Arquivo para outubro \29\UTC 2010

Alegria gaúcha no Brasil gaúcho…


‘O bom filho…’. Na manhã dessa sexta-feira, o técnico Mano Menezes anunciou a lista de convocados para o último compromisso da Seleção Brasileira em 2010. E a tarefa não é das mais fáceis. Simplesmente a Argentina, dia 17 de novembro, em Doha, no Catar. Depois de muitas viagens, observações e conversas, Mano resolveu trazer de volta à Seleção um meia que encatou o mundo com seu futebol, Ronaldinho Gaúcho. Atravessando um bom momento no Milan, mas ainda longe do futebol encantador que apresentou há alguns anos atrás, Gaúcho volta ao grupo, dessa vez com o objetivo de, além de alegrar o plantel com seu carisma natural, de se manter entre os favoritos de Mano. Outro que está de volta à Seleção é Neymar. Após ficar de fora da última convocação para os amistosos contra o Irã (3 a 0), em Abu Dhabi, e diante da Ucrânia (2 a 0), em Derby, na Inglaterra, devido aos problemas disciplinares vividos no Santos na época da demissão de Dorival Júnior, o camisa 11 santista, agora mais focado e sem problemas extra-campo volta a ser chamado. A outra grande surpresa da lista foi o armador Douglas, ex-Corinthians e atualmente maestro e capitão do Grêmio. Eis a lista completa.

Goleiros

Victor (Grêmio)
Jefferson (Botafogo)
Neto (Atlético-PR)

Laterais
Daniel Alves (Barcelona-ESP)
Rafael (Manchester United-ING)
Adriano Corrêa (Barcelona-ESP)
André Santos (Fenerbahçe-TUR)

Zagueiros
Thiago Silva (Milan-ITA)
David Luiz (Benfica-POR)
Alex (Chelsea-ING)
Réver (Atlético-MG)

Volantes
Lucas (Liverpool-ING)
Ramires (Chelsea-ING)
Sandro (Tottenham-ING)
Jucilei (Corinthians)

Meias
Douglas (Grêmio)
Philippe Coutinho (Inter de Milão-ITA)
Ronaldinho Gaúcho (Milan-ITA)
Elias (Corinthians)

Atacantes
Robinho (Milan-ITA)
Alexandre Pato (Milan-ITA)
André (Dínamo de Kiev-UCR)
Neymar (Santos)

Anúncios

Com Conca fica fácil…

GLOBOESPORTE.COM

No confronto do líder contra o time sensação do segundo turno, melhor para o mais regular durante todo o Brasileirão. Melhor para quem tem Conca, fortíssimo candidato a craque da competição. Com muitas lesões e suspensões de jogadores ofensivos, Muricy Ramalho se viu obrigado a escalar somente um atacante: Washington. Renato Gaúcho, por sua vez, escolheu Souza em vez de Ferdinando e deixou o Grêmio teoricamente mais ofensivo, com três armadores e dois atacantes.

Mas na prática, quem começou pressionando foram os donos da casa. O time carioca marcava forte e jogava nos erros do Grêmio. Aproveitando o fato de ter cinco jogadores no meio de campo, o Flu roubava a bola e liberava os laterais, criando problemas para os gaúchos. Os momentos iniciais foram eletrizantes, mas o bom futebol teve que ser interrompido por alguns segundos para o atendimento do… árbitro. Heber Roberto Lopes recebeu uma bolada de Fernando Bob e, sem conseguir respirar direito, parou a partida.

o Flu se levantou e sacudiu a poeira no Engenhão. Ou melhor, o pó de arroz se fez presente no estádio para comemorar a abertura do placar. Aos 19, Mariano tocou para Conca na entrada da área. O argentino girou para cima de Souza e acertou um chutaço no ângulo direito de Victor: 1 a 0.

Sem alterações na volta do intervalo, mesmo panorama do fim do primeiro tempo. Flu encolhido e Grêmio pressionando. O Grêmio poderia ter sorte melhor na partida se Heber Roberto Lopes tivesse marcado pênalti em Jonas aos 19 minutos. Lançado na área, o artilheiro do Brasileirão se antecipou a Leandro Euzébio e foi derrubado. O lance seguiu, e dali para frente o time do Grêmio ficou muito nervoso com a arbitragem. Recebeu quatro cartões amarelos em cinco minutos, três deles por reclamação.

