Arquivo para março \08\UTC 2010

De coração Valente, para a mente saudável…

O jogo marcava o retorno do técnico Ricardo Gomes ao serviço. O treinador sãopaulino voltava a comandar o time do banco de reservas após o susto de sofrer um leve AVC (acidente vascular cerebral), que o afastou por aproximadamente duas semanas do trabalho. Motivação para os jogadores tricolores se esforçarem em dobro para não deixarem RG muito nervoso. Não foi o que aconteceu logo aos cinco minutos de jogo. Cicinho vacilou, o atacante Otacílio Neto aproveitou, invadiu a área, driblou Rogério Ceni e, meio sem ângulo, bateu para o gol. A bola passou por cima de toda a linha de gol e chegou até Finazzi que finalizou como ‘Finazzi’, fazendo com que a bola fizesse o caminho de volta na frente do gol de Rogério Ceni.`

O susto fez bem ao time do Morumbi. A equipe foi ao ataque e, aos 15 minutos, Washington tabelou com Dagoberto na intermediária, recebeu na área e bateu forte de perna esquerda para contar com a falha do goleiro Eduardo Martini e abrir o marcador. Em consideração a sua ex-equipe, o ‘Coração Valente’ não comemorou o gol.

Aí começou a brilhar a estrela do arqueiro sãopaulino. Aos 28, Otacílio Neto ganhou na velocidade do zagueiro Xandão e foi puxado pelo camisa 13 do São Paulo. Pênalti. Na cobrança, Fabiano Gadelha bateu mal e Rogério Ceni, se adiantou, mas fez a defesa. E o castigo veio aos 41. Mais uma vez, com W9. Washington dominou na intermediária e jogou na ponta para Hernanes, que cruzou da linha de fundo. O atacante chutou de primeira, Martini rebateu e Washington chutou mais uma vez para dobrar a vantagem e, ainda no primeiro tempo, dar números finais ao confronto. No segundo tempo, Rogério Ceni seguiu segurando as pontas lá atrás para a representação tricolor, enquanto o resto do time só administrou a vitória. Ponte Preta 0 x 2 São Paulo.

Nos outros jogos importantes da rodada, o Corinthians, em mais uma tarde de fraquíssima inspiração de seus jogadores, em golpe de sorte, e dependendo sempre de seus atletas mais antigos, conseguiu voltar ao G4 apenas aos 42 da etapa final. Jorge Henrique fez cruzamento da direita e Dentinho, ambos que entraram no segundo tempo, cabeceou bonito para dar a vitória ao Timão pela vantagem mínima. Já no Canindé, ahh…Portuguesa!! Quando dizem que tem coisas que só acontecem com a Portuguesa, o pessoal acha que é brincadeira. Não é não. A Lusa vencia o líder Santos até os 44 minutos do segundo tempo, quando acabou cedendo à pressão do chamado ”Circo de Soleil” do futebol nacional no momento. Após falha de marcação da defesa lusitana, Zé Eduardo aproveitou o rebote do goleiro Fábio em chute de Ganso e igualou o placar. 1 a 1.

Com os resultados, o Peixe permanece com larga vantagem na ponta do Paulistão com 32 pontos. O Santo André bateu o Botafogo, no ABC, por 4 a 1, encostou no Santos e, de quebra, ainda tirou o rival do grupo dos quatro melhores. O Ramalhão tem 30 pontos. Em terceiro aparece o São Paulo, com 24 e o Corinthians voltou ao G4 e tem um ponto a menos que o Tricolor.
O Palmeiras, atual décimo primeiro na classificação, com 16 pontos ganhos, joga apenas na noite de hoje, dinate do Sertãozinho, fechando a décima terceira rodada, já que esse jogo foi transferido devido as fortes chuvas de sábado, que inundaram o gramado do estádio Palestra Itália. O jogo será as 21h, na Arena Barueri.

Anúncios

Dia ruim, horário ruim, futebol ruim…

A cidade de São Paulo. Quinta-feira, 5 horas da tarde. Quer horário melhor para ver um futebol?

