Arquivo para julho \29\+00:00 2010

SP ainda vivo… (e no lucro…)

Alexandre Alliatti e Leandro Canônico
GLOBOESPORTE.COM


Em outros tempos, Internacional e São Paulo mostravam muito mais criatividade do que atualmente. Uma pena. Até porque a semifinal da Libertadores, iniciada na última quarta-feira, no Beira-Rio, merecia mais momentos brilhantes. Na etapa inicial, pelo Colorado, Andrezinho e D’Alessandro tentaram mais, é verdade. Mas do lado tricolor, Hernanes e Marlos foram nulos.

O que compensou a falta de ação do São Paulo foi o sistema defensivo. Miranda e Alex Silva, auxiliados por Richarlyson e Rodrigo Souto, foram seguros nos poucos ataques do Inter. Poucos porque D’Alessandro não conseguia colocar os atacantes em condição de gol, e Andrezinho, ajudando na marcação, bateu mais escanteio do que criou. A mesma coisa aconteceu com Hernanes. Teoricamente o cérebro da equipe do Morumbi, o camisa 10 correu o campo todo para auxiliar na marcação, mas quando tinha de pensar… Marlos, por sua vez, parecia estar estreando. Nervoso, se atrapalhou com a bola, prendeu-a demais e errou muitos passes.

Os torcedores do Inter pelo menos viram passes de calcanhar de D’Alessandro e uma vontade maior de Andrezinho. Nada, porém, suficientemente bom para fazer o Colorado ficar em vantagem. E para o segundo tempo, o “profeta” Hernanes fez a previsão. E nela, o time gaúcho teria problemas.

Mas o Colorado não cansou. Pelo contrário, se renovou. Os donos da casa voltaram para o segundo tempo sufocando o São Paulo em seu campo de defesa. D’Alessandro, mais inspirado, caiu pela esquerda e infernizou o Tricolor. Mas foi Giuliano quem decidiu para o Inter. Ele entrou no lugar de Andrezinho, aos 19. Três minutos depois, o meia recebeu de Alecsandro, girou e bateu no canto direito de Rogério Ceni. Sem chance.

A entrada de Giuliano deu outra cara para o meio campo colorado. O Internacional só não construiu uma goleada porque o camisa 1 do rival estava inspirado, fazendo defesas sensacionais desde o primeiro tempo, e porque a pontaria também não ajudou. O São Paulo, que tentou algo diferente apenas depois que estava em desvantagem. Antes, o time de Ricardo Gomes estava “acéfalo”. Hernanes pouco fez. Marlos, escondido, saiu para a entrada de Fernandinho, que também não fez muito. Ricardo Oliveira ainda reestreou no lugar de Dagoberto por volta do vigésimo oitavo minuto da segunda etapa. Enfim, o Tricolor se escondeu no jogo e até saiu no lucro. Inter 1 x 0 São Paulo.

O jogo de volta entre as duas equipes brasileiras, pelas semifinais da Libertadores, será na próxima quinta-feira, às 21h50m, no estádio do Morumbi. O Inter joga pelo empate. Vitória tricolor por 1 a 0 leva a decisão para os pênaltis. Se o Colorado anotar um gol, o São Paulo precisa fazer dois de diferença.
Na outra partida semifinal do torneio, o Universidad Chile foi até o México, ficou no 1 a 1 diante do Chivas Guadalajara e agora joga por um empate sem gols para se classificar para a final.

Marquinhos salva a pele de Neymar…

Adilson Barros, Julyana Travaglia e Diego Ribeiro
GLOBOESPORTE.COM

Um jogo emocionante, tenso, com o Santos pressionando muito, perdendo gols incríveis, mas derrotando o Vitória na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pelo primeiro duelo das finais da Copa do Brasil. O time baiano poderia até ter dado adeus ao título já nessa primeira partida, tamanha a superioridade santista, mas tem de agradecer o fato de os alvinegros não estarem com a pontaria em dia. E também ao goleiro Lee, que fez defesas incríveis, principalmente nos minutos finais.

