Arquivo para setembro \30\UTC 2010

Sem palavras e três pontos atrás…

Um time que briga pela ponta não pode se dar ao luxo de certos deslizes. Qualquer vacilo, principalmente jogando em seus domínios, podem custar caro a quem briga na parte de cima da tabela. Mas o Botafogo veio ao Pacaembu disposto a atrapalhar a vida do Corinthians na disputa do título. Mesmo porque o time da Estrela Solitária ainda mantém vivas as chances de conquistar a competição nacional.

O jogo começou prometendo bom nível. E o time da casa mostrou que queria mesmo era resolver as coisas logo. Com pouco mais de dois minutos, a bola foi virada da esquerda para a direita, passou por Iarley no meio da área, e chegou em Bruno César. O camisa 10 dominou á frente de Marcelo Cordeiro, ajeitou para a perna esquerda e bateu colocado, no ângulo do goleiro Jefferson, que só olhou o golaço do corintiano.

O susto fez com que os cariocas acordassem e partissem para cima. Saindo da defesa, o Botafogo passou a manter os donos da casa acoados. Aos 11 minutos, após escanteio, Loco Abreu apareceu livre na área, matou no peito, e perdeu chance incrível, carimbando a trave do goleiro Júlio César. A marcação botafoguense surpreendeu o time de Adílson Batista, que conseguia espaços para contra-atacar. E, para piorar a situação, a defesa anfitriã, que até então vinha se saindo muito bem, resolveu vacilar. Em ataque rápido, o ex-corintiano Herrera atacou pela direita e fez o cruzamento para Loco Abreu, que apareceu entre Alessandro e William, para cabecear completamente livre. 1 a 1.

Na segunda etapa, Ralf voltou a sentir a lesão que o afastara de últimos compromissos e deu lugar a Paulinho. Que seria um dos principais causadores da perda de dois pontos pelo time do Parque São Jorge. Os passes melhoraram no meio de campo corintiano, mas os espaços continuaram aparecendo para o time de Joel Santana. Logo aos cinco minutos, Marcelo Cordeiro fez ótima enfiada de bola para Herrera que saiu de frente para Júlio César, tocando para o fundo das redes. Mas o árbitro Leandro Vuaden atendeu o seu assistente Erick Bandeira, e os dois erraram feio. Em clara posição legal, Herrera virou o jogo, mas o gol foi anulado.

Com a substituição de Herrera por Renato, o Bota recuou e o Corinthians cresceu. Apoiado pela torcida que compareceu em excelente número, o time alvinegro passou a trocar passes em busca de espaços na defesa carioca. Aos 15, a chance que um time que busca o título não pode desperdiçar. E com Paulinho. Após passes envolventes, o camisa 15 apareceu em diagonal completamente lovre, somente com Jefferson e grande gol á sua frente. Faltam palavras para descrevero lance. Não se perde um gol desses. Paulinho bateu fraco e em cima do goleiro botafoguense, que já estava caído no chão.

Danilo e Defederico ainda entraram para tentar ajudar de alguma forma, mas a defesa adversária se portou muito bem e não deu chances aos anfitriões desempatarem. Aos 48, o castigo quase veio de forma chocante. Interceptação dos passes corintianos, Loco Abreu acionou o garoto Caio. Em velocidade, o atacante arrancou, levou a melhor para cima dos defensores, Júlio César saiu, o botafoguense girou para cima do goleiro corintiano e chutou por cobertura, mandando por cima da meta. Assim terminou a partida. Corinthians 1 x 1 Botafogo. O clube do Parque São Jorge tem agora 48 pontos, na segunda posição. Os cariocas chegam ao quinto jogo consecutivo sem vencer e atingem a marca dos 41 pontos, caindo para o sexto lugar. Na próxima rodada, o Corinthians recebe o Ceará, sábado, às 16h, no Pacaembu. Já o Botafogo faz o clássico contra o Flamengo, no mesmo dia, às 18h30m, no Engenhão.

