Arquivo para 4 de março de 2010

E a culpa agora é de quem?


Em 2009, a coisa começou a desandar justamente contra eles. Em jogo no estádio Bruno José Daniel, no ABC paulista, o Santo André bateu o Palmeiras e tirou o Verdão da então liderança do Campeonato Brasileiro. Daí em diante, o time de Parque Antártica foi caindo cada vez mais e acabou fora até do grupo classificado para a Taça Libertadores. No primeiro encontro após o Brasileirão, no qual o Santo André acabou rebaixado para a Segunda Divisão, o Ramalhão foi até o Parque Antártica e não se intimidou com o Palestra e sua torcida. Os comandados de Antônio Carlos, que chegou para substituir o até então ‘culpado’ da crise palmeirense Muricy Ramalho, precisavam da vitória para se aproximar dos quatro melhores do Paulistão. Mas a coisa não aconteceu do jeito que os palmeirenses esperavam.
Logo com oito minutos jogados, Bruno César apareceu livre e cruzou da esquerda. A bola passou por Marcos e o atacante Nunes se jogou para empurrar para a rede. 1 a 0 Santo André. Começava o tormento da torcida anfitriã.

E inclusive piorou, aos 30 minutos. O lateral Carlinhos dominou na intermediária pelo lado esquerdo e, com liberdade, chutou forte de longe. Quando a fase é ruim, nem os ídolos se salvam. Marcos errou, não conseguiu segurar, nem espalmar para o lado e acabou soltando a bola para frente. No rebote, Rodriguinho ficou com a sobra e encheu o pé, marcando seu nono gol e se isolando na artilharia do campeonato.

Para ajudar, ainda no primeiro tempo, Claiton Xavier torceu o tornozelo direito e acabou sem condições de continuar na partida. Quando foi substituído por Marquinhos, a torcida não perdoou nem o novo técnico, que foi tão aclamado na chegada e após a vitória sobre o São Paulo. “Burro!! Burro!!”
O atacante Robert ainda deu um pouco de esperança para a torcida, diminuindo a diferença aos 43. Eduardo fez o cruzamento da esquerda, a bola bateu no defensor andreense e sobrou para o camisa 20, que ajeitou e bateu no canto para fazer 2 a 1.

Na saída ao intervalo, o ídolo Marcos, mais uma vez visivelmente inconformado com a sua falha e com a fraca exibição da equipe, fez mais um comentário polêmico, como é de costume do goleiro palmeirense, deixando mistério sobre seu futuro no Palmeiras e também no futebol.
Só sei que a torcida do Palmeiras pode ficar tranquila, porque comigo em campo o sofrimento só vai até o fim do ano.”

Marcos, que fez homenagem ao terremoto no Chile, saiu inconformado


No segundo tempo, os palmeirenses voltaram dispostos a mudar a situação e foram ao ataque. Mas a coisa estava tão feia, que no primeiro ataque visitante, saiu o terceiro gol. E não foi qualquer gol, não. 17 minutos. Ótima troca de passes do ataque do Santo André. Gil tabelou com Branquinho, foi para a linha de fundo e fez o cruzamento rasteiro. Ela chegou novamente a Branquinho, que também foi ao fundo e cruzou de novo. Completamente livre, o artilheiro Rodriguinho mandou de letra e humilhou ainda mais os defensores verdes. Um golaço! Para sacramentar nova crise pros lados do Palestra Itália e preocupar o até então feliz novo treinador Antônio Carlos Zago. Daí em diante, ainda deu tempo do outro xodó da torcida Diego Souza ser expulso após entrada violenta e sair do gramado xingado pela torcida. Palmeiras 1 x 3 Santo André.

Nos outros jogos da quarta-feira pelo Paulistão, o São Paulo decepcionou, mesmo jogando fora de casa. Com um fraco futebol apresentado, o Tricolor não saiu do zero a zero diante de um esforçado Oeste, de um inspirado goleiro Neneca. A Portuguesa fez uma boa apresentação e continua com esperanças de se classificar entre os quatro, após a vitória por 3 a 1 para cima do Rio Claro, no Canindé. E o São Caetano saiu perdendo por 2 a 0 em Bragança, mas conseguiu virar o jogo para cima do Bragantino e conseguir os três pontos com o 3 a 2.