas de efeito e muitos gols.

Bom para o espetáculo, que começou com o Santos como protagonista. Tocando fácil, de primeira, Ganso, Elano e Ibson se achavam em campo. E todos encontravam Borges. Elano, principalmente. Num lançamento primoroso, logo nos movimentos iniciais da partida, o meia largou o camisa 9 na cara de Felipe. Com extrema tranquilidade, o parceiro de Neymar deu um leve toque, o suficiente para tirar a bola do alcance do goleiro rubro-negro, aos 4 minutos de jogo. O Fla até tinha a bola e explorava bem o lado esquerdo da defesa alvinegra, com Luiz Antônio aproveitando-se dos espaços às costas de Léo. Mas o Peixe era mais incisivo. Borges ampliou aos 16, completando jogada individual de Neymar, que, dividiu com Felipe, tentou a bicicleta, furou e, deitado no chão, conseguiu acertar o passe para o companheiro.

O time rubro-negro parecia entregue. E Neymar, inspirado. A goleada estava desenhada e com um toque de gênio. Aos 26, o craque santista arrancou da esquerda para o meio, jogou para Borges, que escorou e devolveu. Num drible improvável, o camisa 11 passou por Welinton, Angelim e ficou na frente de Felipe. O toque final foi leve, por baixo do goleiro. A Vila Belmiro aplaudiu de pé. Um gol espetacular, Sensacional!

(Foto: Santosfc.com.br)


A festa alvinegra estava armada. Cabia muito mais. Aliás, houve muito mais. Só que, agora, por parte do Flamengo. O jogo mudou de lado. O Rubro-Negro não se intimidou com a vantagem adversária e continuou indo para cima. Marcou dois gols rápidos, com Ronaldinho e Thiago Neves, aos 28 e aos 31, e pressionou o Santos, que apresentava muitas falhas defensivas.

Foi aí que apareceu o vilão da noite. Neymar, endiabrado, invadiu a área pela esquerda e caiu. O árbitro marcou empurrão de Willians. Pênalti. Borges pegou a bola para bater, mas Elano assumiu a bronca. Queria se redimir do vexame da Copa América, quando, na decisão por penalidades nas quartas de final, contra o Paraguai, ele mandou uma bola na estratosfera, muito acima da meta. Em momentos difíceis, abusar não costuma ser prudente. Uma cavadinha displicente. A bola, leve, tranquila, morreu nos braços de Felipe, que ainda teve tempo de ‘descontar’ a ousadia do santista ao fazer embaixadinhas antes de repor a bola em jogo.

A Vila caiu em vaias na cabeça de Elano, que chegou a fazer sinais para os alvinegros descontentes. Para piorar a situação do meia santista, aos 43, Deivid, escorando cobrança de escanteio, empatou a partida. O Flamengo estava vivo; o Santos, adormecido.

O segundo tempo foi tão eletrizante quanto o primeiro. O Fla foi melhor, teve mais a bola. Chegou, inclusive, a encurrralar o Peixe. O sistema defensivo santista falhava na marcação. Ronaldinho e Thiago Neves tinham muito espaço para trocar passes. Os alvinegros, mal posicionados, corriam atrás. Neymar, porém, fazia a diferença. Puxando contra-ataques, ele tirou o Peixe do sufoco logo após o início do segundo tempo, mais precisamente no quinto minuto, arrancando pela esquerda e dando um toque inspirado para matar Felipe.

Mas Neymar não era o único protagonista do jogaço. Ronaldinho Gaúcho mostrou que o craque pensa à frente, surpreende, improvisa. Aos 22, o próprio meia flamenguista fez linda jogada na intermediária, driblando uma série de adversários, mas acabou derrubado. Falta na entrada da área, pelo lado direito. Rafael armou a barreira e se posicionou no lado direito. Todos esperavam a batida por cima da barreira. Esperto, o camisa 10 tocou rasteiro. A bola passou por baixo e enganou o goleiro santista.