Nos outros jogos da rodada 26, o Fluminense conseguiu se isolar e conseguir mais tranquilidade na ponta da tabela do Brasilerão. Jogando no Rio, o time de Muricy Ramalho sofreu muito e com um gol de Conca aos 40 minutos da etapa final, bateu o Avaí por 1 a 0. Agora a folga do Tricolor para o Corinthians é de três pontos. O Cruzeiro segue na cola dos dois. Com uma sossegada vitória por 3 a 0 para cima do Atlético/GO, o time azul atingiu 47 pontos e está um atrás do alvinegro paulista. O Palmeiras atingiu a terceira vitória consecutiva surpreendendo o forte Inter. 2 a 0, com dois gols de falta de Marcos Assunção. Já o São Paulo voltou a decepcionar, dessa vez fora de casa. 4 a 2 diante do Grêmio, no estádio Olímpico. E no outro duelo paulista, depois de muito tempo, o Prudente voltou a vencer e convencer. Apesar de não sair da lanterna do campeonato, o Grêmio bateu o Guarani, em Presidente Prudente, também por 4 a 2.

Rodada 26
Terça, 28/09/2010
| São Januário
Vasco 3 x 1 Santos
| Serra Dourada
Goiás 1 x 1 Flamengo

Quarta, 29/09/2010
| Raulino de Oliveira – Volta Redonda
Fluminense 1 x 0 Avaí
| Arena Barueri
Palmeiras 2 x 0 Inter
| Pacaembu
Corinthians 1 x 1 Botafogo
| Castelão
Ceará 0 x 0 Atlético/MG
| Arena da Baixada
Atlético-PR 1 x 0 Vitória
| Arena do Jacaré
Cruzeiro 3 x 0 Atlético/GO
| Olímpico
Grêmio 4 x 2 São Paulo
| Eduardo Farah
Grêmio Prudente 4 x 2 Guarani

1 Fluminense 51
2 Corinthians 48
3 Cruzeiro 47
4 Inter 41
5 Botafogo 41
6 Atlético/PR 41
7 Santos 38
8 Palmeiras 38
9 Grêmio 36
10 São Paulo 34
11 Guarani 33
12 Vasco 33
13 Vitória 31
14 Ceará 31
15 Flamengo 29
16 Avaí 28
17 Atlético/GO 26
18 Goiás 25
19 Atlético/MG 22
20 Prudente 20

Anúncios

O Rio não está pra Peixe…

GLOBOESPORTE.COM

Depois de seis partidas sem saber o gosto da vitória, o Vasco superou o Santos, nesta terça-feira, em São Januário, e voltou a dar alegria aos seus torcedores na 26ª rodada. O Peixe não esteve em uma noite inspirada, assim como Neymar, que pouco conseguiu criar.

A partida na Colina começou morna, com as duas equipes se estudando demais. O Vasco bem que tentou dar velocidade ao jogo, mas foi o Santos que colocou a bola no chão e, atacando pelas laterais do campo, foi mais perigoso no início. Ainda desencontrado em campo, principalmente por causa dos desfalques, o Vasco tinha apenas uma boa arma: os avanços pela direita de Fágner, Zé Roberto e Eder Luis. E foi desta forma que marcou seu primeiro gol. Aos 30, Eder Luis foi lançado, driblou Alex Sandro e tocou para trás na direção de Fágner, que mandou de primeira e acertou o ângulo esquerdo do goleiro Rafael: 1 a 0 e muita vibração da torcida vascaína nas arquibancadas de São Januário. Não demorou para o Gigante da Colina armar outro contra-ataque rápido. Aos 34, Felipe deu ótimo passe para Rafael Coelho, que invadiu a área e foi derrubado pelo goleiro. Coube ao camisa 6, que até então estava apagado na partida, fazer a cobrança. Ele bateu no canto esquerdo de Rafael, que defendeu e a bola bateu na trave. No rebote, o próprio meia, de perna direita, finalizou e colocou 2 a 0 no placar. Foi o primeiro no retorno ao clube. Na comemoração, foi abraçar o preparador físico Jorge Sotter.

