Arquivo para 29 de março de 2010

O fim da ‘era’ Armando Nogueira…

GLOBOESPORTE.COM

O jornalismo está de luto. Foi-se um representante da “camisa 10” na arte de escrever da era de ouro da crônica esportiva. Aos 83 anos, Armando Nogueira, um dos maiores jornalistas do país, tanto esportivo quanto das demais áreas, morreu na madrugada desta segunda-feira, em sua casa, na Lagoa, Zona Sul do Rio de Janeiro. Há dois anos, Armando lutava contra um câncer no cérebro – que lhe roubou primeiro a capacidade de falar e escrever, duas das atividades que mais prezava.

O velório do corpo do jornalista será a partir das 13h desta segunda-feira, na Tribuna de Honra do Maracanã, até as 11h de terça-feira. De lá, o corpo seguirá para o enterro, às 12h, no cemitério São João Batista.
No estádio, lhe foi dada uma das maiores homenagens pela Superintendência de Desportos da Cidade do Rio de Janeiro (Suderj), que inaugurou o Espaço Armando Nogueira, localizado no acesso à tribuna de imprensa. A foto do cronista aparece ao lado das de outros 72 grandes nomes da imprensa esportiva, como Ary Barroso, Jorge Cury e João Saldanha. O Governo do Estado do Rio decretou luto oficial de três dias. Armando, que foi um dos criadores do Jornal Nacional, do qual foi diretor de jornalismo na Rede Globo, deixa um filho, Armando Augusto Magalhães Nogueira, conhecido como Manduca, também jornalista.

Clássico (e frangos) de arrepiar…

Tudo bem que Corinthians e São Paulo andam mesmo capengando, até estão vencendo uma partida aqui, outra ali, mas não andam convencendo nenhum de seus torcedores. E, até devido a isso, ambas as equipes precisavam muito de um resultado positivo no clássico, até para se tranquilizar na tabela e continuar brigando pela vaga no G4. Mas, mesmo assim, ningém poderia esperar um clássico tão eletrizante como foi ontem a tarde no Pacaembu.

Mesmo não muito satisfeita com o desempenho da equipe, a torcida corintiana mostrou porque é considerada a ‘Fiel’ e, após lotar o Parque São Jorge no último treinamento antes do clássico, lotou também o Pacaembu para apoiar o Timão. E foi impulsionado por essa torcida que o time pressionou os rivais desde o início. Contando com vários desfalques, entre eles Chicão e Felipe, Mano Menezes optou mais uma vez por entrar com um meio de campo reforçado, com Ralf, Jucilei e Elias, além do ex-sãopaulino Danilo e deixou Jorge Henrique no banco de reservas. Já Ricardo Gomes, entrou com o que tinha de melhor, com Richarlyson, como a única ausência na equipe.
Aos 15 minutos, um lance incrível. Após cobrança de escanteio, o zagueiro Paulo André subiu de cabeça e mandou na trave de Rogério. No rebote, Dentinho bateu forte e acertou a trave novamente. A bola sobrou mais uma vez, dessa vez para o capitão William que bateu rasteiro, para um milagre de Rogério Ceni, evitando o gol corintiano.
O lance empolgou a torcida e o time corintianos. Tanto que três minutos depois, após linda troca de passes entre Danilo, Dentinho, Ronaldo e Elias, o camisa 7 bateu de primeira e mandou no canto de Rogério, abrindo o placar.

O Timão recuou um pouco, como de costume, mas mesmo assim conseguiu alcançar o segundo gol antes do São Paulo ameaçar o gol do garoto Rafael Santos. Aos 33, Dentinho fez boa jogada pela esquerda, cruzou rasteiro, Miranda levou a melhor para cima de Ronaldo, foi tentar sair jogando, dividiu com Elias e a bola sobrou para Danilo, que bateu com efeito, no ângulo de Ceni, que não alcançou.

