Arquivo para 13 de outubro de 2010

Dragão derruba Adílson do cavalo…

GLOBOESPORTE.COM

A história de São Jorge, padroeiro do Corinthians, conta que ele venceu uma batalha contra um dragão. Mas no futebol, pelo menos na tarde deste domingo, foi diferente: o Dragão, no caso o Atlético-GO, é que venceu São Jorge e seu cavalo e ainda causou a saída de Adilson Batista do comando do Timão.

(Foto: Ag. Estado)

Bruno César cobrou escanteio da esquerda, e Thiago Heleno cabeceou na trave. No rebote, o meia cruzou rasteiro e Leandro Castán completou para a rede. O gol do Corinthians contra o Atlético-GO, a um minuto de jogo, parecia ser o pontapé inicial de uma reação tranquila dentro do Campeonato Brasileiro. Só parecia.

A equipe alvinegra até que tinha o controle da partida. Com bom toque de bola, envolvia o adversário. Só que o Timão parecia não contar com um Atlético-GO eficiente. Foram três chutes e três gols. Sem tirar o mérito do Dragão, todos com falhas da defesa. No primeiro, aos 19, Robston estava em posição de impedimento quando recebeu a bola na esquerda, é verdade, mas a zaga parou totalmente e viu Juninho marcar. O Corinthians sentiu o gol e passou a jogar nervoso. Melhor para a equipe do técnico René Simões. Aos 38 minutos, Robston cobrou falta da esquerda para dentro da área. Contando o goleiro Julio Cesar, havia sete jogadores do Timão na área. A bola passou por todos eles, e Gilson só rolou para o fundo do gol.

Sabendo aproveitar o mau momento do adversário, o Atlético-GO chegou ao terceiro gol aos 45 minutos. Thiago Heleno vacilou na marcação e na linha de impedimento, permitindo toque de Juninho para Marcão: 3 a 1. À Fiel restou gritar: “Chicão, Chicão, Chicão”, “Raça Timão, você é tradição” e “Vamos jogar bola, ô, ô”. Sob vaias, os jogadores do Timão foram para o vestiário.

(Foto: Ag. Estado)

No retorno para o segundo tempo, os gritos do final da primeira etapa se confundiam com os gritos de “burro” para o técnico Adilson Batista. Ele atendeu ao pedido da torcida e colocou Chicão, retornando depois de dez jogos fora, mas no lugar de William, o que revoltou a Fiel. As primeiras ações da etapa final davam indícios de que seria ataque (do Corinthians) contra defesa (do Atlético-GO). Mas o nervosismo do Timão ainda propiciava espaços ao Dragão. Irritada, a torcida alvinegra pediu mais um jogador: o argentino Defederico. Adilson, mais uma vez, aceitou a sugestão e tirou Moacir.

Só que a situação não melhorou. Piorou. Não pela entrada de Defederico, mas pela expulsão infantil de Leandro Castán aos 12 minutos, por conta de uma cotovelada. Se com o mesmo número de jogadores, o Corinthians já tinha dificuldades em superar o Dragão, com um a menos as chances de reação diminuíam. O que está ruim, aliás, pode ficar pior. E ficou para o Corinthians. Aos 22 minutos, o eficiente Atlético-GO fez o quarto gol. Marcão recebeu bom passe de Adriano e não deu chance para o goleiro Julio Cesar.

Aos 26 minutos, o Corinthians ainda conseguiu marcar. William Morais recebeu de Jucilei e mandou para a rede, dando esperança aos mais fiéis da Fiel. E aos 41, Thiago Heleno aumentou esse sentimento ao marcar de cabeça. Mas já era tarde. Faltava tempo e qualidade para um heroico empate. Corinthians 3 x 4 Atlético/GO. Após a jornada infeliz, restou a inesperada saída de Adilson Batista. “Quero o bem da instituição. Questionaram se eu estaria com medo ou se seria um ato de covardia. A minha carreria é vitoriosa desde o Mogi Mirim. Infelizmente, não foi possível dar sequência ao trabalho do Mano. Então, entendemos que era melhor o Corinthians buscar outro treinador. Peço desculpas ao torcedor por ter assumido o time na primeira posição e estar deixando em terceiro. Acho que o Corinthians ainda tem chance de ser campeão. Vou estar torcendo pelos meninos”. Ao Corinthians agora resta conter a crise que certamente vai ganhar mais força dentro do clube, que chegou ao quinto jogo sem vitórias (três derrotas e dois empates). Ainda não foram divulgados nomes para o sucessor de Adilson, embora boatos apontem nomes como Antônio Lopes e Joel Santana, técnicos de Vitória e Botafogo, respectivamente. Terceiro colocado com 49 pontos, o Timão não tem mais chance de assumir a liderança caso vença o Vasco na próxima quarta-feira, em jogo adiado da décima oitava rodada.

Nos outros jogos da rodada 29, o São Paulo não enfrentou maiores dificuldades e contou com show de Ricardo Oliveira, que fez 3 gols, para bater o Prudente fora de casa, 3 a 2. No Flamengo, Val Baiano parece ter se inspirado depois da chegada do técnico Vanderlei Luxemburgo. O atacante marcou mais dois, mas não foi o suficiente para superar o Avaí, em Florianópolis. O Palmeiras não saiu do zero a zero com o Botafogo no Rio de Janeiro, e o Cruzeiro aproveitou os muitos vacilos de Corinthians e Fluminense, venceu o próprio Flu, e assumiu a ponta do Brasileirão. 1 a 0, com gol de Wellington Paulista.

Rodada 29
Sábado, 09/10/2010
| Eduardo Farah
Grêmio Prudente 2 x 3 São Paulo
| São Januário
Vasco 3 x 3 Grêmio
| Vila Belmiro
Santos 2 x 0 Atlético/PR

Domingo, 26/08/2010
| Serra Dourada
Goiás 1 x 0 Vitória
| Pacaembu
Corinthians 3 x 4 Atlético/GO
| Beira-Rio
Inter 1 x 0 Atlético/MG
| Parque do Sabiá
Cruzeiro 1 x 0 Fluminense
| Engenhão
Botafogo 0 x 0 Palmeiras
| Castelão
Ceará 2 x 0 Guarani
| Ressacada
Avai 2 x 2 Flamengo

1 Cruzeiro 54
2 Fluminense 52
3 Corinthians 49
4 Inter 47
5 Santos 45
6 Botafogo 44
7 Atlético/PR 43
8 Palmeiras 43
9 Grêmio 43
10 São Paulo 41
11 Vasco 38
12 Ceará 38
13 Guarani 34
14 Flamengo 34
15 Vitória 31
16 Avaí 30
17 Atlético/GO 29
18 Atlético/MG 28
19 Goiás 28
20 Prudente 21