Na volta para o segundo tempo, o jogo ganhou mais emoção, já que o Peixe partiu para cima para tentar diminuir o prejuízo. E conseguiu fazer logo no início, ajudado por uma falha individual de Titi. O zagueiro bobeou na frente de Arouca, que roubou a bola e serviu Danilo. Na saída de Fernando Prass, o lateral-direito tocou para o fundo da rede: 2 a 1. A missão cruzmaltina ficou mais difícil a partir dos 31 minutos, quando Jumar fez falta em Neymar e levou o segundo cartão amarelo e em seguida o vermelho. Com isso, o Santos se lançou de vez a ataque, já que Roberto Brum deu lugar a Tiago Luis. A pressão visitante seguiu intensa mas não resultou no gol de empate. E o golpe final do Vasco veio aos 49, quando Eder Luis fez fila, entrou na área e tocou na saída do goleiro Rafael: 3 a 1. Fim de jogo e comemoração dos poucos vascaínos que foram ao jogo (2.819 pagantes). Vasco 3 x 1 Santos.

Com o resultado, a equipe da Colina chega a 33 pontos no Campeonato Brasileiro e está em 12º lugar, com um jogo a menos. O Peixe permanece com 38, na sexta posição. Na próxima sexta-feira, às 21h (de Brasília), o Vasco recebe o Goiás em São Januário. O Santos, no sábado, às 16h, faz o clássico com o Palmeiras na Vila Belmiro. No outro jogo da noite de terça-feira, o Flamengo sofreu muito, mas conseguiu o empate no estádio Serra Dourada, diante do Goiás. Com um gol de Deivid aos 45 minutos do segundo tempo, depois do zagueiro Jean marcar um gol contra, o time carioca garantiu um ponto e o técnico Silas já é alvo de muitas críticas.

Liga Brasileira…

Grupo E: Bayer de Munique(ALE) – Roma(ITA) – Cluj(ROM) – Basel(SUI)

Apesar de vir de vitória conseguida no minuto final no clássico diante da Inter de Milão no último final de semana, a Roma entrou em campo sob muita pressão e com iminência de crise pelo desentendimento do Imperador Adriano com o técnico Cláudio Ranieri. No último sábado, o ex-atacante do Flamengo ficou no banco contra o Inter e se recusou a entrar nos minutos finais, gerando motivos para crise no clube. Mas, ao que parece, o clima ruim parece não ter abalado o time italiano. Jogando em casa, a Roma bateu os romenos do Cluj por 2 a 1. Adriano começou novamente no banco e entrou durante a partida. Mas, mesmo com a vitória, a equipe dos brasileiros Juan, Cicinho, Júlio Baptista e do próprio Adriano ainda não alcançou a ponta do grupo E. Isso porque o líder é o Bayer de Munique, que foi à Suiça e superou, de virada, os donos da casa do Basel. 2 a 1.

1 Bayer de Munique 6
2 Roma 3
Cluj 3
4 Basel 0

Grupo F: Chelsea(ING) – Olimpique de Marselha(FRA) – Spartak Moscou(RUS) – Zilina(ESL)

Pelo Grupo F, o Brasil foi destaque na vitória do Spartak Moscou sobre a fraca equipe do Zilina, da Eslovênia. Jogando em Moscou, o time russo não enfrentou maiores dificuldades e contou com o talento de seus atletas brasileiros para superar os adversários. Com grande atuação do ex-Internacional Alex, a equipe anfitriã venceu por 3 a 0, com dois gols do atacante Ari, ex-Fortaleza, e um do ex-flamenguista Ibson. No outro jogo da chave, o gigante Chelsea recebeu o Olimpique de Marselha em Londres, e também não se esforçou exageradamente para bater os franceses por 2 a 0. Com os resultados, tanto ingleses, quanto russos se mantém na liderança, com 100% de aproveitamento em duas partidas até aqui.