É claro que é péssimo para um dia da semana e que não dá pra entender essa decisão da Federação Paulista em insistir em marcar jogos para esse horário, mas se ao menos o futebol fosse recompensador, os torcedores diriam que valia a pena tentar sair mais cedo do trabalho e aguentar um pouco mais de trânsito nos arredores do Pacaembu. Certamente NÃO valeu a pena.
Com um futebol cada vez mais distante de entrosado e empolgante, o Corinthians recebeu o Botafogo e desde o início até o fim da partida deu sinais de que a torcida tem muitos motivos para se preocupar quanto ao futuro da equipe em um ano tão importante, o ano do centenário, da Libertadores, de tanta expectativa para todos os corintianos.

Com uma defesa que não consegue se acertar, um meio de campo errando excessivos passes, Ronaldo totalmente inexpressivo e isolado na frente e os outros atacantes muito bem marcados, os comandados de Mano Menezes, que se esguelava no banco de reservas, mas não adiantava, não conseguiam furar o bloqueio da equipe do interior que veio bastante defensiva, o que é de praxe para uma equipe de menor expressão vindo jogar na capital.

Depois de um primeiro tempo muito fraco, o jogo melhorou um pouco na etapa final. Como sempre, todos buscando servir Ronaldo, que pouco se movimentava também no segundo tempo. Aos 11 minutos, a única finalização do fenômeno, em um chute de perna esquerda da intermediária. Grande defesa do goleiro Wéverton, ex-Corinthians. Aos 25, o Timão conseguiu abrir o placar. Dentinho, um dos melhores na partida, tabelou com Alessandro pelo lado direito, invadiu a área e bateu forte. Wérverton ainda tocou nela, mas não evitou o gol. 1 a 0 Corinthians.
Porém, a sensação de conquistar os três pontos durou apenas oito minutos. Aos 33, o atacnte botafoguense William recebeu na intermediária, girou com facilidade para cima do zagueiro Leandro Castán e ganhou na velocidade do mesmo para e chutou cruzado, por baixo do goleiro Felipe, deixando tudo igual. Três minutos depois, os donos da casa ainda se livraram de trauma ainda maior. Após boa troca de passes, Andrezinho cruzou da esquerda e Washington apareceu para completar e acertou a trave direitas de Felipe. Final, Corinthians 1 x 1 Botafogo.
Com o empate, o Timão segue fora do G4, em sexto com 20 pontos. Já o Botafogo ficou feliz com o empate, já que subiu para terceiro, com 22. O time de Parque São Jorge volta a campo no domingo, pela 13a. rodada do Paulistão, diante do São Caetano, no ABC paulista. Já a equipe de Ribeirão Preto encara o Santo André, também no domingo, as 19h30.

Quem não está nada preocupado nesse momento é o torcedor santista. Ontem, a equipe jogou a noite, em horário melhor, e apresentou um futebol muito melhor. Até sofreu um pouquinho, mas conseguiu encontrar forças para bater o Paulista, em Jundiaí. Os donos da casa abriram o placar como Julinho no início do jogo, ainda no primeiro tempo, o Peixe empatou com Wesley. Logo aos sete da segunda etapa, Ganso virou o jogo. Cinco minutos depois, Julinho fez mais um e empatou novamente. Mas, aos 23, Robinho, que foi o melhor em campo na terça-feira pela Seleção Brasileira contra a Irlanda, dois dias depois já estava a disposição, ficou no banco, entrou no segundo tempo e fez um golaço, garantindo mais três pontos para o time de Vila Belmiro, mais líder do que nunca. 3 a 2, no final.

O Peixe está na ponta, com folga, com 31 pontos. O Santo André vem em segundo com 27. O Botafogo é o terceiro com 22 e o São Paulo fecha o grupo dos quatro melhores, com 21. O Palmeiras, segue mal e é apenas o décimo colocado, com 16 pontos.

E a culpa agora é de quem?


Em 2009, a coisa começou a desandar justamente contra eles. Em jogo no estádio Bruno José Daniel, no ABC paulista, o Santo André bateu o Palmeiras e tirou o Verdão da então liderança do Campeonato Brasileiro. Daí em diante, o time de Parque Antártica foi caindo cada vez mais e acabou fora até do grupo classificado para a Taça Libertadores. No primeiro encontro após o Brasileirão, no qual o Santo André acabou rebaixado para a Segunda Divisão, o Ramalhão foi até o Parque Antártica e não se intimidou com o Palestra e sua torcida. Os comandados de Antônio Carlos, que chegou para substituir o até então ‘culpado’ da crise palmeirense Muricy Ramalho, precisavam da vitória para se aproximar dos quatro melhores do Paulistão. Mas a coisa não aconteceu do jeito que os palmeirenses esperavam.
Logo com oito minutos jogados, Bruno César apareceu livre e cruzou da esquerda. A bola passou por Marcos e o atacante Nunes se jogou para empurrar para a rede. 1 a 0 Santo André. Começava o tormento da torcida anfitriã.