Na saída de bola, o ponto negativo do clássico, Danilo tirou a bola de Washington e ela ficou com Dentinho, que tentou proteger. W9 se enroscou com o atacante corintiano, os dois se estranharam, se estapiaram e ambos acabaram expulsos de campo. Antes do intervalo, aos 43, o Tricolor ainda diminuiu. Dagoberto foi a linha de fundo, passou fácil por Paulo André e cruzou para trás para Jean bater no canto e descontar.

Na etapa final, Ricardo Gomes lançou o time a frente, sacando Léo Lima e mandando a campo o atacante Fernandinho. Mano manteve o mesmo time, apenas com um lento Ronaldo a frente. Porém, aos 7 minutos, outro experiente corintiano anotou o terceiro. Ao seu melhor estilo, Roberto Carlos cobrou falta central da intermediária, a bola fez a tradicional curva que poucos conseguem fazer igual e enganou Rogério Ceni. O sãopaulino caiu estranho, tocou nela mas não evitou o segundo gol do lateral com a camisa corintiana.

O terceiro gol desanimou os visitantes, que à aquela altura já se encontrava muito próximo da derrota. Porém, os comandados de Ricardo Gomes encontraram uma ajuda importante na reação na partida. E essa ajuda atende pelo nome de Rafael Santos. O jovem goleiro, substituto de Felipe, machucado, até então vinha sendo pouco acionado no jogo, e quando foi um pouco mais, falhou. E feio. Aos 29, Hernanes cobrou falta em cima do goleiro corintiano, que tentou encaixar a bola, mas soltou. Rodrigo Souto estava esperto e aproveitou o rebote. 3 a 2. E ainda teve mais. Animados e de volta a disputa, o São Paulo foi para cima e o gol de empate não demorou a sair. Aos 36, em nova cobrança de falta, Cicinho levantou da esquerda, Rafael saiu totalmente fora do tempo e mais uma vez Rodrigo Souto aproveitou, subiu de cabeça e deixou tudo igual. Era tudo que os corintianos não imaginavam que poderia ainda acontecer.

Com o empate, os sãopaulinos tomaram conta do jogo e partiram em busca da vitória. Mas o Corinthians conseguia se segurar e o empate já parecia de bom tamanho. Aos 43, Mano, por fim, sacou Ronaldo, para a entrada de Iarley. Era muito tarde para qualquer possibilidade, certo? Errado. Aos 45, o atacante, ex-Goiás e Inter, recebeu pela esquerda de ataque, invadiu a área, cortou dois marcadores e bateu cruzado. O zagueiro Alex Silva mandou a cabeça nela e acertou o ângulo de Rogério Ceni. Êxtase da Fiel. Corinthians 4 x 3 São Paulo.

Com a vitória, o Timão continua vivo na briga pela classificação, porém, não conseguiu adentrar o grupo dos quatro melhores, já que o Grêmio Prudente bateu a Portuguesa, em pleno Canindé, por 2 a 1, e garantiu o pulo para a terceira posição na tabela. Mesmo com a derrota, o São Paulo se manteve no G4, mas está em quarto e a um ponto do Corinthians. Já o líder Santos passeou mais uma vez. Enfrentou o muito fraco Monte Azul, na Vila Belmiro. Dá pra imaginar o resultado não é? Goleada. Claro. 5 a 0, sem muito esforço. E o técnico Dorival Júnior ainda afirmou que o time não jogou bem. Imagina se jogasse. No sábado, o Palmeiras se afundou um pouco mais na crise, ao empatar com o Mirassol, no Palestra Itália, por 1 a 1. O Santos está em primeiro com 41 pontos, Santo André, que perdeu para o Mogi por 3 a 2, é o segundo com 36, Prudente é o terceiro com 31 e o São Paulo fecha o G4 com 30. Corinthians vem na seqüência com 29, Lusa e Botafogo com 28 e São Caetano com 27 ainda alimentam esperanças também.