Foram 21 finalizações, sendo 16 daquelas que podem ser consideradas chances claras de gol. A pressão imposta pelo Santos desde o momento em que o árbitro Leonardo Gaciba apitou o início do jogo foi tão intensa que o Vitória aguentou apenas 14 minutos. A proposta de jogo do Peixe era sufocar o adversário, marcando as saídas de bola. Aos 11, Ganso cobrou uma falta de canhota e acertou o pé direito da trave defendida por Lee. Aos 14, não deu para o time baiano segurar: Pará cruzou da direita, André não alcançou e Neymar apareceu para marcar, de barriga, seu 11º gol na Copa do Brasil. Ele é o artilheiro da competição.

O Vitória tentava tocar a bola para controlar o ímpeto do Santos, mas a marcação santista era forte. Quando conseguiu acertar a troca de bolas, o Leão se aproximou da área e até teve algumas faltas laterais para cobrar. Esse tipo de jogada foi treinada durante a semana, mas, pelo menos no primeiro tempo, os batedores falharam e não conseguiram ameaçar Rafael. Passada a metade da etapa inicial, o Santos diminuiu o seu ritmo, e o Vitória passou a ter mais a bola. A entrada do volante Bida no lugar de Rafael Cruz, machucado, melhorou o toque do Vitória. Bida, que passou pelo Peixe, entrou no meio, e Neto Coruja passou para a lateral. Mas isso não foi suficiente para que o Leão ameaçasse efetivamente o gol santista.

O jogo recomeçou após o intervalo com o Santos numa pressão ainda maior que a do primeiro tempo. Muito mais rápido, mais bem posicionado, trocando passes insinuantes, o Peixe acuou o Leão, que ficou preso dentro de sua área sendo bombardeado. Mas todo esse domínio não significou gols. O melhor ataque da Copa do Brasil falhava na hora H.

Aos 27, a chance definitiva. Neymar embaralhou as pernas à frente de Wallace e sofreu o pênalti. Na batida, o garoto abusou. Tentou dar uma cavadinha à la Loco Abreu e a bola foi mansa, lenta, recuada para o goleiro Lee, que não se mexeu.

A torcida do Santos, enfurecida, passou a vaiar Neymar. Para aumentar ainda mais a irritação dos torcedores, Dorival Júnior tirou Robinho e Ganso do time, para as entradas de Zé Eduardo e Marquinhos, respectivamente. Os santistas não perdoaram e passaram a chamar o treinador de “burro”. No entanto, Dorival mostrou ter sorte. Em seu primeiro lance, aos 38, Marquinhos acertou uma bela cobrança de falta e, enfim, fez o tão sofrido segundo gol santista. Festa da torcida, que comemorou após muito sufoco. Santos 2 x 0 Vitória.

O jogo de volta será na próxima quarta-feira, no Barradão, em Salvador. Agora, o Peixe conquista o título mesmo perdendo por um gol de diferença ou até por dois a partir de 3 a 1 . Ao Vitória resta ganhar em casa por três gols de diferença ou devolver os 2 a 0 e levar a decisão para os pênaltis.

Uns vão, outros chegam…

Ao mesmo tempo que perdeu um atacante, já que Washington acertou seu retorno ao Fluminense, o São Paulo já aproveitou e apresentou um reforço muito importante para essa reta final de Libertadores e também para o Brasileirão. Trata-se de Ricardo Oliveira. Se W9 volta para o Flu, Ricardo está de volta ao Morumbi para ajudar o Tricolor a conquistar seu quarto título continental.

Primeira entrevista de Oliveira com Leco, vice de futebol(esq) e João Paulo de Jesus Lopes, diretor de futebol

O atacante, que fez parte da campanha do vice-campeonato da Libertadores de 2008, firmou acordo de empréstimo até dezembro, com opção de renovação, se apresentou na tarde dessa terça-feira e já se colocou a disposição do técnico Ricardo Gomes para o confronto diante do Inter pela semifinal. Inclusive, o atleta viajou com o grupo e deve iniciar no banco o jogo dessa quarta.

“Se o treinador disse que existe essa chance é porque viu a forma como me comportei durante a semana com os companheiros nos treinos. Estou à disposição para ajudar o time, jogando ou não. Vou incentivar o grupo, que é muito forte. Não existe dor, existe apenas uma necessidade do lado físico para aprimorar a forma. Fiz coletivo, treinei com bola e estou à disposiçãoEm duas finais de Libertadores eu bati na trave. Ter um vice-campeonato foi importante, mas não marca, porque o que marca é ser campeão. Agora tenho uma terceira chance de, com os meus companheiros e com o apoio da diretoria e da torcida, conseguir esse tão esperado título pelo lado pessoal e para a torcida do São Paulo.”