E inclusive piorou, aos 30 minutos. O lateral Carlinhos dominou na intermediária pelo lado esquerdo e, com liberdade, chutou forte de longe. Quando a fase é ruim, nem os ídolos se salvam. Marcos errou, não conseguiu segurar, nem espalmar para o lado e acabou soltando a bola para frente. No rebote, Rodriguinho ficou com a sobra e encheu o pé, marcando seu nono gol e se isolando na artilharia do campeonato.

Para ajudar, ainda no primeiro tempo, Claiton Xavier torceu o tornozelo direito e acabou sem condições de continuar na partida. Quando foi substituído por Marquinhos, a torcida não perdoou nem o novo técnico, que foi tão aclamado na chegada e após a vitória sobre o São Paulo. “Burro!! Burro!!”
O atacante Robert ainda deu um pouco de esperança para a torcida, diminuindo a diferença aos 43. Eduardo fez o cruzamento da esquerda, a bola bateu no defensor andreense e sobrou para o camisa 20, que ajeitou e bateu no canto para fazer 2 a 1.

Na saída ao intervalo, o ídolo Marcos, mais uma vez visivelmente inconformado com a sua falha e com a fraca exibição da equipe, fez mais um comentário polêmico, como é de costume do goleiro palmeirense, deixando mistério sobre seu futuro no Palmeiras e também no futebol.
Só sei que a torcida do Palmeiras pode ficar tranquila, porque comigo em campo o sofrimento só vai até o fim do ano.”

Marcos, que fez homenagem ao terremoto no Chile, saiu inconformado


No segundo tempo, os palmeirenses voltaram dispostos a mudar a situação e foram ao ataque. Mas a coisa estava tão feia, que no primeiro ataque visitante, saiu o terceiro gol. E não foi qualquer gol, não. 17 minutos. Ótima troca de passes do ataque do Santo André. Gil tabelou com Branquinho, foi para a linha de fundo e fez o cruzamento rasteiro. Ela chegou novamente a Branquinho, que também foi ao fundo e cruzou de novo. Completamente livre, o artilheiro Rodriguinho mandou de letra e humilhou ainda mais os defensores verdes. Um golaço! Para sacramentar nova crise pros lados do Palestra Itália e preocupar o até então feliz novo treinador Antônio Carlos Zago. Daí em diante, ainda deu tempo do outro xodó da torcida Diego Souza ser expulso após entrada violenta e sair do gramado xingado pela torcida. Palmeiras 1 x 3 Santo André.

Nos outros jogos da quarta-feira pelo Paulistão, o São Paulo decepcionou, mesmo jogando fora de casa. Com um fraco futebol apresentado, o Tricolor não saiu do zero a zero diante de um esforçado Oeste, de um inspirado goleiro Neneca. A Portuguesa fez uma boa apresentação e continua com esperanças de se classificar entre os quatro, após a vitória por 3 a 1 para cima do Rio Claro, no Canindé. E o São Caetano saiu perdendo por 2 a 0 em Bragança, mas conseguiu virar o jogo para cima do Bragantino e conseguir os três pontos com o 3 a 2.

Que venha a Copa do Mundo!!!