Melhor para o Fluminense. O time carioca se aproveitou de distração na saída de bola do Grêmio, e Thiaguinho roubou a bola de Vilson. O volante tocou para Conca, que achou Washington na área, pelo lado esquerdo. O atacante meio que passou, meio que chutou, e o argentino apareceu na segunda trave para empurrar para o gol, com Victor já batido. Ao som do tradicional grito de “time de guerreiros” das arquibancadas, era o belo desfecho de uma noite para tricolor (carioca, é claro) nenhum botar defeito. Fluminense 2 x 0 Grêmio.

Com a vitória, o Flu abriu três pontos de vantagem para o Corinthians e o Cruzeiro, pelo menos até sábado. Mas ainda que a Raposa vença o Grêmio Prudente e iguale os 57 pontos e 16 vitórias, é pouco provável que Tricolor perca a liderança, devido à enorme diferença no saldo gols: 20 contra 11 dos mineiros. Na próxima rodada, o Fluminense tem mais um confronto contra gaúchos: encara o Inter na quarta-feira, às 19h30m, em Porto Alegre. Nos mesmos dia e horário, o Grêmio visita o Goiás. Nos outros jogos da quinta-feira, o Atlético/GO recebeu e ficou no empate diante do Ceará. 1 a 1. E o São Paulo voltou a se dar bem. Jogando em Barueri, os comandados de Paulo César Carpegiani enfrentaram seu ex-clube, o Atlético/PR. O jogo foi duro, mas com gols de Ricardo Oliveira e Miranda, o time do Morumbi levou a melhor e alcançou a sétima posição na tabela.

Corinthians -2 x -2 Flamengo

GLOBOESPORTE.COM

O Corinthians precisava de três pontos para voltar a ponta da tabela. O Flamengo queria vencer para afastar o perigo ainda real de rebaixamento. Ronaldo estava louco para melhorar seu retrospecto diante da torcida que passou a odiá-lo. Do outro lado, Diogo era a imagem da angústia pelo longo jejum de gols. Com o Fenômeno brilhando na etapa inicial e o atacante rubro-negro oportunista no segundo tempo, Flamengo e Corinthians empataram na noite desta quarta, no Engenhão.

O técnico Vanderlei Luxemburgo tentou surpreender Tite mudando o 4-4-2 que adotara em seus primeiros quatro jogos nesta volta ao Flamengo. O treinador apostou no trio ofensivo formado por Diogo, Diego Maurício e Deivid. Mas o ataque 3D não começou bem. Deu defeito demais. Por um lado, o Corinthians se viu obrigado a recuar seus volantes. Mas a equipe de Tite encontrava bons espaços quando roubava a bola, criando dificuldades principalmente para a defesa rubro-negra. aos oito, Ronaldo já havia deixado Ralf na cara do gol com um passe precioso. Marcelo Lomba salvou. Vanderlei não gostava do que via em seus primeiros minutos contra o Fenômeno e Roberto Carlos juntos na mesma equipe. Seus grandes amigos estavam sedentos.

O Flamengo até tinha maior posse de bola, mas não conseguia ameaçar. E os visitantes se aproximavam cada vez mais do gol. Tanto que, aos 30, Ronaldo deu mais um presente de grego para o ‘parceiro’ Vanderlei. O atacante estava sendo vaiado pela torcida do Flamengo desde que pisou no gramado do Engenhão. A cada toque do Fenômeno na bola, os rubro-negros chiavam. Não esquecem o acerto dele com o Corinthians, em 2009, depois de ter passado três meses em recuperação na Gávea declarando-se rubro-negro de coração. Mas o atacante não ligou a mínima. Aproveitando bobeira de Welington, o único que dava condição de jogo ao Fenômeno, o atacante recebeu de Bruno César e, livre, não perdoou: 1 a 0. Foi o terceiro gol do atacante no Brasileirão, o primeiro com bola rolando (os outros foram de pênalti).