De Tricolor pra Tricolor…

Por fim, o atacante Washington sai do São Paulo. O confronto diante do Santos, no qual o atacante começou no banco, e entrou por volta dos 30 minutos da etapa final, o que já havia se tornado bastante comum no time de Ricardo Gomes, foi o último do ‘Coração Valente’ com a camisa do Tricolor paulista. Paulista. Porque o destino do camisa 9 é velho conhecido dele, e justamente outro tricolor, o carioca.

Washington, artilheiro do São Paulo na Libertadores com cinco gols, nem viajou para Porto Alegre com o restante do elenco para a disputa do jogo de ida da semifinal diante do Inter. Ele já vai diretamente para o Rio de Janeiro, onde realiza exames médicos para, então, assinar contrato com o Flu. Segundo o empresário do atleta, Gilmar Rinaldi, Washington deve se apresentar nas Laranjeiras já nessa quarta-feira, onde voltará a trabalhar com o técnico Muricy Ramalho. Já que o centroavante perdeu espaço no time do Morumbi, principalmente após a chegada de Fernandão, resta saber como será a disputa com Emerson, Rodriguinho e, principalmente, com Fred pela titularidade. No Fluminense, Washington foi vice-campeão da Libertadores de 2008, eliminando justamente o São Paulo nas Quartas.

O ‘Mago’ voltou…

Na noite dessa segunda-feira, o Palmeiras anunciou, por meio de seu site oficial, que o ‘mago’ Valdivia está de volta. Segundo a noticia, a diretoria de futebol e seus representantes finalmente conseguiram a liberação do jogador junto ao Al Ain, dos Emirados Árabes, e o chileno, que disputou a Copa do Mundo de 2010, na África, estará de volta em breve.

Segundo o presidente palmeirense, Luis Gonzaga Belluzzo, Valdivia acertou contrato de cinco anos e deve ser apresentado dentro de dez dias. Para a chegada do camisa 10, é esperada uma apresentação especial, com uma grande festa, assim como foi nas chegadas recentes de Kléber e Luiz Felipe Scolari. Após dois anos atuando no futebol árabe, o ídolo verde retorna ao time de Palestra Itália, onde chegou em 2006 e conquistou o Campeonato Paulista em 2008, mesmo ano em que se despediu do clube no segundo semestre. O chileno atuou em 93 partidas pelo Palmeiras e marcou 24 gols.

Os primeiros manos do Mano…

 

A convocação original. Pela primeira vez, o técnico Mano Menezes, vestido de um bonito terno e uma bela gravata, se sentou ao lado de Ricardo Teixeira em coletiva realizada em Copacabana, no Rio de Janeiro, e convocou 24 jogadores para o amistoso diante dos Estados Unidos, dia 10 de agosto, em Nova Jérsei. Como era de se esperar, muitas surpresas, poucos jogadores que estavam na lista de Dunga para a última Copa do Mundo (apenas 4) e muitas caras novas, que prometem mostrar muita disposição à serviço da Seleção Brasileira. Podemos dizer que as maiores surpresas, embora todos já imaginavam que seriam muitas as novidades nessa convocação, afinal dos convocados, 11 foram chamados pela primeira vez para a Seleção principal, mas chamou mais a atenção os nomes do goleiro botafoguense Jefferson e do jovem goleiro Renan(19 anos), do Avaí, além do volante Jucilei, que não é titular absoluto no Corinthians, até aqui treinado pelo próprio Mano Menezes.