A Vila Belmiro não respirava. Privilegiadas, as quase 13 mil testemunhas do jogo do ano no Brasil não desgrudavam os olhos do gramado. Qualquer piscada e se perderia um drible de Neymar, um toque refinado de Ronaldinho. Neymar driblava, chutava, só sofria mesmo com a marcação de Willians. O jeito era fazer a bola não chegar ao astro santista. Foi isso o que o Flamengo fez quando roubou a bola no meio de campo – num erro de Ganso. Um contra-ataque mortal, com Ronaldinho arrancando pela esquerda, invadindo a área, recebendo, tirando do alcance de Rafael e definindo o incrível placar final. Santos 4 x 5 Flamengo.

Com a vitória, o Rubro-Negro volta a encostar na ponta da tabela e agora está a apenas quatro pontos do líder Corinthians. O próximo compromisso dos cariocas é no próximo sábado, diante do Grêmio, no Engenhão. Já pro Santos, a coisa não anda fácil. O Peixe tem o mesmo número de pontos do Bahia, o primeiro da zona de rebaixamento, com 11 potnos ganhos. Porém, os baianos jogam nessa quinta contra o Vasco. Com um empate nesse jogo, o Santos entra na zona de degola. O próximo compromisso santista é na Arena da Baixada, frente ao Atlético/PR, no domingo.

O outro jogasso da quarta-feira foi no Couto Pereira, em Curitiba. Lá, o São Paulo justificou sua fama de visitante indigesto no Campeonato Brasileiro. Depois de ser dominado pelo Coritiba nos primeiros 15 minutos, o time ganhou um gol de presente e, com muita facilidade, fez 4 a 0 no marcador. Mas o Coxa, guerreiro e apoiado por sua torcida, mostrou um espírito incrível de reação, diminuiu a vantagem para 4 a 3 e, por muito pouco, não conseguiu o inacreditável empate.

Foi a primeira vitória de Adilson Batista no comando do Tricolor e a quinta da equipe em sete partidas disputadas longe do Morumbi no Brasileirão. Com o triunfo, a equipe do Morumbi, que segue na vice-liderança na tabela, chegou aos 25 pontos e diminuiu para três a desvantagem para o rival de Parque São Jorge. Já o Coritiba, que sofreu sua segunda derrota em casa, segue na faixa intermediária, com 14 pontos. Os dois times voltarão a campo no próximo fim de semana. O Coritiba buscará a reabilitação diante do América-MG, domingo, em Sete Lagoas (MG). No mesmo dia, o São Paulo receberá a visita do Vasco no estádio do Morumbi.

Além dos dois jogos Sensacionais, teve mais jogos na rodada 12 do campeonato nacional. Surpreendentemente, o Cruzeiro, depois de bater e acabar com a invencibilidade do Corinthians no Pacaembu, caiu frente ao Atlético/GO. 2 a 0, no Serra Dourada, em Goiânia. O Botafogo voltou a vencer no Rio de Janeiro. 2 a 1 para cima do vice-lanterna Avaí. Com um gol do estreante André, ex-Santos, o Atlético/MG bateu o Fluminense, em Ipatinga. E o outro paulista a jogar na rodada também venceu. De maneira infinitamente mais modesta e sem encantar, mais conseguiu os mesmos três pontos. Com gol rebatido do zagueiro Maurício Ramos, o Palmeiras superou o Figueirense pela vantagem mínima. Com a vitória, o Verdão segue no G4.

RODADA 12
>Quinta – 14/07/2011
Corinthians 1 x 3 Internacional – Pacaembu/São Paulo(SP)

>Quarta – 27/07/2011
Santos 4 x 5 Flamengo – Vila Belmiro/Santos(SP)
Atlético/MG 1 x 0 Fluminense – Ipatingão/Ipatinga(MG)
Coritiba 3 x 4 São Paulo – Couto Pereira/Curitiba(PR)
Botafogo 2 x 1 Avaí – Engenhão/Rio de Janeiro(RJ)
Grêmio 1 x 1 América/MG – Olímpico/Porto Alegre(RS)
Atlético/GO 2 x 0 Cruzeiro – Serra Dourada/Goiânia(GO)
Figueirense 0 x 1 Palmeiras – Orlando Scarpelli/Florianópolis(SC)

>Quinta – 28/10/2011
Vasco x Bahia – São Januário/Rio de Janeiro(RJ)
Ceará x Atlético/PR – Presidente Vargas/Ceará(CE)