1 Chelsea 3
Spartak Moscou 3
3 Olimpique Marselha 0
Zilina 0

Grupo G: Real Madrid(ESP) – Milan(ITA) – Ajax(HOL) – Auxerre(FRA)
O futebol apresentado até que foi bom. Foram criadas muitas chances de gol, mas o time de José Mourinho não conseguiu concretizar em gols a superioridade que mostrou frente ao Auxerre. Precisou então de Di María e Ozil saírem do banco de reservas e resolverem a parada a favor do clube espanhol. Com passe do alemão e gol do argentino, o Real Madrid bateu os franceses por 1 a 0 e conquistou sua segunda vitória na Liga. Já o outro gigante do Grupo G encontrou dificuldades ainda maiores jogando fora de casa. Com Robinho titular e Ronaldinho Gaúcho no banco de reservas, o Milan foi à Amsterdã e teve de contar com seu artilheiro Ibrahimovic para não sair derrotado. Com o ex-santista apresentando um futebol abaixo das expectativas, Ibra fez o seu no começo da etapa final e garantiu o empate. 1 a 1.

1 Real Madrid 6
2 Milan 4
3 Ajax 1
4 Auxerre 0

Grupo H: Arsenal(ING) – Shaktar Donetsk(UCR) – Braga(POR) – Partizan(SER)

Outro jogo que contou com muitos talentos brasileiros foi em Portugal. Com dois gols do atacante Luiz Adriano, ex-colorado, e um do ex-gremista Douglas Costa, o Shakhtar Donetsk bateu o Braga por 3 a 0, no Estádio Municipal. O resultado, no confronto que reuniu 14 brasileiros em campo, manteve os ucranianos com 100% de aproveitamento na chave, seis pontos à frente dos portugueses, do goleiro ex-corintiano Felipe, que perderam as duas partidas. Na outra disputa da chave, o Arsenal superou o Partizan, fora de casa. Com dois gols de Arshavin, os ingleses bateram por 3 a 1 e se isolaram ainda mais na ponta da tabela.

1 Arsenal 6
Shanktar Donetsk 6
3 Partizan 0
Braga 0

Segundo lugar aos 47 do segundo tempo…

GLOBOESPORTE.COM

Num jogo com clima de decisão e de muita rivalidade devido aos confrontos mais recentes entre as duas forças do futebol nacional, o Inter venceu o Corinthians, no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre. O confronto começou estudado, com rivais procurando ficar com a bola. As duas equipes, muito técnicas, também se igualavam na pegada no meio de campo. O Inter tinha a iniciativa, buscava cercar o Corinthians. O Timão, porém, jamais se apavorou. Bem a seu estilo, teve mais posse de bola na primeira etapa (56% a 44%), virando o jogo de um lado para o outro, com paciência.

O técnico Celso Roth armou o meio de campo colorado com cinco jogadores: Glaydson, Guiñazu, Tinga, Giuliano e D’Alessandro. Coube a Tinga a missão de se aproximar de Leandro Damião, único atacante de ofício do Inter. Ele até conseguiu surpreender os corintianos aparecendo livre à frente. Faltava, porém, acertar o tempo correto do passe. O volante foi flagrado três vezes em posição de impedimento. Era uma questão de ajuste fino.

Aos 29, D’Alessandro, que havia escolhido ficar mais à esquerda, pois o meio estava muito congestionado, voltou ao centro do campo e, num passe preciso, finalmente achou Tinga em posição legal. O cabeludo recebeu, esperou Julio Cesar sair e deu um toque rasteiro para abrir o placar. Tinga, no entanto, não teve tempo para comemorar: Voltou a sentir a fisgada na coxa direita que o atrapalhou durante toda a semana e precisou ser substituído. Entrou Edu.

A saída dele desarticulou a armação gaúcha. O Corinthians começou a se aproximar da meta colorada. Havia mais espaço. Aos 42, em cobrança de falta, Bruno César acertou em cheio o travessão do goleiro Renan. Na volta para o segundo tempo, os dois times se mostraram mais ousados. O Internacional tomou a iniciativa, foi para cima, se empolgou e acabou dando espaços para o Corinthians. O jogo tornou-se aberto, com o Colorado atacando e o Timão contra-atacando. Ambos com qualidade. A equipe paulista era ligeiramente melhor. Conseguia se segurar atrás e sempre levava perigo quando passava a linha central. Aos 20, saiu o empate. Jucilei recebeu na direita e, demonstrando visão de jogo privilegiada, enxergou Jorge Henrique livre do outro lado. O lançamento foi perfeito. O baixinho atacante matou a bola e, na saída de Renan, deu um lindo toque de direita, acertando o ângulo.