No intervalo, Vanderlei desistiu do DDD. Tirou o apagadíssimo Deivid e colocou Marquinhos para fazer as ligações. E o reserva teve estrela. Na primeira jogada, logo aos 2 minutos jogados, cobrou escanteio, Renato desviou no primeiro pau, e Diogo completou para a rede. Era o fim de um jejum de gols que durava 12 jogos, o maior de sua carreira, segundo o próprio atacante.

A (pequena) torcida rubro-negra cresceu no Engenhão. E o time foi no embalo. Mas os gritos foram rapidamente abafados por uma cobrança de Bruno César no travessão, aos 10. O segundo tempo era muito mais emocionante. Assustado, Vanderlei tratou de tentar corrigir outro problema do Flamengo. Willians, em noite praticamente nula no que diz respeito a passes certos, foi trocado por Correa. O time ficou mais lento na marcação, mas Tite não explorou esse ponto fraco. Suas primeiras medidas foram tirar Iarley e Bruno César para as entradas de Danilo e Paulinho, dando a impressão de que o empate estava de bom tamanho. Mas quando se esperava um recuo, aconteceu o contrário. Aproveitando o cansaço do adversário, o Corinthians passou a avançar mais. Elias ganhava mais liberdade. Jucilei também. Aos 35, ele driblou Léo Moura e deu bom passe para Danilo, que só não marcou porque foi travado na hora do chute. Aos 40, Ronaldo teve a chance de calar de vez os que levaram travestis ao Engenhão para provocá-lo. Em uma arrancada como nos velhos tempos, partiu para cima de Maldonado com fome de gol. Mas a idade pesou. O físico também. Ronaldo tropeçou no gramado e caiu sozinho. Rubro-negros deram aquele sorrisinho de canto de boca. Mesmo tendo como dono de sua camisa 9 um Val Baiano que só foi notado em rasteira aplicada em Elias aos 42.

Fim de jogo, fim de mais um capítulo da nada monótona história de Ronaldo no Corinthians contra sua ex-paixão. Flamengo 1 x 1 Corinthians. Pouco para o Flamengo, que se manteve em 13º, ainda ameaçado de rebaixamento, e menos ainda para o Timão, que perdeu a chance de ser líder. A equipe subiu para o segundo lugar. Mas pode ver a distância para o líder passar a três pontos caso o Fluminense vença o Grêmio nesta quinta, e/ou o Cruzeiro, terceiro colocado, que joga no sábado, às 18h30m, contra o lanterna Prudente. A rodada se completa com três jogos nessa quinta e mais seis no sábado, devido as eleições presidenciais realizadas no domingo.

Morre Paul, o polvo da Copa!!!

O futebol mundial está de luto. E não é pela perda de algum ídolo jogador, ou ex-jogador que fez gols e mais gols pelos campos ao redor do planeta. Na noite dessa segunda-feira, morreu o polvo Paul. Famoso por acertar os vencedores nos confrontos da Copa do Mundo na África do Sul em 2010, o molusco sofreu morte natural e será cremado.

O polvo Paul vivia no oceanário Sea Life, em Oberhausen, na Alemanha, que virou atração turística da pequena cidade alemã, principalmente depois da Copa, e cujo diretor do local já anunciou que será realizada toda uma homenagem ao ‘profeta’, com direito a construção de uma estátua para o mesmo.

Homenagem realizada pela campeã mundial Espanha ao polvo Paul


Paul acertou o resultado de todos os jogos que lhe foram questionados (oito, todos os jogos da Alemanha, e a final entre Espanha e Holanda). O oceanário em que vivia se aproveitou para lucrar através da fama repentina do polvo. Várias propostas lhes foram feitas, tais como virar garoto-propaganda de um grande supermercado local e cerca de R$ 34 mil para saber quem seria o campeão mundial de Fórmula 1 dessa temporada. Além disso, foram criados e vendidos diversos produtos do molusco, tais como bichinhos de pelúcia, canecas, camisetas e etc.

Oceanário na Alemanha fatura com a venda de produtos do polvo (Foto: Rafael Maranhão - Globoesporte.com)

Tite supera Felipão no detalhe…

GLOBOESPORTE.COM

Dizem que os clássicos muitas vezes são definidos no detalhe. Do detalhe de uma opção técnica a um desvio de bola involuntário. Neste domingo, no estádio do Pacaembu, foi assim, no detalhe que um Corinthians desesperado por vitória superou o duelo diante de um Palmeiras acomodado e sem criação, na estreia do técnico Tite no Timão.