Maicon, Gilberto Silva, Júlio César, Juan, Adriano e Lúcio. Ramires, Robinho, Kaká, Michel Bastos e Felipe Melo. Guarde bem esses rostos ai, porque esses 11 estão praticamente garantidos na Copa do Mundo que se inicia daqui a 100 dias. E no final de tarde brasileiro de ontem, a Seleção do Brasil entrou em campo com essa formação para enfrentar o último teste antes do Mundial da África do Sul. E não era esperado um show, como não vem sendo o time comandado por Dunga durante todos esses 3 anos e meio do treinador a frente da Seleção, porém, mais uma vez, eficiente, como vem sendo durante todos esses 3 anos e meio. O adversário era a Irlanda. Time forte, de ótima marcação e que por pouco(mais precisamente de uma mãozinha de Henry na decisão) ficou de fora da Copa.
Disputado desde o início, o jogo era equilibrado mas com vantagem dos brasileiros, não tanta que justificasse o sono de Júlio César na foto acima, mas os brasileiros tomavam mais as iniciativas e criavam mais chances. Sem nenhum susto maior, a não ser uma ótima defesa de um dos melhores goleiros do mundo na atualidade, Júlio César, em cabeçada do atacante irlandês Doyle. O Brasil respondia com jogadas de força de Kaká e Adriano, mas em sua maioria pelo meio e com a marcação levando a melhor. Até que aos 43 minutos, Robinho foi acionado pela ponta direita, partiu para cima da marcação e fez o cruzamento. O volante Andrews tentou cortar, o goleiro Given já tinha saído e a bola morreu no fundo das redes. 1 a 0 Brasil.

Apesar do intervalo, o gol fez muito bem ao time verde e amarelo. Os comandados de Dunga voltaram melhores na segunda etapa, abusando do toque de bola e das jogadas de velocidade. E o destaque ficou por conta do atacante do Santos. Robinho chamou a responsabilidade e tocava o terror na defesa da Irlanda. Tanto que passou a se ver no direito de perder alguns gols feitos. A partir dos 19 minutos, Dunga aproveitou para começar a fazer suas últimas substituições antes da Copa. Grafite (finalmente e infelizmente tarde demais) entrou no lugar de Adriano e Dani Alves no lugar de Ramires. No seu primeiro lance, Daniel se aproveitou de bobagem feita pelo zagueiro Ledger, roubou a bola, driblou o goleiro, mas se desequilibrou e chutou para fora.

Aos 25, Robinho perdeu mais um gol feito após cruzamento de Kaká, chutando por cima. Porém, cinco minutos depois, Dunga chamou Nilmar e o atacante do Villareal da Espanha estava na linha lateral do gramado aguardando a paralisação da partida para poder substituir justamente ele. Porém, “ele” tem estrela. O ataque brasileiro começou a trocar passes. De Michel Bastos para Robinho, que tocou para Kaká, que acionou Robinho, que devolveu para Kaká. O meia do Real Madrid mandou para Grafite, que devolveu. Kaká rolou para trás novamente para Robinho, que mandou para Grafite. O atacante do Wolfsburg ajeitou com extrema categoria, de calcanhar, por entre as pernas do marcador, e Robinho bateu de maneira brilhante, no canto, deslocando o goleiro. Golaço! Para fechar com chave de ouro a preparação brasileira rumo ao Hexa!!! Brasil 2 x 0 Irlanda.

Com a marca de 70 jogadores convocados, Dunga comandou a Seleção por 53 vezes, com 37 vitórias, 11 empates e cinco derrotas. O grupo conquistou a Copa América de 2007 e a Copa das Confederações em 2009. O treinador agora vai escolher os 23 que vão disputar a Copa do Mundo na África do Sul e a lista será divulgada em maio.

Edno chega ao Botafogo…

Nessa segunda-feira, o Botafogo apresentou mais um reforço para a temporada. Trata-se do meia-atacante Edno, que chega emprestado pelo Corinthians até o final de 2010. Edno demonstrou muita satisfação em chegar ao clube campeão da Taça Guanabara e determinado a encontrar o espaço e o bom futebol que não conseguiu no clube paulista.
Como treinava e jogava normalmente no Corinthians neste início de temporada, Edno tem condições físicas de estrear. No entanto, precisa aguardar que o nome dele seja regularizado na CBF.

“O Botafogo é minha nova casa e agora quero voltar a ter alegria. Estava com um desconforto muito grande no Corinthians, apesar de não ter brigado com ninguém. Apenas não estava satisfeito com os critérios utilizados comigo. Aqui o ambiente é bom, fui muito bem recebido e espero ser muito feliz.”

Grêmio garante o primeiro turno do Gaúchão!

Alexandre Alliatti
Globoesporte.com

Se não jogou bem, que jogue bem depois. Se ainda não é um time dos mais confiáveis, que ganhe solidez no futuro. Porque, neste domingo, o negócio era pegar uma taça, erguê-la e soltar o grito de campeão. E isso o Grêmio conseguiu. Com vitória de 1 a 0 sobre o Novo Hamburgo, no Olímpico, graças a golaço de Ferdinando, o Tricolor conquistou o título do primeiro turno do Campeonato Gaúcho e garantiu presença na decisão do Estadual. Fazia mais de mil dias que o clube não colocava uma faixa no peito.