O gol corintiano causou uma breve pane defensiva na equipe gaúcha. No lance seguinte, Edu apareceu pela esquerda, em posição duvidosa, e cruzou para Bruno César. Livre, com o gol vazio à sua frente, o camisa dez acabou acertando o travessão. Vendo que sua equipe passava por apuros, Celso Roth pensou rápido. Colocou Alecsandro e Andrezinho e foi para o abafa. A estrela de Alecsandro brilhou logo em seu primeiro lance. Aos 32, D’Alessandro, de novo, acertou grande passe, achando o atacante livre na área. De peixinho, ele meteu a cabeça na bola e colocou o Inter na frente mais uma vez.

O Corinthians, então, se lançou para cima. Renan tentou cortar cobrança de falta, mas saiu sem alcançar a bola. Paulo André cabecou para marcar, mas Nei, que é lateral, bancou o goleiro e fez uma grande defesa. Acabou expulso. Pênalti que Bruno César bateu, aos 45, para empatar novamente.

Os paulistas já contavam com o ponto que os manteriam na ponta da tabela. Mas o jogo ainda não havia acabado. Aos 47, Paulo André fez falta na entrada da área e levou cartão vermelho. Na cobrança, Andrezinho, outro que havia saído do banco, contou com o desvio de Moacir na barreira para matar o goleiro Julio Cesar. Foi o último lance de um jogaço, com final eletrizante. Inter 3 x 2 Corinthians.

Com a vitória, o Colorado segue sonhando com o título brasileiro. O time gaúcho é o quarto colocado, sete pontos atrás do líder Fluminense (48 a 41), mas com um jogo por fazer do primeiro turno, contra o Santos. O Timão, que entrou em campo como líder, tem agora 47 pontos, mas também com um jogo a menos, contra o Vasco adiado no primeiro turno.O Inter volta a campo na quarta-feira, contra o Palmeiras, às 19h30m, na Arena Barueri. O Corinthians, também na quarta, mas às 22h, recebe o Botafogo, no Pacaembu.

Nos outros jogos da vigésima quinta rodada, o Fluminense recuperou a liderança ao bater o Vitória, em Salvador, vencendo por 2 a 1, com mais uma grande exibição do capitão Darío Conca. No sábado, o Santos, mesmo em crise, surpreendeu o Cruzeiro e goleou por 4 a 1. O Palmeiras também se superou e bateu o Flamengo, fora de casa. Já o São Paulo voltou a decepcionar. Em pleno Morumbi, o Tricolor caiu frente ao Goiás, que não consegue sair da zona de rebaixamento. Sonoros 3 a 0 trouxeram de volta a crise ao time de Sérgio Baresi. E em Sete Lagoas, o Atlético/MG estreou seu novo treinador, Dorival Júnior, e mostrou que o ex-técnico santista terá muito trabalho para livrar o time da Segunda Divisão. Estreia com derrota para o Grêmio por 2 a 1.

Rodada 25
Sábado, 25/09/2010
| Engenhão
Flamengo 1 x 3 Palmeiras
| Arena Barueri
Santos 4 x 1 Cruzeiro
| Serra Dourada
Atlético/GO 3 x 0 Grêmio Prudente
| Brinco de Ouro
Guarani 1 x 0 Vasco
| Morumbi
São Paulo 0 x 3 Goiás

Domingo, 26/08/2010
| Beira-Rio
Inter 3 x 2 Corinthians
| Arena do Jacaré
Atlético/MG 1 x 2 Grêmio
| Engenhão
Botafogo 1 x 1 Atlético/PR
| Barradão
Vitória 1 x 2 Fluminense
| Ressacada
Avai 5 x 0 Ceará