Goleiros
Victor (Grêmio)
Jefferson (Botafogo)
Renan (Avaí)

 

 

Laterais
Daniel Alves (Bracelona/ESP)
Rafael (Manchester United/ING)
André Santos (Fenerbahce/TUR)
Marcelo (Real Madrid/ESP)

Zagueiros


David Luís (Benfica/POR)
Thiago Silva (Milan/ITA)
Henrique (Racing Santander/ESP)

Rever (Atlético-MG)                                               

Volantes
Sandro (Inter-RS)
Hernanes (São Paulo)
Jucilei (Corinthians)
Lucas (Liverpool/ING)

Meias
Ramires (Benfica/POR)
Paulo Henrique Ganso (Santos)
Carlos Eduardo (Hoffeinheim/ALE)
Ederson (Lyon/FRA)

Atacantes
Robinho (Santos)
Neymar (Santos)
André (Santos)
Alexandre Pato (Milan/ITA)
Diego Tardelli (Atlético-MG) 

Mano chamou 24 atletas porque vai cortar Hernanes ou Sandro, dependendo do resultado do duelo entre São Paulo e Internacional, pela semifinal da Copa Libertadores. A apresentação da seleção para o amistoso será no dia 8 de agosto.

Participe!

Seja Mano por um dia!
Aproveitando essa nova fase da Seleção Brasileira, onde muito se fala em renovação e novas caras vestindo a camisa amarelinha, gostaria de convocar a participação dos apaixonados por futebol e pelo futebol brasileiro a darem os seus palpites através do nosso Sensacionalfc. Iniciando com a minha, proponho que deixem recados com os nomes que deveriam ser chamados pelo técnico Mano Menezes nessa primeira convocação e para a sequencia do trabalho realizado, visando a Copa do Mundo de 2014. Não deixem de participar! A convocação de Mano será na tarde dessa segunda-feira, mas participe antes, durante e depois, para sabermos quem são os favoritos do pessoal para representar o Brail daqui em diante.
Desde já agradeço a todos…
Forte Abraço!!!

Goleiros
Fábio (Cruzeiro)
Victor (Grêmio)

Laterais
Rafinha (Schalke 04/ALE)
Patric (Avaí)
Marcelo (Real Madrid/ESP)
Roberto Carlos (Corinthians)

Zagueiros
Edu Dracena (Santos)
David Luís (Benfica/POR)
Thiago Silva (Milan/ITA)
Chicão (Corinthians)

Volantes
Lucas (Liverpool/ING)
Cristian (Fenerbahce/TUR)
Arouca (Santos)
Elias (Corinthians)

Meias
Paulo Henrique Ganso (Santos)
Diego (Juventus/ITA)
Douglas (Grêmio)
Alex (Shaktar Donetsk/UCR)

Atacantes
Dentinho (Corinthians)
Fred (Fluminense)
Kléber (Palmeiras)
Robinho (Santos)

por Lucas Basílio.

Obrigado, Mano!

GLOBOESPORTE.COM

Rumo à Seleção Brasileira, Mano Menezes se despediu do Corinthians com o sentimento de dever cumprido. Em quase três anos no Parque São Jorge, o treinador gaúcho conquistou três títulos, ganhou a admiração de jogadores e dirigentes e caiu nas graças da Fiel. Na noite deste domingo, sob aplausos e ovacionado por quase 25 mil torcedores, o técnico obteve sua 103ª vitória no comando alvinegro, sobre o Guarani, no Pacaembu, recolocando o Timão na liderança do Campeonato Brasileiro.

O Corinthians começou a partida com a intenção de presentear Mano Menezes e a torcida com uma grande exibição. Com muita vontade e jogando em velocidade, o Timão encurralou o Guarani no campo de defesa e não demorou a marcar. Logo no primeiro minuto, Bruno César cobrou escanteio pela direita, William desviou para trás e o baixinho Jorge Henrique apareceu na pequena área entre os zagueiros para colocar o Alvinegro em vantagem.

O gol deu mais tranquilidade para o Corinthians tocar a bola e continuar jogando no campo do adversário. Apesar do domínio, Bruno César, único armador de ofício, ficou preso na marcação e não conseguiu criar grandes oportunidades. Jorge Henrique era o melhor alvinegro, principalmente quando caía pelo lado esquerdo para tabelar nas descidas de Roberto Carlos. Por outro lado, com Paulinho, Jucilei e Elias no meio, o Timão ganhou mais mobilidade, mas perdeu poder de marcação. E foi justamente por este setor que o Guarani passou a assustar.

Mano Menezes corrigiu o problema ao fixar Jucilei mais atrás, próximo aos zagueiros. Sem sustos, o Corinthians voltou a dominar, porém, sem responder no campo ofensivo. Alessandro pouco apareceu na frente, enquanto Roberto Carlos quase não desceu devido à presença de Mazola em suas costas. Jorge Henrique caiu de rendimento e Dentinho e Bruno César quase nada fizeram para incomodar.