Valdivia no banco? A pergunta tomou conta do estádio do Pacaembu, mas foi essa mesmo a decisão do técnico do Palmeiras, Luiz Felipe Scolari. Mesmo depois de durante a semana surpreender a todos e escalar o chileno por 90 minutos contra o Universitario de Sucre, após todos acharem que ele ficaria fora por conta de lesão muscular na coxa esquerda. No Corinthians, nada de surpresa. O mesmo time que treinou durante a semana entrou em campo. Parecido com o Timão da Era Mano Menezes, mas com postura mais cautelosa. Apostando na forte marcação e aproveitando a ausência de Valdivia, principal cérebro do Verdão, os alvinegros dominaram a partida.

É verdade que sem criar muito, mas os espaços pareciam aparecer mais facilmente ao Corinthians. Enquanto Elias travava duelo intenso na marcação a Kléber, o corintiano Bruno César, de volta ao Timão após recuperar-se de lesão na coxa direita, aparecia como a estrela do clássico paulista. Não à toa, o técnico Tite pedia toda hora que a bola passasse pelo seu armador. E foi dele, que faz questão de dizer que não é goleador, o gol do Timão na etapa inicial. Aos 22 minutos, o camisa 10 recebeu de Roberto Carlos e chutou. A bola desviou em Marcos Assunção e entrou.

Mesmo depois de dizer que Valdivia não tinha sido escalado porque estava com dores musculares, Felipão resolveu colocá-lo em campo no segundo. Tirou Lincoln, que pouco fez no primeiro tempo, e mandou o chileno a campo. Na lateral direita também teve mudança. Luis Felipe saiu para a entrada de Patrik. Do lado do Corinthians, Tite nada mudou. Mas jogada de perigo do Alviverde só mesmo saindo dos pés de Marcos Assunção em cobranças de falta. Porém, ele não parecia inspirado. No Corinthians, Chicão, também ótimo na bola parada, também se arriscou. Mas assim como o rival não teve sorte.

A pressão palmeirense até aumentou, mas o goleiro Julio Cesar quem tranqüilizou a torcida corintiana. Aos 28 minutos, em falta muito perigosa cobrado por Marcos Assunção, ele fez a defesa da partida, evitando o empate do Alviverde. Um lance comemorado como um gol pela Fiel. Logo depois, o Verdão perdeu Valdivia e qualquer oportunidade de reação. Corinthians 1 x 0 Palmeiras.

Enfim, o Corinthians foi melhor que o rival e finalmente conseguiu encerrar um longo jejum de sete jogos sem vitórias, com quatro derrotas e três empates. A crise dará uma trégua ao Timão. Até porque com esse triunfo, a equipe do técnico Tite foi a 53 pontos e recuperou o fôlego na briga pelo título nacional. Já o Palmeiras, que segue com os mesmos 44 de antes, perdeu a chance de se aproximar da zona de classificação à Libertadores. Por conta das eleições, a próxima rodada do Campeonato Brasileiro será toda realizada até sábado, dia em que o Palmeiras encara o Goiás, na Arena Barueri. O Corinthians, por sua vez, joga na quarta-feira, com o Flamengo, no Engenhão, no Rio de Janeiro.