1 Fluminense 48
2 Corinthians 47
3 Cruzeiro 44
4 Inter 41
5 Botafogo 40
6 Santos 38
7 Atlético/PR 38
8 Palmeiras 35
9 São Paulo 34
10 Grêmio 33
11 Guarani 33
12 Vitória 31
13 Ceará 30
14 Vasco 30
15 Flamengo 28
16 Avaí 28
17 Atlético/GO 26
18 Goiás 24
19 Atlético/MG 21
20 Prudente 17

Defensores depenam o Galo e desempregam Luxemburgo…

GLOBOESPORTE.COM

O céu é logo ali, e o inferno também. Fluminense e Atlético-MG pisaram no gramado do Engenhão na noite desta quinta-feira, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro, rodeados de pressão. Três jogos sem vencer de um lado, uma crise de tamanho assustador do outro. Era vencer ou vencer. Venceu o time de melhor campanha. E por goleada.

Ele não poderia faltar. O único jogador do Fluminense a disputar todas as partidas do Campeonato Brasileiro. Darío Conca ignorou as dores na sola do pé direito e puxou a fila na entrada do campo. Importância que ficou clara aos 11 minutos. O argentino cobrou escanteio, e o zagueiro Leandro Euzébio subiu bonito para cabecear e fazer o quinto gol dele no Nacional.

O Atlético-MG, então de Vanderlei Luxemburgo, vive fase difícil, mas tem valores. Réver, zagueiro convocado para a Seleção Brasileira, Diego Tardelli, Obina, Daniel Carvalho. O gol sofrido não abateu o Galo. O time respirou fundo, botou a bola no círculo central e foi buscar o empate. Em jogada individual na entrada da área, Daniel Carvalho sofreu falta e cobrou aos 19. O camisa 10 colocou no canto direito de Rafael, que pulou atrasado e não conseguiu alcançar: 1 a 1.

Com dificuldade para chegar ao gol atleticano na base do toque de bola, os tricolores começaram a arriscar. Em três chutes seguidos de longe, voltou a ficar na frente. Rodriguinho bateu para fora, Conca parou no goleiro, Carlinhos foi à rede. Pela esquerda, o lateral cortou para o meio e disparou. Fábio Costa aceitou, aos 35.

Apesar da vantagem, o Flu foi melhor também na segunda etapa, tentou liquidar a parada. Os mineiros tinham um Diego Souza em câmera lenta, com Daniel Carvalho e Tardelli discretos. Neto Berola entrou no lugar do volante Serginho para tentar dar vida ao ataque. Só botou correria. E a situação do Galo piorou quando Alê derrubou Rodriguinho aos 17 minutos, recebeu o segundo amarelo e foi expulso. Dois minutos depois da expulsão, o Alvinegro sofreu um golpe do qual não iria se recuperar. Mariano cruzou para a área, e o zagueiro Gum cabeceou para baixo e fez o terceiro. Aos 30, mais uma vez um defensor, novamente o lateral esquerdo. Washington tabelou com Carlinhos, que fez fila e marcou um belo gol, o seu segundo da noite: 4 a 1.

O Galo foi à lona, não havia mais o que fazer. Se entrou para ser solução, Diego Souza só conseguiu piorar o cenário quando fez falta dura e desnecessária em Carlinhos. E foi merecidamente expulso. Um cartão vermelho melancólico para aquele que é tratado como a maior contratação atleticana na temporada. E o ex-jogador do Flu nem viu o seu atual time levar o quinto gol, aos 46, de Marquinho, que substituiu o aplaudido Conca. Fluminense 5 x 1 Atlético/MG.

Com a vitória folgada, o Fluminense chega a 45 pontos, tira a vice-liderança das mãos do Cruzeiro, a coloca embaixo do braço e vai atrás do Corinthians, que tem 47 (com um jogo a menos). Após a partida, o presidente do Atlético/MG Alexandre Kalil demitiu o treinador Vanderlei Luxemburgo, que anunciou a própria demissão durante a entrevista coletiva. No outro jogo que fechou a rodada 24 na noite de quinta-feira, o Vitória atropelou os catarinenses do Avaí, no Barradão.