Na etapa complementar, o Corinthians reapareceu em ritmo cadenciado, esperando o Guarani procurar o campo ofensivo. E os campineiros realmente o fizeram criando chances de gol uma atrás da outra, encurralando os donos da casa em seu setor de defesa. Aos 18 minutos, em lançamento nas costas de Roberto Carlos, Mazola recebeu na área e teve tranquilidade para tocar na saída de Julio Cesar. 1 a 1. No reinício, a situação do Corinthians se complicou. Dentinho deu uma cotovelada em Mário Lúcio na linha lateral e foi expulso pela arbitragem. Pouco tempo depois, foi a vez dos campineiros ficarem com um a menos. Aílson dividiu com Jorge Henrique em um jogada no meio de campo e também recebeu o cartão vermelho.

Sem jogar bem, o Corinthians chegou ao gol graças ao talento de Bruno César. Aos 33 minutos, o meio-campista cobrou falta com precisão no canto esquerdo de Douglas e levou a Fiel ao delírio. Praticamente ao mesmo tempo, no Rio de Janeiro, o Botafogo igualou o clássico contra o Fluminense, resultado que recolocava o Timão na ponta da tabela. Festa maior ainda no Pacaembu quando o sistema de som do estádio anunciou o gol na Cidade Maravilhosa.

O Guarani tentou voltar a sufocar, mas não conseguiu. Empurrado pela torcida, o Corinthians administrou o jogo e chegou ao terceiro gol, aos 39. Roberto Carlos fez boa jogada pela esquerda e cruzou. A bola passou por toda a área e sobrou na segunda trave para Bruno César empurrar. Na comemoração, muitos abraços em Mano Menezes, que deu uma volta olímpica no gramado recebendo aplausos da torcida corintiana. Corinthians 3 x 1 Guarani.

“Comemoramos muita coisa juntos, e agora é hora de dar tchau e até breve. No futebol, é sempre bom deixar as portas abertas e caminhar para a frente. Se caminhar para frente for voltar para o Corinthians, eu voltarei.”

Mano Menezes deixa o Corinthians com saldo positivo, apesar da perda recente da tão esperada Libertadores. Foram 185 partidas, 103 vitórias, 49 empates e 33 derrotas. Fim de um ciclo vitorioso com direito a volta olímpica no gramado para se despedir da Fiel e o início de uma grande responsabilidade para o substituto que já se apresenta nessa terça-feira. Adilson Batista firmou acordo até dezembro de 2011 e chega com a missão de manter o clube no caminho do quinto título nacional.

Nos outros jogos da décima primeira rodada, Felipão completou o seu terceiro jogo à frente do Palmeiras e o terceiro jogo sem vitória. E destaque para os clássicos. No Rio de Janeiro, Muricy Ramalho não só perdeu sua chance de treinar a Seleção Brasileira, como também perdeu a liderança do campeonato. Em clássico tumultuado no Engenhão, o Fluminense acabou empatando com o Botafogo e caiu para segundo. Em Santos, o time de Dorival Júnior voltou a vencer, e foi para cima de um contestado São Paulo. Se bem que Ricardo Gomes, mesmo balançando no cargo, resolveu entrar com time inteiro reserva, apenas com Rogério Ceni de titular. Resultado: com direito a gol contra do zagueiro Renato Silva, 1 a 0 para os santistas, que também não entraram com força máxima, mas ao menos levaram a campo Ganso e Neymar.

Rodada 11
Sábado, 24/07/2010
| Eduardo Farah
Grêmio Prudente 0 x 0 Vitória
| São Januário
Vasco 2 x 0 Atlético-GO
| Ressacada
Avaí 0 x 0 Atlético-MG

Domingo, 25/07/2010
| Vila Belmiro
Santos 1 x 0 São Paulo
| Arena do Jacaré
Cruzeiro 2 x 2 Grêmio
| Beira Rio
Internacional 1 x 0 Flamengo
| Serra Dourada
Goiás 0 x 2 Atlético-PR
| Engenhão
Botafogo 1 x 1 Fluminense
| Pacaembu
Corinthians 3 x 1 Guarani
| Castelão
Ceará 0 x 0 Palmeiras

1 Corinthians 24
2 Fluminense 23
3 Ceará 20
4 Inter 19
5 Avaí 16
6 Cruzeiro 16
7 Flamengo 16
8 Santos 15
9 Vitória 14
10 Palmeiras 14
11 Prudente 14
12 Guarani 14
13 Atlético/PR 13
14 Vasco 13
15 São Paulo 12
16 Goiás 12
17 Botafogo 12
18 Grêmio 11
19 Atlético/MG 10
20 Atlético/GO 7

Agora é definitivo…Mano Menezes é o novo técnico da Seleção Brasileira!!!