Os outros jogos da rodada 31 fizeram com que o Fluminense reassumisse a liderança do Campeonato Brasileiro. Isso porque o Cruzeiro, até então líder, fez um jogaço no clássico mineiro diante do Atlético, mas o time de Dorival Júnior se superou e, com atuação de gala de Obina, autor de três gols, bateu os rivais por 4 a 3 e, além de tirar a Raposa da ponta da tabela, ainda tirou o Galo da zona de rebaixamento depois de 21 rodadas na área de degola. O time de Muricy sofreu, mis conseguiu empatar com o Atlético/PR, na Arena da Baixada, 2 a 2. Por falar em clássico, os outros dois estaduais terminaram em igualdade. 1 a 1 no Flamengo e Vasco no Rio, e 2 a 2 no Gre-Nal de Porto Alegre. Já o São Paulo teve sua arrancada freada pelo Ceará. Sob um forte calor em Fortaleza, o Tricolor foi fritado e caiu diante do alvinegro. 2 a 0. E a decepção da rodada ficou por conta do Santos. Quando já se contava com os três pon tos para se alcançar os líderes, principalmente por se tratar de um confronto, em casa, diante do último colocado Grêmio Prudente, e ainda depois de abrir 2 a 0 de vantagem e com direito a mais um pênalti perdido por Neymar nos minutos finais. Placar final: 3 a 2 Prudente, que ainda está longe do penúltimo colocado, assim como o Peixe está longe de Fluminense, Cruzeiro e Corinthians.

Rodada 31
Sábado, 23/10/2010
| Engenhão
Botafogo 1 x 0 Vitória
| Brinco de Ouro
Guarani 0 x 1 Atlético/GO

Domingo, 24/10/2010
| Parque do Sabiá
Cruzeiro 3 x 4 Atlético/MG
| Serra Dourada
Goiás 1 x 0 Avaí
| Vila Belmiro
Santos 2 x 3 Grêmio Prudente
| Olímpico
Grêmio 2 x 2 Inter
| Arena da Baixada
Atlético/PR 2 x 2 Fluminense
| Engenhão
Vasco 1 x 1 Flamengo
| Castelão
Ceará 2 x 0 São Paulo
| Pacaembu
Corinthians 1 x 0 Palmeiras

1 Fluminense 54
2 Cruzeiro 54
3 Corinthians 53
4 Santos 48
5 Inter 48
6 Botafogo 48
7 Atlético/PR 47
8 Grêmio 47
9 São Paulo 44
10 Palmeiras 44
11 Ceará 42
12 Vasco 42
13 Flamengo 38
14 Atlético/GO 35
15 Guarani 35
16 Atlético/MG 34
17 Vitória 34
18 Goiás 31
19 Avaí 30
20 Prudente 24

Vaga alcançada em seis minutos…

GLOBOESPORTE.COM

Avaí e Goiás são adversários diretos na batalha pela permanência na Série A do Brasileirão. E agora vão duelar por um novo objetivo: uma vaga na semifinal da Copa Sul-Americana. Um dia depois de o time goiano se classificar para as quartas de final do torneio internacional, na noite desta quinta-feira foi a vez de a equipe catarinense seguir na luta pelo título. Com uma reação fulminante no início do segundo tempo, com três gols em um espaço de seis minutos, o Avaí bateu o Emelec por 3 a 1, no estádio da Ressacada, em Florianópolis. No jogo de ida, na quarta-feira da semana passada, o time equatoriano havia vencido por 2 a 1.

Apesar do risco de rebaixamento no Brasileirão, Vagner Benazzi não quis saber de poupar jogadores e mandou a força máxima do Avaí a campo, em busca da inédita classificação do clube para as quartas de final de um torneio internacional. Mas a missão ficou mais complicada logo com um minuto. Após falha de Marcos, Ayoví dominou pela esquerda, gingou na frente de Emerson Nunes e cruzou. Na pequena área, Rojas se esticou e completou para a rede.

Com a equipe em desvantagem, Benazzi tentou melhorar a armação do time, escalando para o segundo tempo o meia Válber no lugar do lateral Marcos. E após quase sofrer o segundo gol em um erro na saída de bola, o time catarinense conseguiu construir o placar que precisava em apenas seis minutos. Aos dois, após centro sobre a área, Elizaga saiu mal da meta e rebateu a bola nos pés de Caio. O meia caprichou no cruzamento e encontrou Roberto na área. O atacante cabeceou bem, para baixo, e igualou o placar. A torcida alviceleste se animou e contagiou o time. Aos cinco, Caio deu ótimo passe para Roberto, que mandou uma bomba na trave esquerda. A bola sobrou para Eltinho completar para o gol vazio. Faltava um para o Avaí evitar que a disputa da vaga fosse para os pênaltis. E ele veio rapidamente. Aos oito, Válber cobrou falta sobre a área, e Emerson se antecipou a Elizaga e cabeceou para a rede. Avaí 3 x 1 Emelec(EQU).