CLASSIFICAÇÃO P
1 Corinthians 28
2 São Paulo 25
3 Flamengo 24
4 Palmeiras 22
5 Vasco 20
6 Botafogo 19
7 Cruzeiro 18
Inter 18
9 Figueirense 16
10 Ceará 15
Fluminense 15
12 Coritiba 14
Atlético/MG 14
14 Grêmio 13
15 Atlético/GO 12
16 Santos 11
Bahia 11
18 América/MG 8
19 Avaí 7
20 Atlético/PR 5

Convocação pós-ressaca…


Depois da traumática eliminação da Copa América, o técnico Mano Menezes já busca juntar os cacos e convocou na manhã dessa sgeunda-feira a lista dos 23 atletas para o próximo compromisso da Seleção. Amistoso diante da Alemanha, fora de casa, em Stuttgart, já no dia 10 de agosto. E foram feitas muitas mudanças. Do grupo selecionado para a disputa da Copa América, seis jogadores não foram chamados. Por outro lado, alguns que já foram lembrados voltaram ao grupo e mais dois jogadores que atuam no futebol nacional foram convocados pela primeira vez. E são esses os maiores destaques da convocação. O zagueiro Dedé, do Vasco, e o volante Ralf, do Corinthians. Outra surpresa foi outro volante, o jovem Luiz Gustavo, de 24 anos, que atua no Bayer de Munique, da Alemanha. No Brasil, o jogador atuou apenas no Corinthians de Alagoas e no CRB, antes de se transferir para a Alemanha, onde ainda jogou pelo Hoffenheim.

Eis a convocação completa:

Goleiros:
Júlio César (Inter-ITA)
Victor (Grêmio)

Laterais:
Maicon (Inter-ITA)
Daniel Alves (Barcelona-ESP)
André Santos (Fenerbahce-TUR)

Zagueiros:
Lúcio (Inter-ITA)
Thiago Silva (Miln-ITA)
David Luiz (Chelsea-ING)
Dedé (Vasco)

Volantes:
Lucas Leiva (Liverpool-ING)
Elias (Atlético de Madrid-ESP)
Ramires (Chelsea-ING)
Ralf (Corinthians)
Luiz Gustavo (Bayer de Munique-ALE)

Meias:
Paulo Henrique Ganso (Santos)
Renato Augusto (Bayer Leverkusen-ALE)
Lucas (São Paulo)
Fernandinho (Shaktar Donetsk-UCR)

Atacantes:
Robinho (Milan-ITA)
Neymar (Santos)
Alexandre Pato (Milan-ITA)
Jonas (Valencia-ESP)
Fred (Fluminense)

Uruguai campeão da Copa América 2011!!

Marcos Felipe
GLOBOESPORTE.COM


Acostumado a viver apenas das glórias do passado nas últimas décadas, o Uruguai pode agora vibrar com o presente. Com a raça e um dia inspirado e de gols de Luis Suárez e Diego Forlán, que fez dois, a Celeste impôs seu favoritismo diante do Paraguai, que chegou à decisão sem ter vencido uma partida sequer, derrotou o rival e assegurou o título da Copa América, no estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires. Uruguai 3 x 0 Paraguai.

O caneco, erguido pelo ex-são-paulino Lugano, garantiu a supremacia no continente à Celeste, dona agora de 15 conquistas, e, de quebra, coroou os nomes de Suárez e Forlán. Autora dos gols do triunfo, a dupla de atacantes, que já havia brilhado na ótima campanha do Mundial da África do Sul, foi fundamental no resgaste do futebol uruguaio e entrou de vez na lista de ídolos do país.

Na disputa de terceiro lugar, uma partida com poucas emoções, apesar de muitos gols. O atacante Paolo Guerrero deu algum charme ao confronto ao marcar dois gols nos acréscimos e virar o principal artilheiro da 43ª edição da Copa América. Naquela altura, o Peru já batia a Venezuela e a vitória se transformou em uma goleada por 4 a 1, neste sábado, no Estádio Ciudad Único de La Plata, na Argentina.