Por fim, temos um técnico confirmado para a Seleção Brasileira. Não se importando em ser a ‘segunda opção’, Mano Menezes confirmou em entrevista coletiva na manhã de sábado, no Parque São Jorge, que aceitou o convite feito nessa sexta-feira á noite e é o novo técnico da Seleção.

Depois da recusa do Fluminense e a consequente desistência de Muricy Ramalho, Mano não declinou da proposta e será o substituto de Dunga, tendo como grande objetivo a preparação da equipe brasileira para a Copa de 2014, da qual seremos anfitriões. Além da primeira mensagem, na qual confirma que aceitou o convite do presidente da CBF Ricardo Teixeira (no vídeo acima), Mano também falou a respeito de ser convidado apenas depois de Muricy Ramalho, se ele não teria se sentido preterido por não receber o convite incialmente.

“Muito pelo contrário, me orgulho muito. Devemos ter no futebol brasileiro uns 50 excelentes profissionais. Se sou o segundo, estou bem colocado. E sou segundo do Muricy, que admiro muito como pessoa. Durante a semana foi encaminhado para Muricy ou Mano, Mano ou Muricy… Não tenho de analisar os porquês do primeiro convite que não teve sequência. O segundo foi feito para mim e estou feliz e orgulhoso. Levei em consideração o que é preciso para se levar neste trabalho.”

Antes de assumir o time nacional, Mano comandará o Corinthians pela última vez neste domingo, na partida contra o Guarani, no Pacaembu, pela décima primeira rodada do Brasileirão, tentando recuperar e deixar o Timão na liderança antes de sair. A apresentação oficial na Seleção está marcada para segunda-feira, às 16h, em um hotel na Zona Sul no Rio de Janeiro. No mesmo dia, Mano Menezes anunciará sua primeira convocação, já que o Brasil tem amistoso marcado para o dia 10 de agosto, contra os Estados Unidos, em Nova Jérsei.

Mano Menezes parabenizado pelo jogadores corintianos que 'invadiram' a coletiva

Bomba! Urgente! Muricy não é o técnico da Seleção!!!

Em dia de muitas bombas…Muricy Ramalho NÃO vai mais ser o técnico da Seleção Brasileira! Ao menos por hora. O treinador não foi liberado pelo Fluminense e será obrigado a cumprir o seu contrato até o final.

Muricy Ramalho nas Laranjeiras


Em entrevista coletiva cedida nessa tarde nas Laranjeiras, o presidente do Fluminense Roberto Horcades informou a todos que Muricy não sai do clube e que não há possiblidades de se haver nenhum acordo amigável quanto a isso.

“A posição oficial do Fluminense tem que ser dada. O treinador Muricy vai continuar no clube cumprindo o contrato como deve ser. Pessoas do nível dele são necessárias no futebol. Deixamos combinados a renovação do Muricy Ramalho até dezembro de 2012. E como ele sempre disse que é uma pessoa de cumprir os contratos e já tinha deixado apalavrado com o Fluminense para ficar até final de 2012 ele vai cumprir o contrato até dezembro de 2012.”

Muricy passou cerca de uma hora e meia conversando com o presidente da CBF Ricardo Teixeira, nessa manhã, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Aceitou o convite, porém, seu contrato, antes de ser renovado, vai até o final do ano, por isso ele teria que comunicar os dirigentes cariocas sobre a decisão. Os dirigentes tricolores não se animaram com a situação e vetaram a liberação do treinador. A situação de momento é que se converse para que Muricy concilie as duas funções, no Flu e na Seleção, até o fim de 2010. Mas não é tão provável que isso aconteça, não.
.

Roberto Horcades, presidente do Fluminense