O Estadual de 2007 havia sido o último caneco erguido pelo Grêmio. A pressão por títulos só podia ser grande, dado o tamanho do clube. Ao vencer a Taça Fernando Carvalho, o Tricolor ganha paz para trabalhar. Se também vencer o returno, a chamada Taça Fábio Koff, a equipe treinada por Silas será, automaticante, a campeão gaúcha de 2010.
O rendimento tricolor na final foi deste domingo foi apenas regular. O Novo Hamburgo, especialmente no segundo tempo, chegou a controlar o time da casa. Mas os visitantes não tiveram a mesma eficiência do Grêmio. Um lance raro de Ferdinando fez a diferença.

A molecagem derrubando a burocracia…


Que a expectativa era de um grande jogo na Vila Belmiro, isso é certeza. Dos meninos da Vila, mesmo sem Robinho, que está com a Seleção Brasileira, que disputa amistoso em Londres, contra a Irlanda, nessa terça-feira, contra os experientes craques e ‘velhinhos’ do Parque São Jorge. Mas nem o mais otimista expectador, torcedor de qualquer das duas equipes imaginava um começo tão alucinante.
Ronaldo e Dentinho no centro do gramado para o pontapé inicial. Dentinho rola para Ronaldo, que faz o passe longo para a direita e correria em direção ao ataque. Nisso, o garoto Paulo Henrique Ganso encontra o Fenômeno e aplica a chamada ‘paulistinha’ deixando Ronaldo estirado no gramado, se contorcendo de dor, e os corintianos preocupados com menos de 10 segundos de jogo. Mas não seria apenas isso de preocupação para a Fiel. Aos quatro minutos, Marquinhos é acionado e invade perigosamente a área corintiana. William chega na cobertura e Roberto Carlos tenta o desarme por trás. Marquinhos cai. Pênalti e cartão amarelo para RC6, assinalados pelo árbitro José Henrique de Carvalho, que viria a ser muito contestado por parte das duas equipes. Na cobrança, o xodó santista, Neymar. Bateu forte e Felipe defendeu bonito, espalmando para cima. Tudo isso com menos de 5 minutos de bola rolando na Vila Belmiro.

Mas, mesmo assim, os corintianos seguiam inferiores ao futebol do time da casa, e não conseguiam criar muitas chances de gol. Diferentemente dos garotos comandados por Dorival Júnior, que levavam muito perigo ao goleiro Felipe do Corinthians. Aos 7, Ganso lançou Neymar, a zaga parou, Roberto Carlos deu condição de jogo, e o garoto saiu de frente a Felipe, que salvou o Timão mais uma vez. Aos 18, foi a vez de Arouca aparecer. O volante saiu de trás, recebeu enfiada de bola de Marquinhos e obrigou Felipe a operar mais um milagre para manter o placar igual. A atuação do Felipe corintiano parecia inspirar os companheiros que decidiram partir para o ataque. E os visitantes quase abriram a conta aos 24, em um dos lances mais bonitos do campeonato. Ronaldo partiu pela direita e lançou Dentinho na área. O camisa 17 dominou, levantou a bola tirando da marcação e emendou uma linda bicicleta. Foi a vez do goleiro Felipe do Santos mostrar que não ficava devendo ao xará corintiano.

O Corinthians crescia na partida e já tomava as maiores atitudes na partida, quando, aos 33, Marquinhos desceu pela direita e achou Neymar na entrada da grande área, o garoto dominou, girou para cima da marcação de Alessandro e bateu forte no canto de Felipe, que dessa vez nada pôde fazer.

No segundo tempo, Mano tentou melhorar o time sacando Alessandro e Ralf e mandando a campo Moacir e Jucilei. Mal sabia ele que estaria acabando com as chances corintianas de conquistar um bom resultado na Vila. O time continuou com um futebol muito burocrático, até piorou e viu o Peixe dobrar a vantagem aos 14 minutos. Mais uma vez em uma jogada muito bem feita pelo setor de ataque, Marquinhos jogou por cima para Neymar, dentro da grande área. Ele matou bonito no peito e viu o atacante André chegando de trás. Neymar rolou e André, livre, só empurrou no canto de Felipe. 2 a 0.