‘Corinthians não tem nada de mais’

Carlos Augusto Ferrari
GLOBOESPORTE.COM


Foi com essas palavras que o meia Roger, ex-jogador do próprio Corinthians resumiu o time paulista, sensação desse início de Campeonato Brasileiro, líder, e que perdeu a invencibilidade nesse domingo, para o Cruzeiro do meiocampista. Coube a Joel Santana encontrar a fórmula mágica para bater o líder e grande favorito ao título nacional. Com uma estratégia diferente, transformando volantes em laterais e meias em marcadores, o Cruzeiro anulou o Timão com muita marcação.

Depois de dez fracassadas tentativas de outros treinadores, Joel Santana ousou na missão de parar o Corinthians. Para diminuir ao máximo o espaço do líder, o técnico optou pela marcação individual, mas de forma diferente. Os volantes Fabrício e Éverton foram abertos pelas laterais para frearem Jorge Henrique e Willian e ajudar Vitor e GIlberto. No meio, Marquinhos Paraná colou em Danilo. Até Roger e Montillo tiveram de marcar, grudando em Paulinho e Ralf. A estratégia surtiu efeito defensivo, mas prejudicou qualquer intenção ofensiva. Montillo mostrou muita qualidade na armação, porém, não teve a ajuda do ataque. Wallyson, único na frente, esbarrou no ótimo momento da defesa alvinegra.

Sem a velocidade de seus baixinhos pelos lados, o Corinthians sofreu para levar perigo ao gol de Fábio, principalmente devido à seus desfalques. No gol, o estreante Renan substituiu Julio Cesar, que sofreu uma grave luxação no confronto diante do Botafogo. No mesmo jogo, Fábio Santos levou o terceiro cartão amarelo e deu lugar à outro estreante, Ramón, ex-Vasco. E na frente, Emerson no lugar do lesionado e operado Liédson. Substituto do camisa 9, o popular ‘sheik’ teve dificuldades como centroavante, principalmente devido à forte marcação e, quando saiu da área, pouco produziu. As melhores chances vieram na chegada de Ralf ao ataque.

Tite optou por não fazer mudanças de jogadores ou táticas no início do segundo tempo, mas buscou outra forma para tentar surpreender a forte marcação. Sem espaço, o Timão passou a arriscar em chutes de longa distância, o que não fizeram na etapa inicial. Muito atrás, o Cruzeiro apostou em lances isolados para responder. E foi em um deles que o gol saiu, aos onze minutos. Wallyson ganhou dividida por cima na intermediária e disparou a bomba certeira, de muito longe. Renan, adiantado, ainda tentou pular, mas já era tarde para impedir que o adversário ficasse em vantagem no placar. Golaço.

Os mineiros poderiam ter aumentado, aos 14, se o árbitro Leandro Pedro Vuaden tivesse marcado pênalti depois que Ramon desviou com o braço um cruzamento feito por Vitor. O placar contrário fez Tite arriscar tudo. Alex entrou no lugar de Ramon e Edenílson foi a campo na vaga de Jorge Henrique, que passou toda a semana com dores na coxa direita. As trocas, porém, não surtiram o efeito esperado. A postura defensiva da Raposa seguiu inabalada. No ataque, Montillo continuou infernizando, ganhando a ajuda da velocidade de Ortigoza, que entrou no lugar de Vitor.

O Corinthians teve um alento aos 30 minutos, depois que Gilberto foi expulso por acumular dois cartões amarelos. Mesmo assim, os problemas para superar a defesa rival permaneceram, principalmente pela falta de opções de ataque no banco. O Timão tinha apenas o garoto Elias Oliveira, de 19 anos, como alternativa. E ele entrou, aos 42, no lugar de um apagadíssimo Danilo. Ralf, outra vez, foi quem mais se aproximou de empatar. Aos 38, com um chute forte da entrada da área, parou em grande defesa de Fábio. O goleiro ainda foi ameaçado até os minutos finais, em intensa pressão corintiana, mas a defesa cruzeirense segurou a onda. Corinthians 0 x 1 Cruzeiro.

