Arquivo para 6 de agosto de 2010

Ricardo Gomes e Hernanes fora do São Paulo!!!

Carolina Elustondo e Marcelo Prado
GLOBOESPORTE.COM

Um ano e dois meses após ser contratado para substituir Muricy Ramalho, que caiu após a eliminação da equipe na Taça Libertadores de 2009, Ricardo Gomes sofreu do mesmo veneno e não é mais o técnico do São Paulo.

O treinador teve seu contrato encerrado após a eliminação da equipe na semifinal do torneio sul-americano na última quinta-feira e a diretoria, após uma reunião na manhã desta sexta-feira, preferiu não renová-lo por mais uma temporada. O treinador estava pendurado há tempos no clube. Na véspera da fase de quartas de final da Libertadores, contra o Cruzeiro, chegou a cogitar-se a sua demissão. Na época, Sérgio Soares, que havia conquistado o vice-campeonato paulista com o Santo André, foi procurado para ser o substituto. Mas, como o time despachou o rival mineiro com autoridade na competição sul-americana, Gomes ganhou uma sobrevida. Porém, com o retorno do Campeonato Brasileiro, após a Copa do Mundo, a pressão voltou forte em cima do treinador. Após quatro semanas de treinamento, o time disputou 15 pontos no Nacional e conquistou apenas quatro.

Ricardo Gomes comandou a equipe em 73 partidas. Teve um aproveitamento de 58,9% dos pontos conquistados, com 38 vitórias, 15 empates e 20 derrotas. Sua estreia ocorreu no dia 27 de junho de 2009, na vitória por 2 a 0 sobre o Náutico, no estádio do Morumbi. Na ocasião, o time era o 16º no Campeonato Brasileiro e Ricardo levou o time às primeiras colocações, brigando pelo título até a última rodada, terminando em terceiro lugar, garantindo uma vaga na Libertadores. Neste domingo, contra o Atlético Paranaense, pelo Campeonato Brasileiro, a equipe será dirigida internamente por Sergio Baresi, treinador dos juniores, que venceu a Copa São Paulo no início da temporada 2010.

E como desgraça pouca é bobagem…A saída de Hernanes para o Lazio já estava apalavrada. Mas, nesta sexta-feira, a diretoria anunciou oficialmente a transferência do volante para o futebol italiano. A cúpula tricolor aguardava apenas o fim da participação do time na Taça Libertadores para tornar público o acerto.

A diretoria não confirmou valores, mas a negociação que tirou Hernanes do Morumbi gira em torno de dez milhões de euros (R$ 23 milhões), dos quais 75% (R$ 17 milhões) ficam para o São Paulo, e 25% (R$ 6 milhões), para Hernanes e seus investidores. O clube italiano fará o pagamento em duas parcelas: uma agora, e a outra em dezembro. Hernanes disputou 215 jogos com a camisa do São Paulo e marcou 35 gols. O Lazio já conta com o ex-zagueiro tricolor André Dias, que deve ajudar Hernanes a se adaptar rapidamente ao novo clube. E, na próxima semana, o camisa 10 vai voltar a vestir a camisa da Seleção Brasileira no amistoso contra os Estados Unidos, no dia 10 (terça-feira), em New Jersey, sob o comando de Mano Menezes.

Inter se garante no Mundial…

Alexandre Alliatti, Carolina Elustondo, Leandro Canônico e Marcelo Prado
GLOBOESPORTE.COM

Goleiros sãopaulinos choram a eliminação


Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, é longe, bem longe do Brasil. Mas os torcedores do Inter podem dizer, de peito cheio, que é logo ali. Afinal, na noite desta quinta-feira, o time gaúcho assegurou vaga no Mundial de Clubes de 2010 e vai lutar pelo bi do planeta. Diferentemente da primeira partida, em Porto Alegre, nesta noite deu gosto de ver a semifinal da Libertadores. Os dois times atacaram, criaram chances e fizeram um espetáculo digno do tamanho de Tricolor e Colorado. Algo que por culpa do São Paulo não aconteceu no duelo do Beira-Rio. Lá, o time de Ricardo Gomes foi covarde, não se arriscou e saiu no lucro perdendo apenas por um gol.

Dessa vez o São Paulo atacou. Empurrado por sua torcida e pela necessidade de dois gols para sonhar com a final da Libertadores, os donos da casa não pouparam esforços para levar perigo ao Inter. Mas o time Colorado também atacou. E sempre com perigo. Afinal, o toque de bola é uma de suas principais armas. Sem ligar para as sonoras vaias dos tricolores e para as quase 50 mil bandeirinhas balançando no estádio do Morumbi, o Inter exerceu uma forte marcação sobre o São Paulo. Mas os paulistas ignoraram. Como se estivessem jogando a vida, os atletas dividiam cada bola como se fosse a última. Bem diferente do jogo anterior.

O jogo era lá e cá. Enquanto o São Paulo atacava com rapidez e raça, o Inter respondia com toque de bola e frieza. E o time da casa conseguiu alcançar metade do objetivo aos 30. Hernanes cobrou falta para a área, Renan falhou de maneira bisonha e Alex Silva marcou de cabeça: 1 a 0 São Paulo. O lance certamente fez os são-paulinos lembrarem a falha de Ceni na final da Libertadores de 2006, contra o próprio Inter, e sentirem um gostinho de “vingança”.

Ao som de “frangueiro, frangueiro, frangueiro” para o goleiro Renan, o Inter voltou para a etapa final sem alterações. Assim como o São Paulo. Mas a resposta da torcida colorada à tricolor foi com grito de gol. Logo aos seis minutos, D’Alessandro cobrou falta, Alecsandro desviou e não deu chance para Rogério Ceni.

Mas quem pensou que o São Paulo sentiria o gol de empate estava enganado. Em dois minutos, o time do Morumbi manteve as esperanças de sua torcida. Após lançamento de Jean para a área, Renan saiu de soco. Mas na sobra, Cleber Santana dividiu e colocou Ricardo Oliveira na cara do gol. E ele foi matador: 2 a 1, aos 8 minutos.

Apesar da vitória parcial do Tricolor, o resultado era do Colorado, que venceu por 1 a 0 no Beira-Rio. Para ir à final, os donos da casa precisavam de mais um gol. Só que os gaúchos têm um time incrível, extremamente competitivo. O jogo estava difícil para o São Paulo. Mas o Inter ajudou. Na verdade, Tinga ajudou. Assim como em 2006, na segunda final entre as equipes, ele foi expulso. Cometeu falta por trás em Junior Cesar e, como já tinha o amarelo, levou o segundo e em seguida o vermelho. Com um a mais, Ricardo Gomes encheu o time de atacantes, Rogério Ceni foi para a área… Mas não deu. São Paulo 2 x 1 Internacional.

Ao menos a torcida reconheceu a vontade tricolor com aplausos e ovacionou principalmente Ceni, que deixou o campo chorando. Mas o Morumbi foi mesmo dos colorados no fim do jogo. Com a vitória, o Inter garantiu presença no Torneio Mundial de Clubes, em Dubai, nos Emirados Árabes, vai ao torneio porque na final da Libertadores vai encarar o mexicano Chivas. Como pertence à Concacaf, o clube de Guadalajara não pode disputar a competição no lugar de um sul-americano. A primeira partida da final da Libertadores será na próxima quarta-feira, no México. Depois, no dia 18, o Inter recebe o rival no Beira-Rio.