A primeira partida entre Avaí e Goiás pelas quartas será disputada na próxima semana, em dia, horário e local ainda não anunciados pela Conmebol. No domingo, às 16h (de Brasília), os dois clubes se encontram no Serra Dourada, pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro, em jogo fundamental na luta contra a queda para a Série B. O Avaí é o antepenúltimo colocado com 30 pontos, dois a mais que o Goiás, o penúltimo.

Palmeiras aceso pela Liberta…

Julyana Travaglia
GLOBOESPORTE.COM

O Palmeiras não encontrou dificuldades para passar pelo Universitario de Sucre e avançar às quartas de final da Copa Sul-Americana. Na partida que começou na noite de quarta-feira e avançou até mais de 30 minutos da quinta, nem mesmo um apagão, que durou 32 minutos, esfriou o time paulista – um gerador do estádio queimou, ocasionando a paralisação da partida para que as luzes fossem acesas novamente.

Reforçado por Valdivia, atleta que até um dia antes do jogo estava descartado por sentir dores na parte posterior da coxa esquerda, o Palmeiras não teve problemas para ampliar a sua vantagem sobre os bolivianos. Logo aos 11 minutos, o time de Luiz Felipe Scolari abriu o placar. Em cruzamento preciso de Gabriel Silva, Kleber, sem marcação, fez 1 a 0 para começar a aquecer as arquibancadas geladas da Arena Barueri.

Sem encontrar muita resistência do sistema defensivo do Universitario de Sucre, logo o Alviverde aumentou a conta. Novamente com cruzamento de Gabriel Silva, Luan completou contra a meta de Lampe, que nada pôde fazer, aos 27. O segundo gol da noite fazia com que o trabalho do Sucre ficasse ainda mais complicado. Já eram três gols de diferença para que a equipe boliviana conseguisse reverter a vantagem do Alviverde.

Com apenas um minuto do segundo tempo, a partida precisou ser paralisada na Arena Barueri. Um dos geradores do estádio queimou, fazendo com que parte da iluminação apagasse. Durante os 32 minutos em que o jogo ficou parado, houve de tudo. Tanto os jogadores do Universitario de Sucre quanto do Palmeiras vestiram os agasalhos, fizeram roda de bobinho e um aquecimento. Sem ter o que fazer, Felipão passou a ser alvo da comissão do time boliviano, que, sem cerimônia, se dirigiu ao brasileiro para tirar fotos e tietar.

(Foto: AFP)


Depois de mais de meia hora de paralisação, o Palmeiras voltou com o mesmo apetite. Mas, o Universitario de Sucre, que pouco chegava ao gol de Deola, resolveu movimentar o marcador depois de um breve apagão do sistema defensivo palmeirense. Aos 16, após cruzamento da esquerda, Cirillo, que havia acabado de entrar, subiu mais alto que a zaga alviverde e fez 2 a 1. Mas não demorou para o Palmeiras retomar o rumo das coisas em Barueri. Em cobrança de falta de Assunção, Danilo fez o terceiro gol palmeirense, aos 24. Foi o quarto gol de cabeça da partida. E o gol que consolidou o Palestra aceso e favorito na briga pelo campeonato sulamericano e pela vaga direta na Libertadores. Palmeiras 3 x 1 Universitario Sucre(BOL).

Quem enfrenta o Palmeiras na fase seguinte da Copa Sulamericana e o Atletico/MG. O time de Minas foi `a Colombia e, em jogo igualmente sem muita emocao, perdeu para o Independiente Sante Fe por 1 a 0, mas mesmo assim conseguiu sua vaga, uma vez que havia batido o rival colombiano na partida de ida, por 2 a 0. Quem sofreu para tambem garantir a vaga foi o Goias. O time do treinador Jorginho saiu na frente, sofreu a virada, empatou de novo e levou mais um gol. Se segurou ate o final de jogo e, tambem saiu derrotado mas conseguiu a classificacao. 3 a 2 para o Penarol, no Uruguai e agora o time verde da parte central do Brasil espera o classificado entre Avai e Emelec, do Equador.

Anúncios