Apesar do revés em casa – primeiro em edições do Brasileiro desde o dia 13 de outubro de 2010 (19 jogos) – e do fim da sequência de sete vitórias consecutivas, o Corinthians continua em ótima situação no torneio. Como os principais adversários tropeçaram na rodada do fim de semana, a vantagem ainda é de seis pontos para o segundo colocado. Já o Cruzeiro mostra que pode brigar pelos primeiros lugares. Desde que Joel Santana assumiu o time, são cinco vitórias e apenas uma derrota. O Timão volta a jogar somente no próximo domingo, contra o Avaí, às 16h, na Ressacada, em Florianópolis. Por outro lado, a Raposa volta a campo na quarta-feira, visitando o Atlético/GO, às 19h30m, no Serra Dourada.

Mesmo com a derrota, o Corinthians contou com bons tropeços dos rivais, para se manter com boa vantagem na ponta da tabela. O São Paulo, vice-líder da competição nacional, recebeu o Atlético/GO, no Morumbi, estreando o novo treinador, Adílson Batista. E a estreia não foi como ele nem como a torcida esperavam. Empate em 2 a 2, com direito a reestreia do volante Denílson e gol de Rivaldo, e manutenção da distância para o rival na liderança. Outro rival corintiano na briga pelas primeiras posições é o Flamengo, que. sem Ronaldinho Gaúcho e Thiago Nevez, que forçaram o terceiro cartão amarelo para não atuar, ficou apenas no empate em 1 a 1 frente ao Ceará, fora de casa. O Atlético/PR conseguiu sua primeira vitória no Brasileirão e sob o comando de Renato Gaúcho. Bateu o Botafogo, na Arena da Baixada, por 2 a 1. E o Palmeiras também se afastou um pouco mais da ponta da tabela, ao ser derrotado pelo Fluminense no Rio de Janeiro. Jogando com sua força máxima, com direito a Kléber e Valdívia, os comandados de Luiz Felipe Scolari não seguraram a pressão do Tricolor carioca e perderam por 1 a 0.

RODADA 11
>Quinta – 21/07/2011
Avaí 1 x 3 Internacional – Ressacada/Florianópolis(SC)

>Sábado – 23/07/2011
São Paulo 2 x 2 Atlético/GO – Morumbi/São Paulo(SP)
América/MG 0 x 0 Figueirense – Arena do Jacaré/Sete Lagoas(MG)
Atlético/PR 2 x 1 Botafogo – Arena da Baixada/Curitiba(PR)
Flamengo 1 x 1 Ceará – Cláudio Moacyr/Macaé(RJ)

>Domingo – 24/07/2011
Corinthians 0 x 1 Cruzeiro – Pacaembu/São Paulo(SP)
Fluminense 1 x 0 Palmeiras – Raulino de Oliveira/Rio de Janeiro(RJ)
Atlético/MG 1 x 2 Vasco – Ipatingão/Ipatinga(MG)
Bahia 0 x 0 Coritiba – Estádio Pituaçu/Salvador(BA)

>Quarta – 05/10/2011
Grêmio x Santos – Olímpico/Porto Alegre(RS)\

CLASSIFICAÇÃO P
1 Corinthians 28
2 São Paulo 22
3 Flamengo 21
4 Vasco 20
5 Palmeiras 19
6 Inter 18
Cruzeiro 18
8 Botafogo 16
Figueirense 16
10 Ceará 15
Fluminense 15
12 Coritiba 14
13 Grêmio 12
14 Santos 11
Atlético/MG 11
Bahia 11
17 Atlético/GO 9
18 Avaí 7
América/MG 7
20 Atlético/PR 5

‘Assim é Corinthians!’

GLOBOESPORTE.COM


Essa foi a frase de um jogador corintiano ao sair de campo após mais uma vitória. Mas não foi qualquer jogador. E sim um goleiro que atuou com o dedo praticamente quebrado. Mesmo assim, pode chamar o próximo da fila. O próximo candidato a tentar bater o Corinthians no Brasileirão. Nesta quarta-feira, em jogo que marcou a estreia do volante Renato com a camisa do Botafogo, o líder mostrou porque se supera a cada adversidade, manteve a rotina de vitórias e superou o Glorioso. No castigado gramado de São Januário, que foi camuflado com uma mistura de areia e tinta verde, assim como aconteceu na eliminação do Brasil na Copa América, o Botafogo demonstrou fibra e mais volume de jogo, mas se deixou envolver pela frieza do rival, que apostou na marcação forte e nos contra-ataques.