Com a vantagem, os garotos santistas ficaram ainda mais atrevidos e irritavam os rivais com algumas ‘graças’ com a bola rolando ou com o jogo parado. Em um dos lances, Neymar aplicou um chapéu em Chicão, após ser indicado em posição de impedimento. O zagueiro não gostou nada e empurrou o atacante pela cabeça. Cartão amarelo para os dois.

Aos 24, o Timão conseguiu diminuir a vantagem. Ronaldo fez jogada pela esquerda e acionou Dentinho que, de dentro da área bateu de primeira, a bola bateu caprichosamente na trave direita do goleiro Felipe e voltou no pé do atacante corintiano que encheu o pé, estufando a rede. Aí a pressão corintiana seria intensa. Seria. Dois minutos depois, lembra do Moacir? Que veio do Sport de Recife, atuou apenas alguns minutos em um jogo do Paulistão até então. Pois é. O lateral, que já havia levado cartão amarelo em sua primeira participação no jogo, entrou de maneira violenta e desproporcional em Marquinhos e foi expulso, brecando a reação dos comandados de Mano Menezes, que se desesperava no banco de reservas com a arbitragem, mas nesse lance, se revoltou com a postura de Moacir que mereceu ser expulso. Com um a menos já ia ficar difícil empatar o jogo. E com dois a menos então? Dois minutos depois de Moacir levar o vermelho, o experiente Roberto Carlos tentou jogada para cima de Roberto Brum dentro da área santista, tomou a frente do adversário e se jogou, tentando cavar um pênalti. Se levantou rapidamente, mas o árbitro não perdoou e mostrou o segundo cartão amarelo para Roberto Carlos e lhe proporcionou a segunda expulsão em poucos jogos pelo Timão, curiosamente segunda expulsão no seu segundo clássico. O primeiro foi contra o Palmeiras quando RC foi expulso com menos de 10 minutos de jogo, mas naquela oportunidade, o Corinthians ainda conseguiu a vitória. Não foi o que aconteceu dessa vez. Com dois a menos, o Timão passou a tentar não tomar mais gols e só. Mas o Santos apenas administrava e se preocupava em brincar. Por isso, aos 40, os corintianos tiveram a chance de, nas palavras do seu técnico, se tornarem heróis. Os santistas só observaram o avanço de Dentinho pela direita. Ele foi até a linha de fundo e cruzou. Ronaldo não aguenta correr da defesa ao ataque e vice-versa durante todo o jogo, por isso não estava na grande área. O goleiro Felipe se atrapalhou e deixou a bola escapar. Quem estava na pequena área, com gol aberto, com a missão de apenas empurrar para dentro era Tcheco. Ele deciciu cabecear a bola, que não é sua especialidade. E conseguiu o mais difícil, mandar por cima e decretar a derrota corintiana na Vila. Santos 2 x 1 Corinthians.

Nos outros jogos importantes da rodada, o Santo André bateu a Portuguesa com facilidade por 2 a 0, em casa e segue na cola do líder Santos. No domingo, o São Paulo promoveu a estréia do atacante Fernandinho, que entrou no segundo tempo do duelo contra o Monte Azul, em Barueri. O jogo já estava 1 a 0 para o Tricolor, mas Fernandinho mostrou que não chegou para ser mais um. Marcou nada menos que quatro gols e ajudou o São Paulo a encerrar o jejum de dois jogos sem vitória com a goleada por 5 a 1. Já o embalado Palmeiras, de Antônio Carlos Zago, sofreu o primeiro baque sob o comando do novo ‘professor’. Perdeu do Rio Claro, um dos últimos da tabela, por 1 a 0.
O Santos segue absoluto na ponta, agora com 28 pontos, seguido pelo Santo André, com 24. O terceiro é o Botafogo de Ribeirão Preto, que tem 21 pontos. Quem fecha o grupo dos quatro melhores agora é o São Paulo, que chegou aos 20 pontos, deixando o Corinthians fora do G4, com 19, na quinta posição. Po falar em grande fora da zona de classificação para as semifinais, o Palmeiras com a derrota continua distante desse grupo, com 16 pontos, em oitavo.

Anúncios