Rodada 24
Quarta, 22/09/2010
| Engenhão
Vasco 2 x 2 Botafogo
| Serra Dourada
Goiás 1 x 3 Atlético/GO
| Vila Belmiro
Santos 2 x 3 Corinthians
| Morumbi
São Paulo 2 x 1 Guarani
| Arena da Baixada
Atlético-PR 1 x 0 Inter
| Arena do Jacaré
Cruzeiro 2 x 0 Ceará
| Olímpico
Grêmio 2 x 2 Flamengo
| Eduardo Farah
Grêmio Prudente 0 x 1 Palmeiras

Quinta, 23/09/2010
| Engenhão
Fluminense 5 x 1 Atlético/MG
| Barradão
Vitória 3 x 0 Avaí

1 Corinthians 47
2 Fluminense 45
3 Cruzeiro 44
4 Botafogo 39
5 Inter 38
6 Atlético/PR 37
7 Santos 35
8 São Paulo 34
9 Palmeiras 32
10 Vitória 31
11 Grêmio 30
12 Ceará 30
13 Guarani 30
14 Vasco 30
15 Flamengo 28
16 Avaí 25
17 Atlético/GO 23
18 Goiás 21
19 Atlético/MG 21
20 Prudente 17

Mano também deixa Neymar de castigo…


No final da manhã dessa quinta-feira, o técnico Mano Menezes anunciou mais uma lista de convocados, dessa vez para dois amistosos a serem realizados no início do mês de outubro. Nem a data oficial, nem os adversários não estão definidos ainda, mas os jogos serão realizados entre os dias 6 e 13 de outubro, já que se trata de uma data oficial da Fifa. E, mais uma vez, Mano surpreendeu no seu anúncio, chamando alguns jogadores que ainda não haviam atuado com a camisa da Seleção Brasileira, como é o caso do goleiro do Atlético/PR Neto, o lateral do Fluminense Mariano, o corintiano Elias e o ex-santista Wesley. Mas a grande surpresa mesmo foi a ausência do garoto Neymar, envolvido em uma série de polêmicas no Santos, que culminaram até na demissão do treinador Dorival Júnior.

Goleiros
Victor (Grêmio)
Jefferson (Botafogo)
Neto (Atlético/PR)

Laterais
Daniel Alves (Barcelona-ESP)
Mariano (Fluminense)
André Santos (Fenerbahce-TUR)
Adriano (Barcelona-ESP)

Zagueiros
David Luiz (Benfica-POR)
Alex (Chelsea-ING)
Thiago Silva (Milan-ITA)
Rever (Atlético/MG)

Volantes
Lucas (Liverpool-ING)
Ramires (Chelsea-ING)
Sandro (Tottenham-ING)
Elias (Corinthians)

Meias
Carlos Eduardo (Rubin Kazan-RUS)
Wesley (Werder Bremem-ALE)
Phillipe Coutinho (Inter de Milão-ITA)
Giuliano (Internacional)

Atacantes
Alexandre Pato (Milan-ITA)
Robinho (Milan-ITA)
André (Dínamo Kiev-UCR)
Nilmar (Villareal-ESP)

Nem Neymar salva…

GLOBOESPORTE.COM

No encontro entre a crise e a estabilidade, a boa fase do Corinthians levou a melhor diante do momento turbulento do Santos. Com sua maior estrela em campo depois da confusão que culminou na demissão do técnico Dorival Júnior, o Peixe esteve duas vezes em vantagem no placar, mas permitiu que o Timão igualasse e virasse o marcador, saindo da Vila Belmiro ainda mais fortalecido na briga pelo título do Campeonato Brasileiro.

O Santos deixou de lado toda a confusão que se instalou no clube durante os últimos dias para pressionar o Corinthians desde o início do jogo. Acostumado a sufocar os adversários no Pacaembu, o Timão provou do próprio veneno na Vila Belmiro. O zagueiro Durval, logo no primeiro minuto, pegou rebote na área após escanteio e colocou o Peixe em vantagem com uma bomba indefensável para Julio Cesar.