Caio pisou no gramado de São Januário, tomou o lado direito do ataque do Botafogo para si e por lá ficou. Contra um, dois e até três marcadores, ele não se intimidou. Fez isso por mais de uma vez, levou perigo, mas no fim trombava em Leandro Castán ou Fábio Santos. Weldinho fez o mesmo pela lateral direita do Corinthians. Ele soube tirar proveito dos espaços deixados por Lucas Zen, volante improvisado na lateral botafoguense. Apesar de ter menos posse de bola, a equipe de Tite soube controlar a partida. Marcação firme e contra-ataque perigoso. Assim os corintianos assustaram. Os volantes Ralf e Paulinho se aproximavam de Danilo, William, Jorge Henrique e Liedson na frente. Os três últimos, aliás, investiram na movimentação para fugir dos marcadores. Além de lançar Caio bem aberto pela direita, o técnico Caio Júnior apostou em Elkeson e Maicosuel pela esquerda, e Herrera mais adiantado. Mas foi com o moicano-rastafari (bonito!) Fábio Ferreira que o time conseguiu chegar pela primeira vez, só aos 20 minutos. Após cobrança de escanteio pela direita, a bola sobrou para o zagueiro na área, e o chute forte passou perto do travessão.

Na base do estilo brigador, Herrera criou a melhor chance do Botafogo, aos 40. O argentino disparou até a entrada da área e bateu firme de pé esquerdo. A bola acertou a trave do goleiro Julio César, que chegara atrasado no lance. E foi na base da superação que o time paulista abriu o placar, quando o Botafogo era melhor na partida. Fábio Santos deu o passe para o gol de Liedson, aos 43. Jorge Henrique abriu na esquerda para o lateral, ele disparou pela avenida deixada por Alessandro e cruzou no pé do camisa 9: quinto gol dele no Brasileirão.

Não foi o Botafogo que a torcida esperava no segundo tempo. Muito pelo contrário. Em desvantagem, o time criou pouco. Apesar da vontade, Caio, Elkeson e Maicosuel voltaram sem inspiração e foram bem marcados. Herrera não passou de uma figura esforçada. Com a frieza que tem marcado a campanha quase perfeita, o líder do Brasileirão foi sempre mais perigoso. William e Weldinho tiveram boas chances de ampliar. Na melhor delas, aos 26, o atacante buscou o ângulo de Jefferson. De volta depois de servir a Seleção Brasileira na Copa América, o camisa 1 saltou bonito para espalmar.

Caio Júnior fez as três alterações do Botafogo num curto espaço de tempo. Ele lançou o estrante Alexandre Oliveira no lugar de Caio, tirou Lucas Zen da lateral esquerda e colocou Márcio Azevedo e trocou Maicosuel por Thiago Galhardo. Aos 33, Alexandre Oliveira recebeu cruzamento na área e, sozinho, mergulhou para cabecear na trave. No rebote, Fábio Ferreira isolou. Com isso, Tite também mudou. O técnico colocou Emerson no lugar de Jorge Henrique, Alex no de William e Edenilson na vaga de Liedson. A equipe, que havia perdido a força no contra-ataque, só voltou a assustar aos 38. Alex deixou Emerson na cara do gol, ele encobriu Jefferson, mas a bola tocou no travessão.

Ainda havia tempo para um susto. E que susto! E que superação! Aos 41, o goleiro Julio César machucou o dedo mínimo da mão esquerda em uma defesa simples. Ao se levantar para a reposição de bola, pediu atendimento médico. Quando tirou a luva, se desesperou com o dedo mínimo da mão esquerda totalmente torto. O arqueiro se deseperou com a aparente fratura, sofreu ali mesmo tratamento imediato do departamento médico. Não tinha mais condições. Porém, já haviam sido feitas as três substituições. Ao saber disso, Julio tratou de recolocar a luva e voltou à meta, para defender nem que fosse com uma só mão. Assim aconteceu na sequência, após escanteio, o goleiro corintiano socou a bola com a mão direita, afastando o perigo.

No lance seguinte, aos 48, o golpe de misericórdia. Em um contra-ataque fulminante, Edenilson chutou forte, e Paulinho aproveitou o rebote de Jefferson para fazer o segundo. Botafogo 0 x 2 Corinthians. O Timão soma sua nona vitória em dez jogos, mantendo a invencibilidade e a liderança absoluta e extremamente isolada. Agora são sete pontos de folga para o segundo colocado, São Paulo. Já o Bota não agradou a torcida, que chiou com alguns jogadores e o técnico Caio Júnior ouviu pedidos por Cuca, que já trabalhou no clube e está desempregado desde a saída do Cruzeiro. O time continua fora do G-4: é o sexto, com 16 pontos. O Bota volta a jogar no próximo sábado, contra o Atlético-PR, em Curitiba, às 18h30m. No dia seguinte, o Corinthians recebe o Cruzeiro, às 16h, no Pacaembu.

Nos outros dois jogos ainda a serem realizados da décima rodada, nenhum gol. O Palmeiras, com Kléber em seu ataque, acabando com os rumores de que ele iria acertar sua transferência para o Flamengo, enfrentou justamente o Rubro-Negro, no Pacaembu. Em um duelo muito brigado e extremamente equilibrado, Verdão e Fla ficaram no 0 a 0. E em Florianópolis, destaque para o goleiro gremista Marcelo Grohe, que defendeu um pênalti aos 44 minutos da etapa final, de um jogo fraquíssimo técnicamente. Quem perdeu foi Elias. Com isso, o placar ficou mesmo 0 a 0, também.

RODADA 10
>Sábado – 16/07/2011
Vasco 2 x 1 Atlético/PR – São Januário/Rio de Janeiro(RJ)
Atlético/GO 0 x 1 Avaí – Serra Dourada/Goiânia(GO)
Coritiba 3 x 1 Fluminense – Couto Pereira/Curitiba(PR)
Santos 2 x 1 Atlético/MG – Vila Belmiro/Santos(SP)

>Domingo – 17/07/2011
Cruzeiro 2 x 1 Bahia – Arena do Jacaré/Sete Lagoas(MG)
Internacional 0 x 3 São Paulo – Beira-Rio/Porto Alegre(RS)
Ceará 4 x 0 América/MG – Castelão/Fortaleza(CE)

>Quarta – 20/07/2011
Palmeiras 0 x 0 Flamengo – Pacaembu/São Paulo(SP)
Botafogo 0 x 2 Corinthians – São Januário/Rio de Janeiro(RJ)
Figueirense 0 x 0 Grêmio – Orlando Scarpelli/Florianópolis(SC)

CLASSIFICAÇÃO P
1 Corinthians 28
2 São Paulo 21
3 Flamengo 20
4 Palmeiras 19
5 Vasco 17
6 Inter 16
Botafogo 16
8 Cruzeiro 15
Figueirense 15
10 Ceará 14
11 Coritiba 13
12 Fluminense 12
Grêmio 12
14 Santos 11
Atlético/MG 11
16 Bahia 10
17 Atlético/GO 8
Avaí 8
19 América/MG 6
20 Atlético/PR 2

Chegadas e partidas…

Às vésperas do fechamento da janela de transferências internacionais (que se acaba ás 18 horas de quarta-feira, amanhã), os clubes do Brasileirão correm em busca de reforços de peso para a sequência do torneio. E vários desses times acabaram por conseguir grandes nomes, prometendo um nível ainda maior na disputa do título nacional.