Com o meio de campo avançado, o Santos marcou forte e atrapalhou a saída de bola da defesa rival. Mas, vagarosamente, o Corinthians se acalmou, encaixou a marcação de Boquita sobre Neymar e liberou Jucilei para encostar na frente. E deu certo. Aos sete minutos, o volante passou por dois adversários, abriu a defesa e tocou para Iarley, livre na área, empatar.

A igualdade deu ao Corinthians o controle do jogo. Até aos 20 minutos, o Timão tinha 58% de posse de bola e não permitia que o Santos voltasse a pressionar. Boquita era o principal responsável por isso com um ótimo aproveitamento defensivo. Mesmo atuando fora de posição, fez nada menos que nove desarmes durante o primeiro tempo. Faltava brilhar a estrela de Neymar. Até então aberto pela esquerda, o jovem craque arriscou algumas jogadas de efeito, mas sem muito sucesso. Aos 26, contudo, o atacante fez a torcida esquecer todos os problemas com o técnico Dorival Júnior. Com a colaboração do goleiro corintiano, é bem verdade. Ele não segurou chute rasteiro de Marcel e soltou a bola nos pés do garoto, que apenas empurrou para as redes, fazendo explodir a Vila mais famosa do mundo.

O Corinthians não desistiu. Sem mostrar desespero em nenhum momento, o Timão continuou trocando passes até encontrar o momento certo de igualar novamente o placar, aos 42. Elogiado, o meio de campo paulistano foi determinante para o empate. Elias penetrou entre os zagueiros, recebeu belo passe de Bruno Cesar e tocou no canto no canto esquerdo de Rafael.

O Timão continuou melhor no segundo tempo. Jorge Henrique, Iarley e Bruno César trocaram constantemente de posição e confundiram a defesa santista. O Peixe, aliás, não se encontrou. Marquinhos e Alex Sandro pouco produziram no meio de campo e ficaram presos na marcação. Adilson Batista apostou nas saídas de Boquita e Bruno César para as entradas de Moacir e Danilo, respectivamente. No Santos, o interino Marcelo Martelote sacou Alex Sandro e colocou Alan Patrick. Melhor para o Corinthians, que virou o jogo pouco tempo depois, aos 24, com Paulo André, de cabeça, desviando cruzamento de Danilo. O meia estava em posição irregular no momento do levantamento.

A tão esperada pressão do Santos não aconteceu depois da virada. O Peixe mostrou pouca força para encurralar novamente o Corinthians e passou a apostar apenas na velocidade de Madson e em jogadas de efeito de Neymar. Léo, aos 36, chegou a empatar, mas a arbitragem marcou impedimento após desvio de Marcel. Foi o máximo que o Santos conseguiu. Nos minutos finais, o Corinthians continuou tocando a bola pacientemente e a Fiel, que lotou o espaço reservado a ela na Vila, gritando “olé”. E o título está mais próximo do Parque São Jorge. Santos 2 x 3 Corinthians. Com o resultado, o Corinthians se consolida na liderança do torneio com 47 pontos contra 44 do vice-líder Cruzeiro. De quebra, o Alvinegro do Parque São Jorge ainda tem um jogo a menos – pega o Vasco, dia 13 de outubro, em São Januário. Na próxima rodada, o Santos enfrenta o Cruzeiro, sábado, às 18h30m, na Arena Barueri, na Grande São Paulo. Já o Corinthians visita o Internacional, domingo, às 16h, no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre.

Nos outros jogos da quarta-feira, o Palmeiras sofreu, mas bateu o lanterna Grêmio Prudente pela vantagem mínima. Em Sete Lagoas, o Cruzeiro assumiu a vice-liderança do Brasileirão ao superar o Ceará por 2 a 0. O clássico carioca no Engenhão, terminou empatado. Vasco 2, Botafogo também 2. E no Morumbi, o São Paulo também ralou, mas saiu vitorioso diante do Guarani. 2 a 1, com gols de Marlos e Ricardo Oliveira.

Anúncios