Primeiramente, o Santos. O campeão da Libertadores se esforça para reforçar seu elenco, não somente para o Campeonato Brasileiro, como também para a disputa do Mundial Interclubes, no final do ano, no Japão. E o Peixe conseguiu bons nomes para substituir Alexsandro, vendido ao Porto, de Portugal, Zé Eduardo, negociado com o Genoa, da Itália, Jonathan, comprado pela Inter de Milão, também italiana, e a iminente saída de Danilo, também provavelmente para o futebol português. Isso fora as situações de Neymar e Ganso, constantemente assediados pelo futebol europeu. Para isso, aa diretoria santista trouxe até aqui bons jogadores. Um deles, foi trazido do futebol nacional. Trata-se de Henrique, do Cruzeiro. Titular do clube mineiro, o volante, que têm sido chamado com frequência para a Seleção Brasileira, se transfere para o time de Vila Belmiro através de um grupo de investidores que detêm 80% dos direitos do atleta. Já chegando do exterior, foram adquiridos o atacante Alan Kardec, ex-Vasco e Inter, e que foi emprestado pelo Benfica, de Portugal, até o final e o meia Ibson, ex-Flamengo, que jogava na fria Rússia, no Spartak Moscou,e que custou R$ 9 milhões aos cofres santistas.

Do santos para o Palmeiras. O Verdão também se reforçou para a sequência do Brasileirão. Para se manter na parte de cima da tabela, o clube do técnico Luiz Felipe Scolari apresentou um antigo sonho da diretoria, o zagueiro Henrique. Três anos após a saída do time do Palmeiras, vendido ao Barcelona, onde não foi aproveitado e acabou emprestado a outros dois clubes, o Bayer Leverkusen, da Alemanha, e o Racing Santander, da própria Espanha, o camisa 3 volta com moral e uma vaga praticamente garantida no time titular. Empréstimo também, até o final do ano. Por outro lado, o Palmeiras perdeu alguns jogadores pouco aproveitados no elenco, tais como Max Pardalzinho, que foi para o Goiás, Adriano Michael Jackson, que foi jogar no futebol chinês, e ainda corre sério risco de perder o seu ídolo Kléber, que está em crise com a diretoria palmeirense e ainda tem chances de se transferir para o Flamengo.

Por falar em Flamengo, uma passadinha rápida no Rio de Janeiro. O Rubro-Negro segue na sua busca por montar um time ainda melhor para a conquista do Brasileirão. Para isso, além do volante Aírton, que retornou após uma passagem pelo Benfica, o campeão carioca concretizou a contratação do zagueiro Alex Silva, que se desligou do São Paulo recentemente e foi adquirido junto ao Hamburgo, da Alemanha. A transferência envolveu 50% dos direitos do atleta por € 2,5 milhões (cerca de R$ 5,5 milhões). Além dele, o Fla anunciou o atacante Jael, da Portuguesa. O jogador ainda pertence ao Mogi Mirim e a um grupo de investimentos. Jogava por empréstimo na Lusa e agora foi repassado, também emprestado, ao Flamengo. Na contramão, o clube perdeu o lateral Egídio, emprestado ao Ceará, e o atacante Wanderlei, vendido ao futebol árabe.

Já no Bota, o time da Estrela Solitária mais perdeu do que ganhou, em termos de contratação ultimamente. Deixaram o clube os volantes uruguaio Arévalo, que se transferiu ao futebol mexicano, e Rodrigo Mancha, que joga atualmente no Vitória. Mais também conseguiu contratar. Além de Renato, vindo da Espanha, foram contratados o zagueiro Gustavo, ex-Palmeiras, que estava no Lecce, da Itália, o meia Felipe Menezes, do português Benfica, e o desconhecido atacante Alexandre Oliveira, que atuava no futebol árabe.

Ainda na cidade maravilhosa, o Vasco também teve perdas e ganhos. O campeão da Copa do Brasil vendeu o meia Enrico, para o Ceará, e o lateral Ramón, negociado com o Corinthians. Por outro lado, além de repatriar o ídolo Juninho Pernambucano, que já anda marcando sseus gols no Brasileirão, o clube trouxe o zagueiro Renato Silva, ex-Flamengo e São Paulo, que estava jogando na China, o bom lateral Julinho, do Avaí, e o atacante Kim, ex-Náutico.

Voltando à São Paulo, o time que detém o nome do estado também tem muitas novidades. Além de apresentar o novo comandante, Adílson Batista, o Tricolor concretizou o retorno do volante Denílson, formado nas categorias de base do clube, que retorna por empréstimo de um ano pelo Arsenal, da Inglaterra. O meia chileno Marcelo Cañete, do Universidad Católica, já está praticamente acertado, faltando apenas a assinatura do contrato.

Anúncios